close

'Tsunami de lama' pode ser pior com ruptura de novas barragens em MG

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • As religiões morrem, mas o catolicismo sobreviverá: menos europeu e mais global

    LER MAIS
  • As "últimas conversas" de Ratzinger: do "gosto pela contradição" ao "prazer do encontro". Artigo

    LER MAIS
  • O toque de recolher das mulheres brasileiras

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

20 Janeiro 2016

O possível rompimento das barragens que ficaram de pé em Mariana (MG) poderia resultar em uma enxurrada de lama muito maior do que a da tragédia de novembro, ampliando a destruição da fauna e da flora e atingindo moradias que ficaram preservadas.

A reportagem é de José Marques, publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 20-01-2016.

A avaliação é de um estudo encomendado pela mineradora Samarco a pedido da Justiça e obtido pela Folha

Essas estruturas foram danificadas após a barragem de Fundão se romper e deixar um rastro de destruição que chegou ao litoral do Espírito Santo. A mineradora diz que os reservatórios remanescentes estão "estáveis", mas que trabalha para reforçá-los. 

O novo estudo considera a possibilidade de vazamento de 105 bilhões de litros de rejeitos em caso de rompimento das barragens que continuaram de pé em Mariana –a estimativa é que 40 bilhões tenham sido despejados da estrutura de Fundão

No documento apresentado pela Samarco são exibidos cenários que chegariam, ao menos, até a hidrelétrica Risoleta Neves (Candonga), a 109 km das barragens. 

O estudo só se concentrou até esse ponto, seguindo pedido da Justiça, já que também foi determinado que a usina seja esvaziada para conter rejeitos de minério em caso de novos rompimentos. 

Além do assoreamento e da mudança do curso de rios, a destruição afetaria áreas de preservação ambiental, acabaria com a vida animal, interromperia os fornecimentos de água e luz e inundaria propriedades urbanas e rurais. 

Cinco possibilidades foram avaliadas pela empresa de consultoria Pimenta de Ávila. Todas levam em conta que a barragem de Santarém, que armazena água para a produção mineral e fica mais próxima do distrito de Bento Rodrigues, transborde ou se rompa. 

No pior dos cenários, isso aconteceria após a ruptura da barragem de Germano, que fica logo atrás de Santarém. 

As previsões apontam que a lama chegaria em dez minutos ao local do antigo povoado de Bento Rodrigues, completamente submerso pela lama de Fundão. O município de Barra Longa, a 77 km de distância, seria atingido após 11 horas, intervalo próximo ao do dia da tragédia. 

A consultoria pede que a Samarco cadastre as habitações que podem ser atingidas para facilitar a evacuação e elabore novo plano de emergência para as barragens que restaram. O Ministério Público de Minas solicitará que a Justiça determine as medidas. 

O estudo não aponta quais providências concretas seriam tomadas em cada cenário. 

Outro lado

A Samarco diz que as barragens e diques em Mariana estão "estáveis" e que tem monitorado as estruturas com drones, escaneamento a laser e instrumentos geotécnicos. Também afirma que trabalha para reforçar a barragem de Santarém. A conclusão das obras está prevista para o fim de fevereiro.

Em nota, a mineradora diz que trabalha em conjunto com a Defesa Civil de Mariana e de Barra Longa para informar as comunidades sobre procedimentos de evacuação.

Como "medida adicional", afirma que tem feito monitoramento on-line da área por meio de "câmeras, telões, drones e radares" e acompanhamento visual das barragens de Santarém e Germano.

Além disso, diz, há um sistema de alerta com sirenes fixas e móveis. As prefeituras da região confirmam.

Segundo a mineradora, um novo plano de emergência está em "fase de elaboração de escopo para a contratação de empresa especializada".

BARRAGENS DA SAMARCO

Fundão

63 bilhões de litros *
era o volume de rejeitos armazenados em 5.nov

40 bilhões de litros
vazaram com o rompimento

Germano

130 bilhões de litros
é o volume armazenado atualmente

105 bilhões de litros
têm potencial para vazar caso a barragem se rompa

CONSEQUÊNCIAS DA RUPTURA

> Problemas no abastecimento de água e de energia
> Destruição de áreas de preservação
> Inundação de propriedades
> Assoreamento de rios

*Inclui 7 bilhões de litros na Santarém