Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

A reforma da Cúria romana passa pelo redimensionamento da Secretaria de Estado

Um destacado membro da Cúria Romana, que prefere conservar o anonimato e, por isso, assina como Ireneo de Lyon, lança, a partir de seu conhecimento da máquina vaticana, uma rota para a reforma da Cúria. Tem o objetivo de contribuir com o seu grão de areia e para que sirva como via para outras contribuições procedentes de todos os setores eclesiais. Não se trata de dar lições a ninguém, nem, muito menos, de dizer ao Papa o que precisa fazer. O objetivo consiste, simplesmente, em dar contribuições ao Conselho da Coroa cardinalícia. O artigo é publicado por Religión Digital, 04-06-2013. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Era de se esperar. Após poucos meses de sua eleição à Cátedra de Roma, o papa Francisco constituiu uma espécie de Conselho da Coroa “para aconselhá-lo no governo da Igreja universal” e para “estudar um projeto de revisão da Constituição Apostólica Pastor Bonus”. Alguns sussurram que a ideia deste grupo de cardeais que assessora o Papa já tinha surgido antes da renúncia de Bento XVI, com o objetivo de limitar o poder do cardeal Tarcisio Bertone, e que os oito cardeais, que formam o grupo, já estavam em contato antes do conclave e que, entre eles, também estava Bergoglio. Difícil provar isto.

O certo é que se há algo do que Bento XVI se arrepende, é de não ter realizado a reforma da Cúria Romana.

Todavia, examinemos os fatos. O grupo de trabalho está integrado por cardeais representantes dos cinco continentes, começando pelo presidente da Administração do Estado da Cidade do Vaticano, o italiano Giuseppe Bertello, seguido do arcebispo emérito de Santiago do Chile, o cardeal Francisco Javier Errázuriz Ossa; o arcebispo de Bombaim, Oswald Gracias; o arcebispo de Munique, Reinhard Marx, e o arcebispo de Kinshasa, Laurent Monsengwo Pasinya. O grupo se completa com o arcebispo de Boston, Sea Patrick O’Malley, o arcebispo de Sydney, George Pell, e o de Tegucigalpa, o cardeal Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga, com funções de coordenador. O bispo de Albânia, Marcello Semeraro, atua como secretário.

Do ponto de vista jurídico, no seio da Cúria não muda nada. De fato, trata-se de um “grupo”, não de uma “comissão” e, muito menos, de um “conselho”. É, ao contrário, um grupo de sábios pastores para os quais o pastor da Igreja universal solicita que o aconselhe para guiá-la [a reforma] da melhor maneira possível.

Este grupo terá que conversar, além disso, enfrentando uma revisão da Constituição apostólica “Pastor Bonus” sobre a Cúria Romana. E, em início de outubro, fará sua primeira reunião formal.

A “Pastor Bonus” é a lei que rege o funcionamento da Cúria Romana: Secretaria de Estado, Congregações, Conselhos Pontifícios e Tribunais. Foi João Paulo II, em 1988, quem promulgou a “Pastor Bonus”, com o objetivo de adequar a Cúria às modernas exigências de nossos dias.

Em 1967, Paulo VI havia realizado a grande reforma da Cúria com a “Regimini ecclesiae universae”. O papa Montini, que havia tido uma ampla experiência curial, mudou tudo, tornando a Cúria muito mais funcional e eficiente, mas, ao mesmo tempo, quis atribuir uma enorme importância e poder à Secretaria de Estado, atribuindo a mesma a coordenação de todos os dicastérios e de todos os organismos da Cúria.

Acredito (e espero vivamente) que o Conselho da Coroa, dos oito cardeais, comece seu trabalho redimensionando o papel da Secretaria de Estado. O núcleo duro está precisamente aqui. Aquele que reler uma cópia dos Anuários Pontifícios, do tempo de Pio XII, poderá constatar facilmente que a Secretaria de Estado ficava ao final de todos os dicastérios da Cúria Romana. E estava no final porque é e continua sendo, na realidade, a Secretaria do Papa.

O papa Montini sempre havia trabalhado na Secretaria de Estado e quis colocá-la acima de todos os demais dicastérios, para que atuasse como ponte entre o Papa e os dicastérios. Nos Anuários Pontifícios atuais se posiciona acima de todos os demais dicastérios, com suas duas seções: a primeira para os Assuntos Gerais e a segunda para as relações com os Estados. E, no alto da pirâmide, o Secretário de Estado, cujo enorme poder supera, em muito, o de qualquer primeiro-ministro.

Esta estrutura enfraqueceu muito o acesso de parte dos presidentes dos dicastérios ao Papa e anulou quase por completo “as audiências de mesa”. Na prática, ainda hoje, conversam com o Papa, na data fixa, os Prefeitos da Congregação para a Doutrina da Fé (na sexta-feira à tarde), a dos Bispos (no sábado, no final da manhã) e o da Propaganda Fide (na sexta-feira, no final da manhã). Às vezes, os prefeitos da Congregação para as Igrejas Orientais e a da Causa dos Santos reúnem-se com o Papa.

Todo o restante é controlado e filtrado pela Secretaria de Estado. Desta forma, é fácil deduzir que o Papa não conheça ‘ex auditu’, por parte de cada um dos Prefeitos, a evolução e a problemática de cada dicastério. Há tempo, estes vêm pedindo uma relação “de mesa” e direta com o Pontífice. Porque, abolidas as “audiências de mesa”, o Secretário de Estado e o Substituto da Secretaria de Estado são os que interagem com o Papa.

É preciso levar em conta que, por direito, os prefeitos das Congregações da Cúria Romana atuam com potestade ordinária vigária, ou seja, em nome do Romano Pontífice. Ao contrário disto, a Secretaria de Estado, em ‘stricto senso’, não é um dicastério e não gozaria dessa potestade ordinária vigária, uma vez que o seu papel é o de ser a Secretaria do Papa.

O objetivo fundamental da reforma da Cúria deveria ser o de privilegiar a colegialidade, em concordância com as indicações, nunca colocadas em prática, do Concílio Vaticano II, em ser um instrumento a serviço do Papa e não um organismo de certo modo autônomo e, menos ainda, um condicionante no exercício do ministério do sucessor de Pedro e de suas relações com o episcopado.

Neste contexto, não se exclui que o papa Francisco preveja, para a sua reforma da Cúria, um papel mais decisivo para as Conferências Episcopais e para os organismos internacionais que aglutinam as Conferências Episcopais nacionais. Assim, a Igreja caminharia rumo a uma comunidade de escuta e acolhida das comunidades locais, que são emanação da Igreja universal. Desta forma, não se basearia tanto na estrutura, mas nas comunidades. O tema da colegialidade é um dos assuntos a ser ainda desenvolvido e que o papa Francisco parece estar decidido abordar. Trata-se de um problema muito sentido no seio da Igreja. Seria importante ver quantos poderes, até agora consultivos, o papa Francisco desejará compartilhar e transformá-los em deliberativos. Penso – a título de exemplo – no Sínodo dos Bispos. Por meio da colegialidade, a Igreja poderá estar muito mais próxima da realidade do que está na atualidade.

Por este motivo, a autêntica reforma deve começar por redefinir e redesenhar o papel e o serviço da Secretaria de Estado, que deve voltar a suas antigas e únicas funções de Secretaria papal. Desta forma, não apenas se conquistará autonomia para os dicastérios, como também, além disso, será permitido que se relacionem diretamente com o Sumo Pontífice.

Nesta perspectiva, também seria preciso redimensionar o papel do Secretário de Estado. Este, rodeado de uma equipe de estreitos colaboradores, poderia ser o ‘primus inter pares’ dos colaboradores do Papa e não um autêntico primeiro-ministro de um governo.

Enunciada esta premissa, o mais razoável é pensar que a Cúria Romana, na qual Francisco está pensando, deve ser ágil, simples, essencial, funcional, com menos dicastérios e menos oficiais. Hoje, na Cúria há 9 Dicastérios e 12 Conselhos Pontifícios, além das Comissões e os Tribunais. E, sobretudo, terá que ser uma Cúria de autêntico serviço.

Ao iniciar seu ministério como bispo de Roma, pastor da Igreja universal e sucessor de Pedro, o Santo Padre Francisco declarou: “Nunca esqueçamos que o verdadeiro poder é o serviço, e que também o Papa, para exercer o poder, deve entrar cada vez mais nesse serviço que tem seu cume luminoso na cruz; deve colocar seus olhos no serviço humilde, concreto, rico de fé, de São José e, com ele, abrir os braços para cuidar de todo o Povo de Deus e acolher com afeto e ternura toda humanidade, especialmente, os mais pobres, os mais fracos, os pequenos, isso que Mateus descreve no julgamento final sobre a caridade: o faminto, o sedento, o forasteiro, o nu, o doente, o prisioneiro (cf. Mt 25, 31-46). Apenas aquele que serve com amor sabe cuidar”.

No meu parecer, este será o objetivo da reforma da Cúria, na qual o papa Francisco está trabalhando através do poder consultivo de seu Conselho da Coroa.

Segunda parte. Propostas concretas

Imediatamente após sua eleição, em 1963, Paulo VI anunciou a necessidade de adequar a Cúria Romana às exigências do Concílio Vaticano II. Entretanto, precisou de quatro anos de intenso labor, por parte de uma comissão cardinalícia, criada ad hoc e integrada por três purpurados, para poder promulgar a “Regimini Ecclesiae Universae”.

Uma análoga comissão cardinalícia foi criada por Karol Wojtyla, em 1985, e demorou três anos para promulgar a “Pastor Bonus”. Com a esperança de que os membros do Conselho da Coroa sejam um pouco mais rápidos, somente nos resta fazer nossa contribuição sobre os dicastérios, congregações, conselhos, etc., em meio a um redimensionamento da estrutura, para dotá-la de maior agilidade e eficácia.

Atualmente, as Congregações são nove: Doutrina da Fé, Igrejas Orientais, Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, Causa dos Santos, Bispos, Evangelização dos Povos, Clero, Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica e Educação Católica.

Mais numerosos, no entanto, são os Conselhos Pontifícios, exatamente doze: Leigos, Unidade dos Cristãos, Família, Justiça e Paz, Cor Unum, Pastoral para os Trabalhadores da Saúde, Textos Legislativos, Diálogo Inter-religioso, Comunicação Social e Nova Evangelização (criado em 2010). Estes Conselhos Pontifícios têm a função de promover atividades e iniciativas de sua competência. E, finalmente, são três os Escritórios: Câmara Apostólica, Administração do Patrimônio da Sede Apostólica e Prefeitura dos Assuntos Econômicos da Santa Sé.

É muito difícil aventurar quais serão as opções operativas que serão sugeridas e propostas pelo Santo Padre. Minha função, neste caso, como conhecedor do interior da Cúria, é sugerir as seguintes mudanças na organização dos dicastérios, não apenas por razões econômicas, mas também com a finalidade de não desperdiçar recursos e não duplicar funções sem necessidade.

Em primeiro lugar, acredito que os Pontifícios Conselhos deveriam ser reduzidos à metade e as Congregações passarem de 9 para 10.

1. Além das 9 Congregações existentes, deveria ser criada a Congregação do Povo de Deus. A Lumen Gentium, após descrever o mistério da Igreja (1-8), coloca o Povo de Deus em primeiro plano. Pois bem, existem as congregações de Bispos, do Clero e de Religiosos. Falta a Congregação do Povo de Deus. Seria uma maneira esplêndida de comemorar e aplicar o dito pelo Concílio Vaticano II, em seu 50º aniversário.

Este novo dicastério deveria englobar as competências dos atuais Pontifícios Conselhos para os Leigos, para a Família, para a Pastoral dos Emigrantes e Itinerantes e para a Pastoral dos Agentes de Saúde. Trata-se de não subdividir o povo de Deus em categorias. Daí que a nova congregação deva ser competente na pastoral de todas as vocações e serviços leigos.

2. O Pontifício Conselho Cor Unum poderia se unir ao de Justiça e Paz. A “solicitude da Igreja católica com os necessitados” (PB 145) pode ser perfeitamente conjugada com a promoção da justiça e da paz. Portanto, paz, justiça e solidariedade. Um trinômio adequado para um novo Conselho Pontifício.

3. O Pontifício Conselho para a Nova Evangelização deveria passar a se chamar Pontifício Conselho para a Evangelização e o Ministério da Palavra, atribuindo-se para este dicastério:

- Tudo o que no Código de Direito Canônico se refere à catequese;
- O que diz respeito à homilética;
- O ensino da Religião nas escolas;
- E, inclusive, a Pontifícia Comissão Bíblica;

4. O âmbito da Cultura poderia se confiado à Congregação para a Educação, da qual retiraram competências sobre os seminários para passá-las à Congregação do Clero, uma decisão que poderia ser revisada. Na atualidade, a Congregação do Clero supervisiona 50% da formação dos seminaristas e os outros 50% dependem de outro dicastério. A situação não parece muito harmônica. A situação anterior parecia ser mais harmoniosa, quando a Congregação do Clero era responsável pelos dois primeiros graus do sacramento da ordem: o diaconato e presbiterato. A formação dos seminaristas parece se harmonizar melhor com a formação acadêmica, supervisionada pela Congregação da Educação.

Segundo esta hipótese de trabalho, as Congregações passariam a ser 10 e os Pontifícios Conselhos 6.

Como princípios gerais, a reforma da Cúria deveria se inspirar nas seguintes considerações:

- Redimensionar a Secretaria de Estado, que deveria voltar a sua antiga função de Secretaria papal.

- Retomar as ‘audiências de mesa’ para os prefeitos dos dicastérios, para que possam falar diretamente com o Papa.

- Uma significativa redução dos organismos curiais.

- Um papel menos asfixiante da Cúria Romana em relação às igrejas locais.

- O retorno a uma maior colegialidade no seio da própria Cúria Romana.

Neste sentido, é apropriado dizer uma palavra sobre aqueles que prestam serviço ao Papa na Cúria Romana, que deveriam reger sua atuação, ao menos, por estes dois princípios gerais:

1. Que, antes de começar a trabalhar na Cúria, tenham trabalhado durante pelo menos um quinquênio na atividade pastoral. O mesmo deveria ser implementado no caso dos aspirantes ao serviço diplomático da Santa Sé. O serviço na Cúria Romana é essencialmente um serviço ao bispo de Roma e pastor da Igreja universal e seus colaboradores devem ter experiência pastoral e de cura de almas.

2. Que os oficiais de serviço mudem de organismo com certa assiduidade, para evitar o excessivo apego a um posto e adquirir continuamente novas competências.

Tudo o que foi exposto aqui, é apenas uma hipótese de trabalho. Ou seja, um serviço. Pessoalmente, encantar-me-ia que todos aqueles que desejassem, interviessem para fazer suas próprias contribuições, ponderações e sugestões. Desta forma, o Conselho da Coroa ampliaria seu raio de ação às bases e a reforma da Cúria Romana poderia nascer de uma consulta eclesial.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É incrível como se anula a vontade e a existência dos donos da terra que são os indigenas. Eles ..." Em resposta a: Dilma e Aécio não consultam índios e adotam propostas contrárias aos seus direitos
"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes