Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Últimos passos de Jango antes do Golpe de 64

O ex-presidente João Goulart deixou o governo da mesma forma como o assumiu, em 1961, depois da renúncia de Jânio Quadros, sob a pressão dos militares que vetaram sua posse: voando de um lado para o outro, acossado pelos inimigos, traído pelos mais fortes e apoiado pelos que não tinham forças suficientes para resistir. Em 1964, entretanto, não houve acordo como em 1961 e ele acabou deposto e exilado, só retornando morto ao Brasil 12 anos depois.

A reportagme é de Tereza Cruvinel, João Valadares e Étore Medeiros, publicada pelo jornal O Estado de Minas, 30-03-2014.

Na noite de 30 de março daquele ano, contrariando alertas dos conselheiros mais próximos, o presidente compareceu ao ato pelos 40 anos da Associação de Subtenentes e Sargentos da PM, no Automóvel Club do Rio de Janeiro, onde fez seu último discurso. Pregou a observância da lei e da ordem, mas defendeu as reformas de base e um país com mais justiça social. “Assustou os civis e assustou demais os militares, que não o viam com simpatia. Assustou tanto que o general Mourão Filho antecipou o golpe. A previsão do golpe era para ocorrer dias depois. A conspiração era nesse sentido”, analisa o historiador Ronaldo Costa Couto, que, entre vários cargos de destaque na política brasileira foi secretário de Planejamento e confidente de Tancredo Neves.

Quando Jango saiu do evento no Automóvel Club, depois das 22h, recolheu-se ao Palácio das Laranjeiras. “Como presidente da República, ele era também o comandante supremo das Forças Armadas. A leitura militar foi que a presença dele ali quebrou a hierarquia e a disciplina. E esses são dois valores fundamentais na cultura militar. Então, a partir dali ficou muito difícil”, contextualiza Ronaldo Costa Couto.

O historiador conta que Tancredo lhe confidenciou que, durante a tarde, Jango ligou e leu o discurso que faria à noite. “O Tancredo estava no apartamento dele, em Copacabana. Ele fez o seguinte comentário: ‘Belo discurso, mas talvez custe a Presidência da República’. O Tancredo era um sábio político e um estrategista”, avalia.

Em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, o general Mourão Filho foi dormir cedo. Às 4h do dia 31 começou a movimentar as tropas em direção ao Rio, em conjunto com as do general Carlos Guedes, comandante em Belo Horizonte. Ao saber da sublevação, o presidente foi convencido pelo general Assis Brasil, o chefe da Casa Militar, de que o movimento de Mourão não representava perigo, seria logo sufocado. O general fora encarregado de montar um “dispositivo militar” para resistir em caso de golpe e alardeava ter um “esquema invencível”. Jango confiava. Viu-se depois que o general blefava. O ministro da Guerra de Jango, o general Jair Dantas Ribeiro, estava hospitalizado.

- Defesa pacífica

Jango dizia a todos que não queria “derramamento de sangue”. O chefe dos Fuzileiros Navais, Almirante Aragão, buscou uma ordem, que não veio, para resistir e armar o povo. O coronel Rui Moreira Lima chegou a sobrevoar a coluna golpista com um jatinho e garantiu que havia como controlar a situação. Os soldados, temendo o bombardeio, fugiram para o mato. O ataque aéreo nunca ocorreu porque Jango não autorizou. “Esse é o lado mais brilhante da biografia do Jango. Ele cometeu muitos erros, principalmente nos dias finais que antecederam o golpe, mas não aceitou uma solução de sangue para aquele impasse”, pontua Ronaldo Costa Couto.

O senador Juscelino Kubitschek seguiu até o Palácio das Laranjeiras para um encontro com Jango. A reunião ocorreu no quarto do presidente. “O Jango sentou numa cama e o JK na outra. O JK disse: ‘Jango, o movimento está em marcha, é coisa séria e você só tem uma chance de preservar o poder e continuar na Presidência”, relata o historiador. O senador enumera quatro providências. “Faça um manifesto à nação imediatamente tornando claro a repulsa ao comunismo, anuncie o ministério de perfil mais conservador, garanta anistia aos militares sublevados e, por fim, assegure a punição dos marinheiros que desafiaram a autoridade do ministro da Marinha, que deixou o cargo”.

- Traição no poder

No dia 1º, o cerco apertou para o presidente numa conversa telefônica com o chefe do 2º Exército, de São Paulo, general Amaury Kruel, que fora seu ministro da Guerra e o tinha como amigo. Para não aderir, o general exigiu a dissolução do CGT e da UNE, a prisão de seus dirigentes e a demissão do ministério, chamando-os de comunistas. “Tu sabes que não sou comunista”, disse Jango, recusando o acordo. A trair os aliados, preferia perder o mandato. Kruel aderiu ao golpe. Em fevereiro de 2014, o coronel do Exército reformado Erimá Pinheiro Moreira declarou à Comissão da Verdade de São Paulo que a Fiesp subornou Kruel com US$ 1,2 milhão para que traísse Jango.

O presidente tomou, então, um avião para Brasília. Em seu gabinete no Planalto, arrumou as gavetas conversando com três jornalistas: Fernando Pedreira (O Estado de S.Paulo), Maria da Graça Dutra (Correio Braziliense) e Flavio Tavares (Última Hora). É Flavio quem recorda, num artigo: “De pé, junto aos ajudantes de ordens, Jango nos disse no seu estilo lacônico, mas de forma tão tranquila que nos confundiu ainda mais naquela confusão: ‘Vou instalar o governo no Rio Grande do Sul’. Acabo de falar com o comandante do 3º Exército e viajo hoje para Porto Alegre”. Pelo rádio, o general Ladário Telles lhe disse de Porto Alegre. “Temos algumas dificuldades, mas venha, presidente, pois o 3º Exército resistirá a seu lado!”. Brizola, não mais governador, emendou: “Resistiremos e venceremos como em 61”.

Ele fez uma reunião com os principais aliados e todos concordaram que ele devia partir e resistir. “Na época, eu era uma criança de 7 anos, as imagens que tenho são flashes”, lembra João Vicente Goulart, filho mais velho de Jango, em entrevista à reportagem.

- Cartada final

Jango ainda voava em direção a Porto Alegre quando veio a parte civil do golpe. Numa sessão do Congresso, convocada para 1h, o presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, leu ofício levado por Darcy Ribeiro, chefe do Gabinete Civil, comunicando que o presidente se deslocara para o Sul, onde estaria à frente das tropas legalistas e do ministério. Mas, alegando ter ele deixado a sede do governo e a nação acéfala, emendou: “Declaro vaga a presidência da República e, nos termos da Constituição, invisto no cargo o Presidente da Câmara, Sr. Ranieri Mazzilli. Está encerrada a sessão!”. Tancredo Neves, considerado um homem pacífico e cordial, gritou três vezes: “Canalha, canalha, canalha”. A seguir, foram ao Planalto dar posse a Mazzilli. Dez dias depois, Castelo Branco foi eleito presidente pelo voto indireto dos congressistas. Em Porto Alegre, não havia mais condições para resistir. No dia 4, Jango pediu asilo ao Uruguai.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"O artigo do sr Alberto Melloni apresenta uma opinião e uma visão sobre a Polônia bastante tendenc..." Em resposta a: Polônia, a viagem mais difícil de Francisco. Artigo de Alberto Melloni
"Discordo totalmente, Dilma renunciar seria uma renúncia à democracia, muito equivocado esse cara ...." Em resposta a: Deveria Dilma Rousseff renunciar?
"SEMPRE ALERTEI QUE ERAM FRAUDES, os dados e estatisticas do cigarro. Pois bem, reparem, em 20 anos, ..." Em resposta a: Políticas antifumo impactam cultura do tabaco no Brasil

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium