Crise dos abusos em Colônia está impactando Limburg, afirma presidente dos bispos alemães

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Fevereiro 2021

A turbulência em Colônia devido à forma como o cardeal Rainer Maria Woelki lidou com os abusos na arquidiocese alemã está tendo um considerável impacto negativo em sua diocese vizinha, Limburgo, advertiu o presidente da Conferência dos Bispos da Alemanha, o bispo Georg Bätzing, de Limburgo.

A reportagem é de Christa Pongratz-Lippitt, publicada por The Tablet, 24-02-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Posso sentir que não só os católicos e as vítimas de abusos, mas também o público em geral está se perguntando: ‘Posso acreditar nas autoridades da Igreja? O que elas estão dizendo parece confiável? Como católico, eu ainda deveria me envolver?’. É contra isso que estamos lutando, e isso se deve à situação em Colônia”, disse ele em uma coletiva de imprensa online, acrescentando que não estava falando como presidente da Conferência, mas como bispo da diocese vizinha de Limburgo.

A turbulência em Colônia está enraizada na recusa de Woelki em publicar um relatório sobre os abusos na arquidiocese e no fato de ter encomendado um segundo relatório, que ele prometeu publicar no mês que vem. No relatório sobre os abusos de Limburgo, que foi publicado em junho de 2020, “atos, perpetradores e vítimas” foram claramente indicados pelo nome, lembrou Bätzing.

“Queríamos divulgar os nomes dos responsáveis, e foi isso que fizemos”, disse ele. Uma “mudança cultural” ocorreu na Igreja no que diz respeito ao abuso sexual clerical. Somente a transparência e a publicação dos resultados dos estudos sobre o abuso poderão reconquistar a confiança na Igreja, enfatizou Bätzing.

Enquanto isso, os 34 párocos da Arquidiocese de Colônia, que no fim de janeiro enviaram uma carta de protesto ao cardeal Woelki quando ele anunciou que não publicaria o relatório sobre os abusos que ele havia encomendado, tiveram um encontro online com o cardeal. Ambos os lados expressaram pontos de vista muito diferentes, e a reunião terminou sem quaisquer resultados concretos, disseram os padres à imprensa posteriormente.

De acordo com o semanário alemão Der Spiegel, o novo relatório sobre os abusos encomendado pelo cardeal Woelki, que deve ser publicado no dia 18 de março, mostra que tanto o número de perpetradores de abusos quanto o número de vítimas de abusos na Arquidiocese de Colônia foram maiores do que o relatado em um estudo de 2018 sobre os abusos encomendado pela Conferência Episcopal.

O novo relatório afirma que houve 300 vítimas de abuso e 200 perpetradores, em vez de 135 vítimas e 87 perpetradores.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crise dos abusos em Colônia está impactando Limburg, afirma presidente dos bispos alemães - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV