Ex-mordomo do Papa envia carta pedindo perdão

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Oposição assiste atônita ao derretimento de Jair Bolsonaro

    LER MAIS
  • A propósito da Consagração a Nossa Senhora

    LER MAIS
  • A lição da economista do Papa entre desenvolvimento, responsabilidade e ecologia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 26 Julho 2012

O ex-mordomo do Papa, Paolo Gabriele (foto), enviou uma carta a Bento XVI para expressar sua “dor e arrependimento” pelo vazamento de cartas confidenciais. “Admite seus erros e pede perdão” e afirma “não ter cúmplices”.

A reportagem está publicada no jornal La Vanguardia, 24-07-2012. A tradução é do Cepat.

A carta pessoal foi entregue para a Comissão Cardinalícia de Investigação, presidida pelo cardeal espanhol Julián Herranz Casado, segundo assinalou o advogado defensor de Gabriele, Carlo Fusco, para o jornal italiano “Corriere della Sera”.

Paolo Gabriele foi preso, no último dia 23 de maio, por estar em posse de documentos confidenciais do Pontífice e no último sábado retornou para sua casa, local em que permanece em prisão domiciliar, enquanto espera a decisão do tribunal vaticano.

O advogado, que disse não ter lido a carta, sublinha que “não deriva de nenhuma parte que Paolo teve cúmplice” e que o mesmo “é o único investigado”. Segundo aponta, as outras pessoas “foram escutadas na qualidade de testemunhas da Comissão Cardinalícia e talvez, também, da investigação penal do Vaticano, mas não têm sido confrontados com o acusado”.

Fusco afirma que “não existe nenhum complô, nem interno e nem externo ao Vaticano, em relação ao vazamento de notícias, que possa se referir a Paolo”, e acrescentou que não conhece quem atuou para a sua publicação.





Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ex-mordomo do Papa envia carta pedindo perdão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV