Parolin sobre o caso Becciu: “Esperamos que as coisas sejam esclarecidas”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Outubro 2020

A investigação vaticana aponta que o dinheiro do Óbolo de São Pedro foi utilizado para a compra do palácio em Londres.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 01-10-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

“A história que estamos presenciando entristeceu-nos profundamente. Esperamos que se esclareçam as coisas”. Esta foi a resposta dada ontem pelo secretário de Estado vaticano, Pietro Parolin, ao ser perguntado sobre o “escândalo Becciu”.

“Sinto por todos os envolvidos: para eles também é uma grande dor. Porém, esperamos que tudo seja esclarecido e que haja esta vontade de todos de seguir o Papa pelo caminho da correção e da transparência”, disse Parolin, como publica Avvenire.

O jornal da Conferência Episcopal Italiana (certamente relevante que entre nestas questões) faz eco da informação do jornal La Repubblica que revela certos pontos da investigação judicial vaticana que implica Becciu e seus colaboradores no uso de fundos fraudulentos reservado à Santa Sé para a compra do palácio na Sloane Square, em Londres.

O aval do Óbolo de São Pedro

No relatório, Avvenire diz que a responsabilidade de todo o ocorrido é da Secretaria de Estado, e não da AIF, que naquele momento não tinha faculdade alguma para supervisionar as ordens de Becciu. O jornal incide nas responsabilidades de Rafaelle Mincione e o corretor de negócios Gianluigi Torzi, investigados por lavagem de capitais e lavagem de dinheiro.

De acordo com os documentos acessados por La Repubblica, a compra do imóvel da discórdia foi financiada, em parte, com o dinheiro das doações de fiéis ao Óbolo de São Pedro. A investigação do promotor de justiça, Gian Piero Milano, e seu adjunto, Alessandro Diddi, aponta que “A Secretaria de Estado financiou a operação de Londres com a linha de crédito do Credit Suisse e do Banco da Suíça por 200 milhões de dólares, garantidos por bens de valor patrimonial da Secretaria de Estado e donativos do Óbolo de São Pedro”. La Repubblica estima o valor arrecadado com donativos em 24 milhões de euros.

A promotoria também questionou que o valor do imóvel tenha aumentado enormemente antes da compra, um aumento “que não parece encontrar razão econômica válida”. Como se não bastasse, a agência ANSA garantiu nesta terça-feira que outros investimentos imobiliários foram detectados em Londres por cerca de 110 milhões de euros que também envolvem Becciu.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Parolin sobre o caso Becciu: “Esperamos que as coisas sejam esclarecidas” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV