A mudança climática pode desestabilizar o reservatório global de carbono do solo

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • A Vida Religiosa na (Pós)Pandemia: “dar testemunho da vida que clama por Ressurreição”

    LER MAIS
  • CPI da Covid complica ainda mais situação do genocida

    LER MAIS
  • Os últimos suspiros de uma ideia maldita. Artigo de Antonio Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Março 2021

 

O vasto reservatório de carbono armazenado nos solos provavelmente é mais sensível à desestabilização pelas mudanças climáticas do que se supunha anteriormente, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores do WHOI e outras instituições.

A informação é publicada por Woods Hole Oceanographic Institution e reproduzida por EcoDebate, 24-03-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

O estudo [Climate control on terrestrial biosphericcarbon turnover] descobriu que a rotação do carbono biosférico dentro das bacias hidrográficas é vulnerável a futuras perturbações de temperatura e precipitação de um clima em mudança.

Embora muitos estudos anteriores, e bastante localizados, tenham sugerido a sensibilidade do carbono orgânico do solo às mudanças climáticas, a nova pesquisa amostrou 36 rios de todo o mundo e fornece evidências de sensibilidade em escala global.

“Os resultados do estudo indicam que na grande escala do ecossistema das bacias hidrográficas, o carbono do solo é sensível à variabilidade climática”, disse o pesquisador da WHOI Timothy Eglinton, coautor do artigo nos Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América. “Isso significa que a mudança do clima, e particularmente o aumento da temperatura e um ciclo hidrológico revigorado, podem ter um feedback positivo em termos de retorno de carbono para a atmosfera de reservatórios de carbono previamente estabilizados nos solos.”

O público geralmente está ciente de que as mudanças climáticas podem potencialmente desestabilizar e liberar carbono do permafrost na atmosfera e exacerbar o aquecimento global. Mas o estudo mostra que isso é verdade para todo o reservatório de carbono do solo, disse o pesquisador da WHOI Valier Galy, o outro coautor do estudo.

O reservatório de carbono do solo é um componente chave para manter a atmosfera sob controle em termos de quanto dióxido de carbono está no ar. A quantidade de carbono armazenado na vegetação terrestre e nos solos é três vezes maior do que o que a atmosfera contém e consome mais de um terço do carbono antropogênico  que é emitido para a atmosfera.

Para determinar a sensibilidade do carbono terrestre à desestabilização das mudanças climáticas, os pesquisadores mediram a idade do radiocarbono de alguns compostos orgânicos específicos da foz de um conjunto diversificado de rios. Esses rios – incluindo o Amazonas, Ganges, Yangtze, Congo, Danúbio e Mississippi – respondem por uma grande fração da descarga global de água, sedimentos e carbono dos rios para os oceanos.

O carbono terrestre, entretanto, não é tão simples de isolar e medir. Isso porque o carbono nos rios vem de uma variedade de fontes, incluindo rochas, contaminantes orgânicos, como esgoto doméstico ou petróleo, que diferem amplamente em sua idade, e vegetação. Para determinar o que está acontecendo nas bacias hidrográficas dos rios e medir o radiocarbono da biosfera terrestre, os pesquisadores se concentraram em dois grupos de compostos: as ceras das folhas das plantas que têm uma função protetora para a superfície das folhas das plantas e a lignina, que é o lenhoso “Andaimes” de plantas terrestres.

Essas medições mostraram uma relação entre a idade do carbono terrestre nos rios e a latitude onde os rios residem, descobriram os pesquisadores. Essa relação latitudinal levou os pesquisadores a inferir que o clima deve ser um controle chave na idade do carbono que é exportado da biosfera terrestre para esses rios, e que a temperatura e a precipitação são os controles primários da idade desse carbono.

“Este estudo é poderoso porque esse grande número de rios, a ampla cobertura e a ampla gama de propriedades de captação fornecem uma imagem muito clara do que está acontecendo em escala global”, disse Galy. “Você pode imaginar que, indo atrás de muitos rios, teríamos uma história muito complicada. No entanto, à medida que continuamos adicionando novos sistemas fluviais ao estudo, a história era bastante consistente. ”

“Em muitos aspectos, os cientistas da Terra veem os rios como uma fonte de sinal que é enviada para registros sedimentares que podemos interpretar”, disse Eglinton. “Ao acessar os registros sedimentares, temos a oportunidade de observar como a biosfera terrestre respondeu à variabilidade climática no passado. Além disso, monitorando rios nos dias atuais, também podemos usá-los como sentinelas para avaliar como essas bacias hidrográficas podem estar mudando. ”

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A mudança climática pode desestabilizar o reservatório global de carbono do solo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV