1964. Um golpe civil-militar. Impactos, (des)caminhos, processos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Março 2014

Por ocasião do 50º ano do golpe civil-militar de 1º de abril de 1964, o Instituto Humanitas Unisinos – IHU, promove o Ciclo de Estudos 50 anos do Golpe de 64: Impactos, (des)caminhos, processos.

Conferências, que serão publicadas pelos Cadernos IHU ideias, filmes, notas nas Notícias do Dia do sítio do IHU, atualizadas diariamente, além desta edição da revista IHU On-Line, querem rememorar, analisar, compreender este evento que marca dramaticamente a história, não só do Brasil, mas da América Latina.

Jorge Ferreira, professor da Universidade Federal Fluminense, resgata a história do país e traça um panorama das disputas pelo poder no Brasil republicano.

Carlos Fico, professor titular de História do Brasil na UFRJ, analisa as articulações políticas e militares entre Brasil e Estados Unidos que culminaram com o Golpe Civil-Militar de 1964.

O Rodrigo Patto Sá Motta, professor da Universidade Federal de Minas Gerais, explora os impactos do regime na educação universitária do país, que seguia paralelamente modelos autoritários e modernizadores.

Pedro Cezar Fonseca, professor e pesquisador da UFRGS, defende que a apropriação das reformas de Jango pelos militares mostra a relevância de sua implementação — que só não ocorreu anteriormente por motivos estritamente políticos.

Cecília Coimbra, psicóloga e diretora da ONG Tortura Nunca Mais, destaca a vigência da violência naturalizada durante a Ditadura Militar, mas que sempre fez parte da historiografia do país.

João Vicente Goulart, diretor do Instituto Presidente João Goulart, por sua vez, aborda a importância do comício de Jango na Central do Brasil e defende que o golpe não foi contra a presidência, mas contra o povo brasileiro.  

Historiador e autor de livros sobre Dom Hélder Câmara, Nelson Piletti afirma que o arcebispo de Olinda e Recife foi a principal liderança católica do país dos últimos 60 anos.

Egydio Schwade, um dos fundadores do Conselho Indigenista Missionário – Cimi, destaca o histórico da entidade e sua luta contra a violência da política indigenista brasileira, que segue moldes militares.  

Complementam esta edição entrevistas com Helio Amorim, ex-vice-presidente Mundial do Movimento Familiar Cristão, a respeito do Sínodo Extraordinário sobre a Família; com a professora de Direito Internacional da Universidade de São Paulo Deisy Ventura, que critica as leis antiterrorismo; e um artigo do filósofo e professor da Unisinos Castor Ruiz, que aborda a genealogia do governo e da economia política a partir de Foucault.

A revista IHU On-Line estará disponível no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, segunda-feira, a partir das 17h, nas extensões html, pdf e em ‘versão para folhear’.

A edição impressa circulará no campus da Unisinos na terça-feira, a partir das 8h.

A todas e a todos uma boa leitura e uma excelente semana! 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

1964. Um golpe civil-militar. Impactos, (des)caminhos, processos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV