A história de Churchill como militar lança luz sobre os desafios morais de hoje

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Um mundo sem a fratura entre o ser humano e a natureza? Uma exegese a partir do Gênesis. Artigo de André Wénin

    LER MAIS
  • África, padres pais de filhos?

    LER MAIS
  • Efeito Bolsonaro: 1 em cada 4 brasileiros diz que falta comida em casa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Abril 2022

 

"O mundo não estaria mais bem servido se, na era do pós-guerra, o foco da preocupação moral tivesse sido eliminar o bombardeio de quaisquer alvos civis, especialmente do ar, em vez do horror único das armas nucleares? Poderia o sofrimento na Ucrânia hoje ter sido menos severo se a liminar contra atacar civis, que é um pilar do ensino da guerra justa, tivesse sido o foco central da análise moral, em vez da distinção entre armas nucleares e convencionais?", pergunta Michael Sean Winters, jornalista, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 06-04-2022.

 

Eis o artigo.

 

É um fato lamentável da história secular que seus principais pontos de inflexão sejam as guerras. Poderíamos desejar que fosse de outra forma, mas não é e, portanto, ignoramos o estudo da guerra e sua relação com os desenvolvimentos políticos por nossa conta e risco.

 

O livro do historiador militar Anthony Tucker-Jones Churchill: Master and Commander, Winston Churchill at War, 1895-1945 examina as experiências do grande homem e seu envolvimento com as muitas guerras que moldaram sua carreira. É uma leitura importante não apenas para os admiradores de Churchill, mas para quem quer entender como os desafios morais impostos pela guerra foram profundamente alterados pelos desenvolvimentos tecnológicos da primeira metade do século XX.

 

Master and Commander, Winston Churchill at War, 1895-1945

 

As primeiras experiências de guerra de Churchill ocorreram, em parte, como jornalista quando ele foi a Cuba como correspondente de guerra e observador oficial do governo britânico. A experiência o emocionou e, nos anos seguintes, Churchill viajou para as linhas de frente no Sudão, depois no Afeganistão e, finalmente, na África do Sul, sempre borrando as linhas entre combatente e jornalista. Foi no último conflito que ele foi capturado e, depois de escapar com sucesso de um campo de prisioneiros de guerra e atravessar centenas de quilômetros de território inimigo, a escapada o tornou uma celebridade. Ele permaneceu, agora como militar, para se juntar às forças britânicas vitoriosas quando eles levantaram o cerco de Ladysmith e afetaram a conquista de Pretória.

 

Essas diferentes experiências ofereceram lições que Churchill absorveria, refinaria e implantaria mais tarde na vida. Por exemplo, em Cuba, "apesar de Churchill ter em alta conta o desempenho das tropas espanholas, ele ficou consternado que eles jogaram fora a iniciativa e não perseguiram os rebeldes em retirada", observa Tucker-Jones. "Ele não conseguia entender por que, depois de dez dias suportando todos os tipos de dificuldades, eles se contentavam em apenas subir uma colina baixa".

 

Na África do Sul, Churchill ficou impressionado com a eficácia dos pequenos grupos de ataque dos bôeres, que foram capazes de atacar as forças britânicas maiores e menos móveis e causar danos significativos, senão alterar a trajetória geral do conflito. Mais tarde, essa impressão formaria a base de sua insistência e apoio às operações de comando na Segunda Guerra Mundial.

 

Churchill também aprendeu a ganhar a vida durante esses anos. Além de arquivar artigos das zonas de guerra, ele os compilava em forma de livro quando terminava. "Esta era uma técnica de duplicação que ele empregaria pelo resto de sua vida", observa Tucker-Jones. Essa atenção ao ofício de escrever serviria bem ao futuro primeiro-ministro quando ele "mobilizou a língua inglesa e a enviou para a batalha", como disse Edward R. Murrow sobre seus discursos nos dias sombrios de 1940.

 

O futuro primeiro-ministro virou sua celebridade para a política e entrou no parlamento em 1901 aos 25 anos. Popular e insistente, ele chegou ao Gabinete e, pela eclosão da Primeira Guerra Mundial, Churchill era o primeiro lorde do Almirantado, equivalente ao nosso Secretário da Marinha dos EUA. Nesse posto, ele liderou o "comitê de navios", que supervisionou o desenvolvimento do tanque moderno porque o exército britânico ainda não estava interessado na ideia de veículos blindados.

 

Churchill também defendeu um ataque em Gallipoli, onde uma tentativa britânica de forçar os Dardanelos, tomar Constantinopla e abrir uma rota marítima para sua aliada Rússia deu em nada. O episódio perseguiu sua reputação por anos, mas o fracasso da operação foi mais o resultado da falta de cooperação entre as Forças e do apoio ambivalente à operação do general Herbert Kitchener, secretário de Estado da Guerra na época. Churchill tirou duas lições do fiasco. Primeiro, que as pessoas são desaconselhadas a tentar lançar uma operação cardinal de uma posição subordinada. Segundo, que, em tempos de guerra, o governo precisava de uma pessoa com autoridade sobre toda a cena, alguém que pudesse exigir cooperação dos diferentes serviços. Consequentemente, em maio de 1940, quando se tornou primeiro-ministro, Churchill também se deu o título de "ministro da defesa".

 

Tucker-Jones considera habilmente as críticas e os elogios à liderança de Churchill durante a guerra. Ele estava errado sobre a Índia, errado sobre a Irlanda, errado sobre o livre comércio, mas ele estava certo sobre Hitler em uma época em que quase ninguém mais estava, e essa acabou sendo a questão mais importante do século 20. Não desculpa os muitos equívocos e erros que ele supervisionou.

 

Um erro se destaca como significativamente maior do que os outros do ponto de vista moral: Churchill concordou com o bombardeio indiscriminado de cidades alemãs e, posteriormente, japonesas. Tucker-Jones relata que, a princípio, Churchill estava relutante em aprovar o bombardeio de centros urbanos, e como, em 14 de março de 1933, ele havia dito na Câmara dos Comuns que qualquer país que "jogasse suas bombas nas cidades para matar tantas mulheres e crianças quanto possível... cometeu o maior crime." Mas, quando a guerra chegou, o chefe do ar Marshall Charles Portal e, mais tarde, Arthur Harris, chefe do Comando de Bombardeiros, o cansaram, argumentando que o bombardeio estratégico poderia quebrar a vontade da nação alemã.

 

Churchill sabia melhor – e seus conselheiros militares também. O bombardeio indiscriminado de Londres durante a Blitz não quebrou a vontade do povo britânico. No entanto, ele concordou com seus conselheiros militares, que realmente não tinham argumento melhor para a campanha de bombardeio indiscriminado do que o fato de que eles não dominavam o bombardeio de precisão de alvos militares. É difícil não ler esses relatos dolorosos da tomada de decisões em Whitehall e concluir que eles são uma racionalização do desejo de vingança.

 

A Segunda Guerra Mundial terminou com o horror das nuvens de cogumelos nucleares sobre o Japão e a perspectiva de armas nucleares ainda mais poderosas. Assim, é compreensível que na era do pós-guerra, o foco da atenção moral fosse evitar um holocausto nuclear. Mas os mortos pelos bombardeios de Tóquio e Dresden estavam tão mortos quanto as vítimas de Hiroshima e Nagasaki.

 

O livro de Tucker-Jones não considera, mas convida, esta questão: o mundo não estaria mais bem servido se, na era do pós-guerra, o foco da preocupação moral tivesse sido eliminar o bombardeio de quaisquer alvos civis, especialmente do ar, em vez do horror único das armas nucleares? Poderia o sofrimento na Ucrânia hoje ter sido menos severo se a liminar contra atacar civis, que é um pilar do ensino da guerra justa, tivesse sido o foco central da análise moral, em vez da distinção entre armas nucleares e convencionais?

 

É impossível responder a tais hipóteses, mas elas mexem com o intelecto e o senso moral. Assassinato e guerra são tão antigos quanto a humanidade, e ignoramos as lições que as guerras anteriores nos ensinam por nossa conta e risco. Algumas dessas lições são provenientes de historiadores militares, enquanto outras exigem análise moral, e as duas se entrelaçam extensivamente e de maneiras complicadas. A realização de Tucker-Jones neste livro é relatar, com simpatia, mas não acriticamente, com atenção às contingências do tempo e do lugar, como o personagem notável do século 20 lutou com essas questões ao longo de sua vida. Isso não é uma conquista pequena. Este é um livro muito bom.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A história de Churchill como militar lança luz sobre os desafios morais de hoje - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV