Dez motivos para lembrar o Concílio Vaticano II

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeais Tarcisio Bertone e George Pell diante dos tribunais

    LER MAIS
  • “Mais mulheres no poder não acaba com a ordem patriarcal”, afirma arqueóloga das identidades

    LER MAIS
  • Elon Musk: “A inteligência artificial ameaça a existência da nossa civilização”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

27 Março 2011

"O Concílio, com o documento Dei Verbum, respondeu plenamente às nossas expectativas. Foi um dos efeitos positivos desse Concílio."

Essa é a opinião do cardeal italiano e arcebispo emérito de Milão, Carlo Maria Martini, em resposta a uma carta de leitor do jornal Corriere della Sera, 27-03-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto e revisada pela IHU On-Line..

Eis a carta.

Eminência, fui tocado pelo título de um panfleto, obra de um filósofo norte-americano, cujo título é: Concílio Vaticano II. O que foi distorcido?. A capa da edição italiana traz uma imagem torcida da cúpula da Basílica de São Pedro, quase como se fosse submetida a um tremor de terremoto. Pensei em me dirigir ao senhor para perguntar-lhe: o que deu certo no Vaticano II? Visto que está de moda, poderia me indicar uma lista de dez motivos pelos quais devemos ser reconhecedores ao último Concílio? Marco Vergottini Gavirate (Varese)

Eis a resposta.

A sua carta me lembrou os "belos tempos" do Concílio. Recordo o entusiasmo que se acompanhavam os episódios conciliares. Sentia-se como a Igreja havia reencontrado uma linguagem simples e convincente, que falava ao coração do homem contemporâneo.

Eu estava então na comunidade do Pontifício Instituto Bíblico. Esperava-se com ansiedade a orientação que seria dada pelos Padres Conciliares com relação à exegese da Escritura: ou confiança no método histórico-crítico (que nós aceitávamos embora tendo presentes outros métodos de exegese) ou distância do método histórico-crítico como perigoso para a fé. O Concílio, com o documento Dei Verbum, respondeu plenamente às nossas expectativas. Foi um dos efeitos positivos desse Concílio. Daqui provém também uma sede dos fiéis pela leitura das Sagradas Escrituras.

Outros benefícios do Concílio? Não é fácil enumerá-los, pelo embaraço da escolha. Vai-se desde uma melhor compreensão dos textos da liturgia, graças ao uso das línguas próprias de cada país, até o encorajamento do diálogo com os cristãos não católicos (como com os protestantes, as maiores Igrejas Orientais etc.) e também com as religiões não cristãs, em particular o diálogo com o judaísmo.

Gostaria ainda de lembrar o impulso dado à reforma das ordens religiosas e o aprofundamento do mistério da Igreja, realidade visível e espiritual, em cujo centro está a Eucaristia.

Importante foi também o decreto sobre a liberdade religiosa e a constituição pastoral sobre a Igreja no mundo contemporâneo.

Seria longo continuar, mas gostaria de lembrar o título daquele opúsculo ao qual o autor da carta acena: o que foi distorcido? Parece-me que não houve nada particularmente distorcido nos documentos do Vaticano II. Distorcidas foram algumas das interpretações ou aplicações dadas a elas. Mas hoje também vale o que disse Jesus: "O antigo é melhor".

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Dez motivos para lembrar o Concílio Vaticano II