COP21: Vamos deixar os combustíveis fósseis no solo

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Dezembro 2015

A COP21, Conferência do Clima organizada pela ONU com o objetivo de se construir um acordo global para diminuir as emissões dos gases de efeito estufa, começou em Paris com uma certeza: A solução para evitar o aumento da temperatura do planeta passa pelo investimento em energias renováveis. E tem que ser agora.

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 03-12-2015.

“Vamos deixar os combustíveis fósseis no solo e viabilizar uma transição onde os investimentos em energias limpas e renováveis passem a ser prioridade. O hidrocarboneto está com os seus dias contados”, afirmou Nicole Figueiredo de Oliveira, diretora da 350.org Brasil.

Defensora contundente de princípios sociais, econômicos e políticos pautados pela ideia do carbono zero e justiça climática, Nicole acredita que “a pressão da população mundial sobre os governantes tem aumentado, uma vez que as mudanças climáticas já vêm afetando a forma de vida como conhecemos”.

Em todo o mundo, manifestações reuniram milhões de pessoas para cobrar um acordo climático para evitar que o aumento da temperatura fique abaixo dos 2 Graus. Em Curitiba aconteceram a primeira Bicicletada Climática Global e Mobilização Mundial pelo Clima, reunindo centenas de pessoas na véspera da COP21.

Fracking intensifica as mudanças climáticas

No Brasil, a 350.org é parceira da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil e Fundação Arayara Cooperlivre na campanha contra a exploração minerária do gás não convencional, também conhecido como gás de xisto, e que utiliza a metodologia de fraturamento hidráulico, chamado mundialmente por FRACKING. Tecnologia altamente poluente e danosa, fracking ainda atua como intensificador das mudanças climáticas, pois libera sistematicamente o metano, com potencial 86 vezes maior para o efeito estufa que o CO².

Na participação da Presidente Dilma Rousseff durante a abertura da conferência em Paris, ela prometeu que o governo brasileiro irá reduzir em 43% as emissões até 2030, promessa esta principalmente baseada na redução do desmatamento.

Enquanto os olhos do mundo se voltam para as florestas, a Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) insiste em leiloar campos para a exploração de gás não convencional em 15 estados.

Para o coordenador nacional da COESUS, Dr. Eng. Juliano Bueno de Araujo, “é um paradoxo, para dizer o mínimo, o governo brasileiro dizer que irá reduzir emissões e fazer fracking. São atividades antagônicas e excludentes”.

Para Juliano, o Brasil tem potencial para produção de energia limpa e renovável, seja a hídrica, solar, eólica e de biomassa: “Este processo minerário causa danos irreparáveis à saúde humana e atividades agropastoris. Tendo como principal preocupação a contaminação das águas de superfície e subterrâneas dos principais aquíferos brasileiros, poderá gerar impactos que irão inviabilizar a pecuária, agricultura e provocará uma crise sem precedentes no abastecimento de água que hoje já passa por uma terrível crise”, enfatiza.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COP21: Vamos deixar os combustíveis fósseis no solo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV