Cortar emissões de CO2 e poluentes de curta duração pode diminuir a taxa de aquecimento global

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vejo o Evangelho apenas de maneira sociológica, sim, sou comunista, e Jesus também”. Entrevista com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por defender indígenas, arcebispo de Porto Velho é alvo de intimidações até nas missas

    LER MAIS
  • Eu, o tirano. Entrevista com Éric Sadin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Mai 2022


Combater o dióxido de carbono e os poluentes de curta duração ao mesmo tempo oferece a melhor e a única esperança de a humanidade chegar a 2050 sem desencadear mudanças climáticas irreversíveis e potencialmente catastróficas.

 

A reportagem foi publicada por Universidade da Califórnia – San Diego e reproduzida por EcoDebate, 25-05-2022. A tradução e a edição são de Henrique Cortez

 

Cortar as emissões de dióxido de carbono, por si só, não pode impedir o aquecimento global catastrófico. Mas um novo estudo conclui que uma estratégia que reduz simultaneamente as emissões de outros poluentes climáticos amplamente negligenciados reduziria a taxa de aquecimento global pela metade e daria ao mundo uma chance de manter o clima seguro para a humanidade.

 

Publicado esta semana pela Proceedings of the National Academy of Sciences, o estudo é o primeiro a analisar a importância de reduzir os poluentes climáticos não-dióxido de carbono em relação à mera redução das emissões de combustíveis fósseis , tanto no curto quanto no médio prazo.

 

Confirma os temores crescentes de que o foco quase exclusivo atual no dióxido de carbono não pode por si só impedir que as temperaturas globais ultrapassem 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, a barreira internacionalmente aceita além da qual se espera que o clima mundial ultrapasse pontos de inflexão irreversíveis.

 

De fato, essa descarbonização por si só dificilmente impediria que as temperaturas excedessem até mesmo o limite muito mais perigoso de 2 graus Celsius.

 

 

 

O estudo – realizado por cientistas da Georgetown University, Texas A&M University, Scripps Institution of Oceanography da UC San Diego e outros – conclui que a adoção de uma estratégia dupla que reduz simultaneamente as emissões de dióxido de carbono e de outros poluentes climáticos reduziria a taxa de aquecimento. pela metade até 2050, tornando muito mais provável que fique dentro desses limites.

 

Os poluentes não-dióxido de carbono incluem metano, refrigerantes hidrofluorocarbonados, fuligem de carbono preta, poluição atmosférica de ozônio troposférico, bem como óxido nitroso. O estudo calcula que, juntos, esses poluentes atualmente contribuem quase tanto para o aquecimento global quanto o dióxido de carbono. Como a maioria deles dura pouco tempo na atmosfera, cortá-los retarda o aquecimento mais rápido do que qualquer outra estratégia de mitigação.

 

Até agora, no entanto, a importância desses poluentes não-dióxido de carbono foi subestimada por cientistas e formuladores de políticas e amplamente negligenciada nos esforços para combater as mudanças climáticas.

 

Relatórios recentes do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas concluem que cortar as emissões de combustíveis fósseis – a principal fonte de dióxido de carbonodescarbonizando o sistema energético e mudando para energia limpa , isoladamente, na verdade piora o aquecimento global no curto prazo. Isso porque a queima de combustíveis fósseis também emite aerossóis de sulfato, que agem para resfriar o clima, e estes são reduzidos junto com o dióxido de carbono quando se muda para energia limpa. Esses sulfatos de resfriamento caem da atmosfera rapidamente, em dias ou semanas, enquanto grande parte do dióxido de carbono dura centenas de anos, levando ao aquecimento geral na primeira década ou duas.

 

 

O novo estudo explica esse efeito e conclui que focar exclusivamente na redução das emissões de combustíveis fósseis pode resultar em “aquecimento fraco e de curto prazo”, o que poderia fazer com que as temperaturas excedessem o nível de 1,5 graus Celsius até 2035 e o nível de 2 graus Celsius até 2050

 

Em contraste, a estratégia dupla que simultaneamente reduz os poluentes não-dióxido de carbono, especialmente os poluentes de vida curta, permitiria que o mundo ficasse bem abaixo do limite de 2 graus Celsius e melhoraria significativamente a chance de permanecer abaixo da meta de 1,5 graus Celsius.

 

De fato, um insight importante do estudo é a necessidade de que as políticas climáticas abordem todos os poluentes emitidos por fontes de combustíveis fósseis, como usinas de carvão e motores a diesel, em vez de considerar apenas o dióxido de carbono ou o metano individualmente, como é comum.

 

Continuar a reduzir as emissões de dióxido de carbono dos combustíveis fósseis continua sendo vital, enfatiza o estudo, pois isso determinará o destino do clima a longo prazo além de 2050. A eliminação gradual dos combustíveis fósseis também é essencial porque eles produzem poluição do ar que mata mais de oito milhões de pessoas a cada ano e causa bilhões de dólares em danos às plantações.

 

Combater o dióxido de carbono e os poluentes de curta duração ao mesmo tempo oferece a melhor e a única esperança de a humanidade chegar a 2050 sem desencadear mudanças climáticas irreversíveis e potencialmente catastróficas.

 

Referência

 

Mitigating climate disruption in time: A self-consistent approach for avoiding both near-term and long-term global warming
Gabrielle B. Dreyfus, Yangyang Xu, Drew T. Shindell, Durwood Zaelke and Veerabhadran Ramanathan
May 23, 2022 – 119 (22) e2123536119

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cortar emissões de CO2 e poluentes de curta duração pode diminuir a taxa de aquecimento global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV