RS. Morre o primeiro cacique Kaingang, vítima da covid-19

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Junho 2020

"O cacique Lourenço Amantino, da TI Sêgu (Xingu), no Rio Grande do Sul, foi o primeiro cacique Kaingang a morrer vítima da covid-19", informa em nota o Conselho Indigenista Missionário – Cimi Regional Sul, 22-06-2020.

 

Eis a nota. 

Com profunda tristeza recebemos a notícia do falecimento de Lourenço Amantino, cacique da TI Sêgu (Xingu), em Constantina/RS. Ele estava internado em Passo Fundo desde o dia 13 de junho, depois de ter contraído o novo coronavírus, causador da covid-19.

Seu Lourenço, como o chamávamos, foi o primeiro cacique Kaingang a morrer vítima da covid-19. O Cimi Sul expressa sua solidariedade à família de Seu Lourenço, à comunidade Sêgu (Xingu) e a todo o povo Kaingang.  Perde-se um homem lutador, um guerreiro incansável. Perde-se um homem que teve sua vida dedicada à demarcação da terra. Ele era um esperançoso, sempre procurava acreditar na palavra das pessoas, nas autoridades que lhe prometiam a demarcação da terra.

Nutria-se na esperança de que um dia pudesse viver na Mãe Terra.  Existia por ela. Seu Lourenço passou quase toda sua existência, 62 anos de idade, em acampamentos de beira de estrada, em áreas degradadas, sem saneamento básico, sem água potável e habitando moradias improvisadas. O sonho de Seu Lourenço, de um dia poder entrar, cultivar e se alimentar dos bens da terra originária o fez superar a insalubridade sanitária. Ele constituiu família, organizou-se com seus parentes, com seu povo e empreendeu uma luta bonita de vida e resistência.

Não se poderia imaginar, que nessa trajetória, um vírus estrangeiro, trazido ao Brasil por pessoas ricas, chegasse nas comunidades indígenas e passasse a vitimar os Filhos da Terra.

Seu Lourenço, assim como tantos outros homens e mulheres, morreu sem ter tido a possibilidade de retornar ao território de onde foi arrancado pelos colonizadores, aqueles que originaram a elite dominante que contaminou o país com o vírus estrangeiro.

Segue Lourenço, segue para a Casa de Tupé – Deus – e de lá acompanhe e abençoe os que aqui ficaram, pois estes darão continuidade a luta pela Mãe Terra, na qual participou e pela qual dedicou seus 62 anos.

Chapecó, SC, 22 de junho de 2020

Conselho Indigenista Missionário – Cimi Regional Sul

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

RS. Morre o primeiro cacique Kaingang, vítima da covid-19 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV