Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Carta a um jovem padre. Artigo de Domenico Marrone

    LER MAIS
  • “Francisco quase desculpa a vida dupla, mas ainda não aceita padres casados”

    LER MAIS
  • A espiritualidade cristã no mundo secular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Outubro 2021

 

"Os Estados Unidos continuam sendo o maior país cristão do mundo e devem manter este posto ao longo das próximas décadas. Mas tende a ser um país cada vez mais secularizado, desencantado (na expressão de Max Weber) e com alto grau de pluralidade religiosa", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia, em artigo publicado por EcoDebate, 11-10-2021.

 

Eis o artigo.

 

O aumento na proporção de americanos não filiados à religião ocorreu em todas as faixas etárias, mas foi mais pronunciado entre os jovens americanos.

Todo o continente americano está passando por mudanças religiosas. Não apenas a América Latina e o Brasil estão passando por uma transição religiosa e por um processo de aumento da pluralidade. Os Estados Unidos (EUA), de maneira diferente dos seus vizinhos continentais do Sul, também estão passando por uma reconfiguração no seu panorama religioso.

Os EUA são o terceiro maior país do mundo em tamanho de população (estão atrás apenas da China e da Índia) e são o maior país cristão do mundo. De origem WASP (White, Anglo-Saxon and Protestant), os cristãos norte-americanos se dividem em três grandes ramos: protestantes tradicionais, protestantes pentecostais e católicos.

O gráfico acima, do “The Public Religion Research Institute” (PRRI), mostra que, em 2007, os protestantes brancos (tradicionais e pentecostais) representavam 41,9% da população, os católicos brancos 15,6%, os sem religião (unaffiliated) 16,1%. Segundo os resultados do censo 2020 estes números passaram para 40,9%, 11,7% e 23,3% respectivamente.

 

 

O aumento na proporção de americanos não filiados à religião ocorreu em todas as faixas etárias, mas foi mais pronunciado entre os jovens americanos. Em 1986, apenas 10% das pessoas com idades entre 18 e 29 anos eram identificadas como não filiadas à religião. Em 2016, esse número aumentou para 38% e diminuiu ligeiramente para 36%, em 2020. Mas mesmo entre a população idosa (65 aos e +) os “sem religião” passaram de 3% em 1986 para 14% em 2020.

 

 

Pesquisa do Instituto Gallup mostra que, em 2020, 48% dos americanos disseram que a religião é “muito importante” em suas vidas, 25% a classificaram como “bastante importante” e 27% “não muito importante”. Essas leituras são essencialmente as mesmas de 2019; no entanto, a leitura muito importante é a mais baixa registrada em um ponto percentual.

Quando o Gallup pediu pela primeira vez aos americanos que classificassem a importância da religião em suas vidas em 1952, 75% disseram que era muito importante. Essa porcentagem era praticamente a mesma quando a pergunta foi feita a seguir, em 1965, mas em 1978 havia caído para 52%. Nos últimos 40 anos o percentual caiu ligeiramente.

 

 

De certa forma, o crescimento da parcela da população sem religião deve ter influência sobre o conjunto da América Latina e do Brasil. O debate sobre “desencantamento”, “reencantamento” “ressacralização e secularização deve ganhar volume, especialmente se consideramos que todo o continente americano está ficando mais diverso e plural.

Os Estados Unidos continuam sendo o maior país cristão do mundo e devem manter este posto ao longo das próximas décadas. Mas tende a ser um país cada vez mais secularizado, desencantado (na expressão de Max Weber) e com alto grau de pluralidade religiosa. Mas caminha para ter um percentual de população “descrente” mais próximo a outros grandes países, como Suécia, Suíça, França e Reino Unido – todos com elevado número de pessoas que se declaram sem religião.

 

Referências 

ALVES, JED. A distribuição das filiações religiosas no mundo, Ecodebate, 18/11/2013. Disponível aqui.

PRRI. The 2020 Census of American Religion, PRRI Staff, 08/07/2021. Disponível aqui.

Megan Brenan. Religiosity Largely Unaffected by Events of 2020 in U.S., Gallup, 29/03/2021. Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV