Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Recuperação ambiental na região de Bento Rodrigues vai demorar de 10 a 15 anos

Se a tragédia que devastou o subdistrito de Bento Rodrigues vai demorar a ser superada pelos moradores, a natureza também vai cobrar o seu tempo pela recuperação. Especialistas estimam que vá demorar pelo menos uma década para que a vegetação se restabeleça na região engolida pela lama, possibilitando o desenvolvimento de um novo ecossistema. A revitalização total, porém, é difícil de determinar, já que foram atingidas margem e leito dos rios e a própria comunidade.

A reportagem é de Renan Damasceno, publicada por O Estado de Minas, 07-11-2015.

“O que aconteceu foi uma degradação total pelo rompimento da estrutura vegetativa. Daqui um tempo, o solo vai aproveitar este material que veio com a lama: ferro, sílica, fósforo, manganês, alimentos naturais das plantas. As experiências que temos mostram que, depois de 10, 15 anos, a recuperação da vegetação é quase plena”, explicou o gerente de meio ambiente da Fiemg, Wagner Soares Costa. “O que pode acontecer é que algumas espécies tenham sensibilidade maior, sendo extintas naquela região.”

Segundo Wagner, a partir desta revegetação, animais como roedores retornam, reequilibrando a cadeia alimentar. “Neste momento, pelas imagens, ficamos assustados, mas depois tudo se adequa. Vamos ter uma várzea, que é rica organicamente e, em três, quatro anos, se tudo ocorrer bem, alguma evolução”, detalha.

Para o geólogo Allaoua Saadi, do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da UFMG, o tempo de regeneração é difícil de determinar. “São muitos fatores envolvidos. Temos a questão da natureza e da sociedade, que caminham juntas. Leitos e margens dos rios foram afetados e cada um vai ter uma reação diferente. A gente só vai saber quando tiver acesso à área”, afirmou. “Do ponto de vista social, a questão também é complexa: essas pessoas vão querer continuar vivendo lá? Fechar a mina é impensável, pois sabemos o impacto econômico”, completou.

Há avaliações bastante negativas, como a da coordenadora do Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais (Gesta) da UFMG, Andréa Zhouri. “Em geral, são trabalhadores que viviam ali que terão de ser realocados, porque será inviável voltar a morar na área devastada. São mais de 10 quilômetros de lama, não tem recuperação”, alertou. “A região está saturada da mineração e não é mais prudente licenciar obras. É um modelo colonial, ultrapassado, que precisamos discutir e rever.”

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium