Colômbia. Testemunho de Pastora Mira, que deixou o Papa Francisco emocionado

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Setembro 2017

Dentre os testemunhos que Francisco ouviu no Grande Encontro pela Reconciliação Nacional, realizado em Villavicencio, Colômbia, no dia 08-09-2017, destacou-se o de Pastora Mira García.

A mulher contou como perdoou o assassino de seu pai, os assassinos de seu filho menor e como teve que enfrentar o desaparecimento e morte de sua filha Sandra Paola.

O texto é publicado por Rome Reports, 09-09-2017. A tradução é de André Langer.

Eis o testemunho.

Santidade,

Meu nome é Pastora Mira García, sou católica, viúva e, em várias ocasiões, fui vítima da violência. Quando eu tinha seis anos, a guerrilha e os paramilitares ainda não tinham chegado à minha aldeia, San Carlos, Antioquia. Meu pai foi morto. Anos mais tarde, pude cuidar do seu assassino, que, nesse momento, ficou doente; já era idoso e estava abandonado.

Quando a minha filha tinha apenas dois meses, mataram o meu primeiro marido. Em seguida, fui trabalhar na inspeção de polícia, mas tive que renunciar devido às ameaças da guerrilha e dos paramilitares, que se instalaram na região. Com muitos esforços consegui montar uma loja de brinquedos, mas a guerrilha começou a me cobrar vacinas, motivo pelo qual acabei doando as mercadorias.

Em 2001, os paramilitares fizeram desaparecer a minha filha Sandra Paola; comecei sua busca, mas encontrei o cadáver apenas depois de tê-lo chorado por sete anos. Todo este sofrimento me tornou mais sensível à dor alheia e, desde 2004 eu trabalho com as famílias das vítimas de desaparecidos forçados e com os deslocados.

Mas nem tudo ainda tinha acontecido! Em 2005, o Bloco Heróis de Granada, dos paramilitares, assassinou Jorge Aníbal, meu filho menor. Três dias depois de tê-lo sepultado, atendi, ferido, um jovem e o coloquei na mesma cama que tinha pertencido a Jorge Aníbal. Ao sair de casa, o jovem viu as fotos do meu filho e reagiu contando-me que ele era um dos seus assassinos e como o tinham torturado antes de matá-lo. Eu agradeço a Deus que, com a ajuda da Mãe Maria, me deu forças para servi-lo sem causar-lhe dano, apesar da minha indizível dor.

Agora coloco essa dor e o sofrimento das milhares de vítimas da Colômbia aos pés de Jesus Crucificado, para que se junte ao seu e, através da oração de Sua Santidade, sejam transformados em bênção e capacidade de perdão para quebrar o ciclo de violência das últimas cinco décadas na Colômbia. Como sinal desta oferenda de dor, coloco ao pé da cruz de Bojayá a camisa que Sandra Paola, minha filha desaparecida, tinha dado a Jorge Aníbal, o filho que os paramilitares mataram. Nós a conservamos em família como sinal de que tudo isso nunca mais vá acontecer e a paz triunfe na Colômbia.

Deus transforme o coração daqueles que se negam a acreditar que com Cristo tudo pode mudar e não têm a esperança de um país em paz e mais solidário.

A íntegra do depoimento, em espanhol, pode ser visto e ouvido abaixo:

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia. Testemunho de Pastora Mira, que deixou o Papa Francisco emocionado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV