O pedido de desculpas do papa aos povos indígenas do Canadá foi verdadeiramente notável

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Julho 2022

 

Existe algo tão raro em nosso mundo moderno, tecnocrático e obcecado pelo poder como a contrição genuína?

 

Quantas vezes figuras públicas pedem desculpas "se alguém se ofendeu" por algum erro grave, como se o que está errado dependesse de consequências negativas? É um pedido de desculpas sem desculpas.

 

A reportagem é de Michael Sean Winters, publicada por National Catholic Reporter, 27-07-2022.

 

Quantas vezes as pessoas falam palavras de ordem sobre os pecados do passado, pedindo perdão pelos erros cometidos por outros e fazendo da culpa um ídolo? A historiadora do Holocausto, Eva Fleischner, reconheceu o perigo de tais atitudes quando escreveu:

 

“A culpa que permanece culpa é perigosa. .. Devemos ajudar nossos alunos a transformar seu sentimento de culpa em um senso de responsabilidade, para o presente e o futuro".

 

Quantas vezes nós modernos – tendo reduzido nossa religião a uma forma de excelência moral, seja de pureza sexual ou justiça social – esquecemos como a iniquidade atinge cada coração humano?

 

Quantas vezes nós, em nosso zelo de ser hipersensíveis, inconscientemente fazemos nossa a caracterização da crença liberal moderna escrita por H. Richard Niebuhr: “Um Deus sem ira trouxe homens sem pecado para um Reino sem julgamento através do ministério de um Cristo redentor"? Não há muita necessidade de contrição nesse sistema de crenças.

 

 

O Papa Francisco não tem medo da contrição genuína. Ele não fica surpreso ao saber que pessoas boas – e certamente muitas das irmãs religiosas que dirigiam os internatos para os povos nativos eram boas pessoas – fizeram coisas terríveis e pecaminosas. Ele não fica surpreso ao saber que gerações anteriores de cristãos invocaram o nome do Filho de Deus encarnado, em quem não há grego nem judeu, enquanto efetivamente destruíam a cultura dos povos indígenas, e não conseguiram ver a contradição.

 

O Papa com o cocar de plumas cercado por líderes indígenas (Foto: Vatican Media)

 

Meu colega do Global Sisters Report, Dan Stockman, relatou um artigo maravilhoso sobre as maneiras pelas quais várias ordens religiosas de mulheres estão lidando com a história de suas ordens no cometimento do que agora vemos claramente como crimes culturais da mais alta ordem.

 

Francisco vê que uma consciência saudável da depravação humana é uma condição para a contrição genuína, e que tal consciência não leva ao desespero, nem precisa baratear a graça. Em vez disso, produz uma clareza e uma profunda simpatia pela condição humana.

 

É por isso que, durante sua visita à cúria jesuíta em Roma no início deste mês, quando perguntado sobre sua próxima viagem ao Canadá, ele disse: "É uma viagem que dizem não ser fácil. Acho que é". Não é fácil porque os pecados foram cometidos por outros e há muito tempo. É fácil porque o papa entende o mal e a graça, a obra do diabo e a obra redentora do Senhor.

 

O papa iniciou sua peregrinação ao Canadá com um encontro com os povos indígenas. Para ser preciso, ele começou com seus mortos. Em sua cadeira de rodas, Francisco foi levado a um cemitério e ali inclinou a cabeça em oração. A imagem era poderosa: o papa humilhado pela fragilidade física, os povos indígenas orando com ele, o vento soprando para longe (cf. Jo 3,8).

 

Então o papa foi levado a uma arena onde os povos nativos organizaram um serviço muito diferente de tudo que eu já tinha visto: ao mesmo tempo solene e descontraído, improvisado e evocativo, ritualístico e espontâneo. O papa parecia completamente em casa e à vontade, embora um pouco cansado de suas viagens.

 

Quando chegou a hora de falar, o Santo Padre não pediu apenas perdão, nem simplesmente pediu desculpas. O papa implorou por perdão e demonstrou contrição aguda.

 

"Esperava vir aqui e estar com vocês! Aqui, deste lugar associado a lembranças dolorosas, gostaria de começar o que considero uma peregrinação, uma peregrinação penitencial", começou o Santo Padre. "Vim à sua terra natal para contar pessoalmente a minha dor, implorar o perdão, a cura e a reconciliação de Deus, para expressar minha proximidade e rezar com você e por você".

 

E mais adiante: “O lugar onde estamos reunidos renova em mim o profundo sentimento de dor e remorso que senti nestes últimos meses. Lembro-me das situações trágicas que tantos de vocês, suas famílias e suas comunidades conheceram; do que você compartilhou comigo sobre o sofrimento que você suportou nas escolas residenciais. São traumas que de alguma forma são despertados sempre que o assunto surge; percebo também que nosso encontro de hoje pode trazer de volta lembranças e mágoas antigas, e que muitos você pode se sentir desconfortável mesmo enquanto eu falo".

 

E, ainda:

 

"Estou aqui porque o primeiro passo da minha peregrinação penitencial entre vocês é pedir novamente perdão, dizer-lhes mais uma vez que sinto muito. Desculpem as maneiras como, lamentavelmente, muitos cristãos apoiaram a colonização mentalidade dos poderes que oprimiam os povos indígenas. Lamento. Peço perdão, em particular, pela forma como muitos membros da Igreja e de comunidades religiosas cooperaram, inclusive com indiferença, em projetos de destruição cultural e assimilação promovida pelos governos da época, que culminou no sistema de escolas residenciais”.

 

E, ainda:

 

"Aqui, hoje, estou convosco para recordar o passado, para lamentar convosco, para inclinar a cabeça em silêncio e rezar diante dos túmulos. Permitamos que estes momentos de silêncio nos ajudem a interiorizar a nossa dor ... Silêncio. E oração. Diante do mal, oramos ao Senhor da bondade; diante da morte, oramos ao Deus da vida."

 

Estas não são as palavras de alguém procurando marcar uma caixa em uma lista de verificação espiritual. Estas não são as palavras de alguém que repete levianamente as palavras: "Perdoa-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido".

 

Estas são as palavras de alguém que ouviu o clamor dos pobres, alguém para quem as linhas lamentosas do Salmo 34 ressoam persistente, irrevogável, avassaladora: "O justo clama, o Senhor ouve e ele os livra de todas as suas aflições / O Senhor está perto dos quebrantados de coração e salva aqueles cujo espírito é esmagado."

 

No final do dia, na Igreja Católica Sagrado Coração dos Primeiros Povos, sentado em sua cadeira de rodas, o papa cumprimentou os membros da paróquia. Observando seus rostos enquanto se aproximavam dele e partiam, lembrei-me de algo que D. Lorenzo Albacete disse uma vez sobre o Papa João Paulo II – que havia uma “densidade humana” no homem que era bem diferente de tudo que ele havia experimentado antes.

 

Papa Francisco (Foto: Vatican Media)

 

 

Francisco também tem esse atributo. Nada em sua personalidade trai sequer uma pitada de ligeireza.

 

É notável que o papa esteja fazendo esta viagem. Ele poderia ter dito com tanta facilidade e justificação que não podia viajar por causa do joelho. As reuniões que ele teve com líderes indígenas no Vaticano no início deste ano deixaram uma marca, uma marca que o obrigou a ir para o Canadá.

 

Ele não pode desfazer os erros que foram feitos. Seu objetivo é, para citar Fleischner novamente, ajudar-nos a "transformar [nosso] sentimento de culpa em um senso de responsabilidade, para o presente e o futuro". E com esse senso de responsabilidade, e só então, a cura pode começar genuinamente. Era uma mensagem que ele precisava entregar pessoalmente.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O pedido de desculpas do papa aos povos indígenas do Canadá foi verdadeiramente notável - Instituto Humanitas Unisinos - IHU