Aquecimento Global – Temperatura pode atingir o pico em cerca de 10 anos

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Abril 2022

 

"O aquecimento global não para. Se as pessoas em todos os lugares parassem de queimar combustíveis fósseis amanhã, o calor armazenado ainda continuaria a aquecer a atmosfera", escreve Richard B. (Ricky) Rood, Professor de Ciências e Engenharia do Clima e do Espaço na Universidade de Michigan, em artigo publicado por The Conversation e reproduzido por EcoDebate, 05-04-2022. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

 

Eis o artigo.

 

Imagine como um radiador aquece uma casa. A água é aquecida por uma caldeira e a água quente circula pelas tubulações e radiadores da casa. Os radiadores aquecem e aquecem o ar da sala. Mesmo depois de desligada a caldeira, a água já aquecida continua circulando pelo sistema, aquecendo a casa. Os radiadores estão, de fato, esfriando, mas o calor armazenado ainda está aquecendo o ar da sala.

Isso é conhecido como aquecimento comprometido. Da mesma forma, a Terra tem maneiras de armazenar e liberar calor.

Pesquisas emergentes estão refinando a compreensão dos cientistas de como o aquecimento comprometido da Terra afetará o clima. Onde antes pensávamos que levaria 40 anos ou mais para a temperatura do ar da superfície global atingir o pico quando os humanos parassem de aquecer o planeta, a pesquisa agora sugere que a temperatura pode atingir o pico em cerca de 10 anos.

Mas isso não significa que o planeta retorne ao seu clima pré-industrial ou que evitemos efeitos perturbadores, como o aumento do nível do mar.

Sou professor de ciências climáticas e minha pesquisa e ensino focam na usabilidade do conhecimento climático por profissionais como planejadores urbanos, profissionais de saúde pública e formuladores de políticas. Com um novo relatório sobre a mitigação das mudanças climáticas esperado do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas no início de abril, vamos dar uma olhada no quadro geral.

 

Como a compreensão do pico de aquecimento mudou

 

Historicamente, os primeiros modelos climáticos representavam apenas a atmosfera e foram bastante simplificados. Ao longo dos anos, os cientistas adicionaram oceanos, terra, camadas de gelo, química e biologia.

Os modelos atuais podem representar mais explicitamente o comportamento dos gases de efeito estufa, especialmente o dióxido de carbono. Isso permite que os cientistas separem melhor o aquecimento devido ao dióxido de carbono na atmosfera do papel do calor armazenado no oceano.

Pensando na nossa analogia do radiador, as concentrações crescentes de gases de efeito estufa na atmosfera da Terra mantêm a caldeira ligada – mantendo a energia perto da superfície e elevando a temperatura. O calor se acumula e é armazenado, principalmente nos oceanos, que assumem o papel de radiadores. O calor é distribuído em todo o mundo através do clima e das correntes oceânicas.

O entendimento atual é que se todo o aquecimento adicional ao planeta causado por humanos fosse eliminado, um resultado plausível é que a Terra atingiria um pico global de temperatura do ar na superfície em cerca de 10 anos e não em 40. A estimativa anterior de 40 anos ou mais tem sido amplamente utilizada ao longo dos anos, inclusive por mim.

É importante notar que este é apenas o pico, quando a temperatura começa a se estabilizar – não o início de um resfriamento rápido ou uma reversão das mudanças climáticas.

Acredito que há incerteza suficiente para justificar a cautela em exagerar o significado dos resultados da nova pesquisa. Os autores aplicaram o conceito de aquecimento de pico à temperatura do ar da superfície global. A temperatura global do ar na superfície é, metaforicamente, a temperatura na “sala”, e não é a melhor medida da mudança climática. O conceito de cortar instantaneamente o aquecimento causado pelo homem também é idealizado e totalmente irreal – fazer isso envolveria muito mais do que apenas acabar com o uso de combustíveis fósseis, incluindo mudanças generalizadas na agricultura – e apenas ajuda a ilustrar como partes do clima podem se comportar.

Mesmo se a temperatura do ar atingir o pico e se estabilizar, o “derretimento do gelo comprometido”, o “aumento do nível do mar comprometido” e inúmeras outras tendências terrestres e biológicas continuariam a evoluir a partir do calor acumulado. Alguns deles podem, de fato, causar a liberação de dióxido de carbono e metano, especialmente do Ártico e de outros reservatórios de alta latitude que estão atualmente congelados.

Por essas e outras razões, é importante considerar o quão longe no futuro estudos como este parecem.

 

Oceanos no futuro

 

Os oceanos continuarão a armazenar calor e a trocá-lo com a atmosfera. Mesmo que as emissões parassem, o excesso de calor que vem se acumulando no oceano desde os tempos pré-industriais influenciaria o clima por mais 100 anos ou mais.

Como o oceano é dinâmico, tem correntes e não simplesmente difundirá seu excesso de calor de volta à atmosfera. Haverá altos e baixos à medida que a temperatura se ajusta.

Os oceanos também influenciam a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera, porque o dióxido de carbono é absorvido e emitido pelos oceanos. Estudos paleoclimáticos mostram grandes mudanças no dióxido de carbono e na temperatura no passado, com os oceanos desempenhando um papel importante.

 

O gráfico mostra como o excesso de calor – energia térmica – se acumulou no oceano, terra, gelo e atmosfera desde 1960 e se moveu para maiores profundidades oceânicas com o tempo. TOA CERES refere-se ao topo da atmosfera.
(Fonte: Karina von Schuckman, LiJing Cheng, Matthew D. Palmer, James Hansen, Caterina Tassone, et al., CC BY-SA | Reprodução EcoDebate)

 

Países não estão perto de acabar com o uso de combustíveis fósseis

 

A possibilidade de que uma intervenção política possa ter impactos mensuráveis ​​em 10 anos, em vez de várias décadas, poderia motivar esforços mais agressivos para remover o dióxido de carbono da atmosfera. Seria muito satisfatório ver as intervenções de políticas tendo benefícios presentes em vez de potenciais no futuro.

No entanto, hoje, os países não estão nem perto de acabar com o uso de combustíveis fósseis. Em vez disso, todas as evidências apontam para a humanidade experimentando um rápido aquecimento global nas próximas décadas.

Nossa descoberta mais robusta é que quanto menos dióxido de carbono os humanos liberarem, melhor será a humanidade. O aquecimento comprometido e o comportamento humano apontam para a necessidade de acelerar os esforços tanto para reduzir as emissões de gases de efeito estufa quanto para se adaptar a este planeta em aquecimento agora, em vez de simplesmente falar sobre o quanto precisa acontecer no futuro.

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquecimento Global – Temperatura pode atingir o pico em cerca de 10 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU