Por que diabos as pessoas apoiam a direita? Um médico norueguês tem a resposta

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Estar nas encruzilhadas da história.'' As conversas do Papa Francisco com os jesuítas de Myanmar e Bangladesh

    LER MAIS
  • 2017. Um ano marcado pelo duelo entre o Papa e Trump

    LER MAIS
  • IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Janeiro 2017

Alberto Rodriguez, jornalista mexicano que escreve sob o pseudônimo de "Alberto Buitre" nos relata a conversa que teve com o médico norueguês Gernot Ernst para tentar entender o ressurgimento da direita em todo o mundo.

O texto é publicado no blog Alberto Buitre, 21-01-2017. A tradução é de Henrique Denis Lucas.

Não acredito em destino, mas há certos momentos na vida em que quase me convencem a acreditar que nada é casualidade. Um desses momentos foi quando conheci Gernot Ernst.

Há algum tempo vinha pensando nisto: Por que as pessoas continuam a apoiar a direita, mesmo que, sob seus governos, já se sabe bem o que acontece? Nos Estados UnidosDonald Trump não perde popularidade. Na Espanha, a população continua a votar no Partido Popular. Mauricio Macri hoje é presidente da Argentina graças ao voto massivo das pessoas. E no México, nos preparamos para o que pode ser um retorno à presidência do Partido da Ação Nacional... Por que diabos?! E desta resposta, gostaria de escrever um artigo.

Mas não havia uma razão convincente. A teoria diz muito, sim, mas não poderia fazer um paralelo com o século XXI. Então neste fim de semana fui à Toluca, no Estado do México, participar de uma conferência sobre a crise do capitalismo, organizada pelo Partido Trabalhista, e conheci o Dr. Ernst.

Ernst é um intelectual de verdade. Médico anestesista do Vestre Viken Hospital Trust, em Korngbesrg, na Noruega. Neurobiólogo e cientista social, tem feito pesquisas na área da Teoria da Complexidade associadas com a medicina e as ciências sociais. Além disso, ele é consultor científico do Partido da Esquerda Socialista da Noruega. Em outras palavras, o sujeito sabe do que fala.

Em seu discurso, Ernst disse que o pensamento de direita tem uma explicação neurocientífica. O contexto social atual é o terreno fértil para isso. A internet literalmente bombardeia os cérebros de pessoas com muita porcaria. A chamada "shitstorm" - termo urbano para descrever uma série de coisas que estão aparentemente bem, mas que, quando estão sendo realizadas, terminam terrivelmente mal -, apresenta coisas (selfies, memes, chats, fotos e vídeos quaisquer) que desaparecem rapidamente e que deixam apenas a frustração. As redes sociais estão cheias de pseudo-argumentação, o que gera egoísmo, pois com este tipo de atitude é realmente fácil ironizar assuntos sérios, tais como uma tragédia humana, um ato de corrupção política e a luta de um grupo de pessoas pelos seus direitos. Então, isso é porcaria. E o mais perigoso de tudo: gera medo. E o medo é a matéria-prima da direita.

Ernst explicou que a direita sabe muito bem o que faz quando fala para o seu público. Por exemplo, criam inimigos abstratos: migrantes, homossexuais, mulheres, anarquistas - é neles que se fundam as razões do seu medo. Então, um candidato ou candidata de direita aparecem como figuras paternas, que são capazes de resolver os seus problemas. Isto fomenta - diz o doutor-, o patriarcado.

E ao pai todos acreditam - por ser pai, e por haver-te colocado em uma posição infantil de desamparo. De fato, uma vez que você se entrega a ele, cada afirmação que ele faça, você tomará como válida. Não importa se você sabe que aquilo é uma mentira. Não importa se ele próprio saiba que é uma mentira, diz Ernst. Criou-se uma imagem de "nós contra os outros." Não se argumenta mais. Você não se coloca mais a pensar, pois você não precisa. A única coisa que a direita requer é colocar imagens em sua mente através de palavras e definições: "Os mexicanos são estupradores e traficantes de drogas".

Você buscava por uma resposta? Aí podia encontrá-la. Mas não era o suficiente. Queria saber mais, e então me propus a conversar com ele.

Ernst, diga-me, por que a direita tem tanto êxito hoje em dia?

Os meios de comunicação mudaram, e particularmente a Internet. Mas também houveram mudanças nas formas da educação, dos movimentos, e isso provoca mudanças em nossa mente, de maneira que tenhamos dificuldades de concentração e de aceitar ou entender argumentos. Isto é explorado pela direita, porque ela é especialista em utilizar o medo. Eles sabem o que estão fazendo. Estão usando o medo social.

Mas por que isto funciona tanto?

O medo, a confusão. É fato que, quando você está confuso, seu cérebro não consegue argumentar. O cérebro é fácil de convencer com imagens, com palavras simples. Por exemplo, as grandes lojas fazem grandes labirintos onde as pessoas não encontram a saída. É uma estratégia. Porque quando você está confuso, não tem força mental para deixar de comprar coisas. É uma técnica. É fácil confundir as pessoas. Essa é a estratégia: aumentar o medo, aumentar a confusão mental, pois dessa forma eles já sabem que as pessoas vão rumar para a direita. É uma clássica estratégia fascista.

O que você opina de Trump? Por que, apesar de tantas críticas diárias, o cara ainda está em voga?

Trump e os seus partidários sabem exatamente o que estão fazendo. Psicologicamente, Trump é um homem velho que teme a morte. É uma estrutura típica da direita. Eles temem mais a morte do que os esquerdistas. E quando você teme a morte, quando tem medo, o seu método de sobreviver é a agressividade. E esses instintos são acionados. Nos comícios de Trump, as pessoas que estão lá são na maioria homens um pouco mais velhos e também homens ou mulheres que não têm uma alimentação boa, e as suas funções cerebrais não funcionam de forma clara. Esta é uma estratégia que tem sido construída e seus especialistas trabalham nela.

E que diabos fazer? De acordo com o Dr. Gernot Ernst, a esquerda (prefiro me considerar um anarquista clássico, mas isto se aplica da mesma forma) tem nas suas mãos a mais velha de suas armas: a organização social que, dadas as circunstâncias, continua a ser a mais efetiva. "Porque a organização social diminui o medo".

Na esquerda -ele aponta-, não há um caminho tão fácil como há na direita. "A esquerda argumenta. Mas nos esquecemos da organização. E para a organização precisamos de mais tempo. Perdemos os trabalhadores onde não temos sindicatos, e com certeza, nesses lugares, devem haver companheiros que sofrem e lutam. Essa é a nossa força. Quando estarmos ajudando em pequenas coisas, eles irão escutar, irão recordar o que é o mais importante e irão lutar também."

Logo, Ernst nos oferece as seguintes sugestões, que eu acabei intitulando: "Dicas do Dr. Gernot Ernst para evitar que as pessoas apoiem a direita, e que, sim, apoiem a esquerda":

  • Exemplifique para as pessoas normais. Explique os problemas e argumente com base nas experiências de pessoas comuns, com os quais o público se sente identificado.
  • Menos discurso, mais perguntas. Evite impor suas ideias. Pergunte, para que as pessoas descubram a verdade por si mesmas.
  • Utilize exemplos históricos. As pessoas não têm consciência histórica. Recorde-os o que aconteceu no passado, para que não cometam os mesmos erros, e recordem os velhos êxitos.
  • A direita manipula, a esquerda organiza. É válido se você utilizar alguns dos métodos da direita, tais como o uso de imagens e definições. Mas não se esqueça do mais importante: a organização social é a chave.

Ernst explica a própria experiência do Partido da Esquerda Socialista da Noruega e a razão de seu sucesso, ao ocupar até 10 por cento das preferências eleitorais do país. "Na Noruega, temos a mesma luta contra o neoliberalismo e a organização sindical é muito forte, ainda. Em algumas áreas, 90% dos trabalhadores estão organizados e isso é algo único na Europa. Mas do outro lado também temos um movimento populista de direita que é igualmente forte, com quase 20 por cento. É uma luta muito importante. É algo particular para nós, no SV ("Sosialistisk Venstreparti", nome em norueguês do partido), que tenhamos três princípios gerais: o julgamento social, o meio ambiente e o feminismo. Isso é muito importante para nossa luta. Porque quando somos capazes de convencer as mulheres - porque as mulheres não são amigas de populistas de direita -, e trabalhar com elas, juntos, este é um dos métodos com os quais podemos ganhar".

Nos despedimos com algumas fotos e uma boa saudação. Eu, na esperança de vê-lo novamente um dia e aprender mais. Grande sujeito. E acima de tudo, gostaria de perguntar-lhe qual era o espetacular personagem da camisa de jazz que ele vestia. Em breve nos veremos, camarada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que diabos as pessoas apoiam a direita? Um médico norueguês tem a resposta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV