A temperatura global em 2020 pode ser recorde. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Junho 2020

"O aquecimento global é a maior ameaça existencial à humanidade. Assim como existe uma emergência de saúde pública (por conta do coronavírus), existe também uma emergência climática por conta do aumento da temperatura global", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 22-06-2020.

Eis o artigo.

A pandemia do novo coronavírus esfriou a economia, mas não chegou a esfriar muito a temperatura global. O mês de janeiro foi , entre os primeiros meses do ano, o mais quente desde 1880, quando começa a série de registros mundiais. Mas os meses de fevereiro a abril ficaram um pouco abaixo dos recordes de 2016. Contudo, o mês de maio voltou a marcar temperatura recorde.

As instituições de medição meteorológica dizem que o ano de 2020 pode ser mais quente do que os elevados números de 2016, isto porque as regiões árticas da Terra registraram aumentos continuados de temperatura, chegando ao ponto de deixar algumas cidades totalmente sem neve e com temperatura muito elevada.

O ano mais quente do século XX foi 1998 com uma anomalia de 0,65º C em relação à média do século XX. Este nível foi aproximadamente igualado em 2005 e superado apenas em 2010 e 2014. Os anos de 2011 e 2012 apresentaram temperaturas inferiores às de 1998 e isto gerou muito questionamento sobre o aquecimento global, inclusive com muitos cientistas falando em “hiato climático”. Porém, a partir de 2014 os aumentos anuais da temperatura extrapolaram todas as tendências, marcando 0,99º C em 2016 e 0,95º C em 2019, em relação à média do século XX (mas que representa cerca de 1,2º C em relação ao período pré-industrial). Os 6 anos entre 2014 e 2019 foram os mais quentes da série histórica.

O gráfico abaixo, com dados da NOAA, mostra a temperatura mensal dos últimos 7 anos, que são os mais quentes da série que começou no final do século XIX. O ano de 2020 começou batendo todos os recordes para o mês de janeiro, manteve o segundo lugar em fevereiro, março e abril e voltou a apresentar recorde em maio. E 2020 nem é ano de El Niño.

Os dados acima mostram que o aquecimento global entrou em outro patamar. Isto é confirmado pela média dos cinco primeiros meses (janeiro a maio) na série histórica. O gráfico abaixo mostra a média dos primeiros 5 meses de 2016 foi de 1,16º C. e em 2020 foi de 1,10º C, ambos muito acima das médias dos outros anos. A tendência dos 5 meses da atual década (2011-20) apresentou um crescimento de 0,58º no aquecimento. Um número impressionante e que indica que o limite de 1,5º C colocado pelo Acordo de Paris deve ser atingido antes de 2030 e o limite de 2º C deve ser atingido antes de 2040.

Matéria do jornal The New York Times mostra que houve um declínio drástico nos primeiros meses do ano das emissões globais de gases de efeito estufa. No início de abril, as emissões globais de CO2 caíram cerca de 17 milhões de toneladas por dia, ou 17%, conforme mostra o gráfico abaixo. Mas em meados de junho, quando os países diminuíram seus bloqueios, as emissões subiram e ficaram apenas 5% abaixo da média de 2019. As emissões na China, que representam um quarto da poluição de carbono do mundo, parecem ter retornado aos níveis pré-pandêmicos.

Mas em meados de junho, quando os países diminuíram seus bloqueios, as emissões subiram e ficaram apenas 5% abaixo da média de 2019. As emissões na China, que representam um quarto da poluição de carbono do mundo, parecem ter retornado aos níveis pré-pandêmicos.

Os estudiosos estão surpresos com a rapidez com que as emissões se recuperaram e dizem que qualquer queda no uso de combustíveis fósseis relacionada ao coronavírus é temporária, a menos que os países tomem medidas concertadas para limpar seus sistemas de energia e frotas de veículos enquanto se movem para reconstruir suas economias em dificuldades.

O aquecimento global é a maior ameaça existencial à humanidade. Assim como existe uma emergência de saúde pública (por conta do coronavírus), existe também uma emergência climática por conta do aumento da temperatura global. O mundo precisa aprender com o trauma da covid-19 e acordar para a urgência de se resolver os problemas ambientais do século XXI. Senão teremos uma “Terra inabitável” como mostrou o jornalista David Wallace-Wells. O alerta já está dado, ninguém poderá ser pego desprevenido e desinformado no futuro próximo.

Referência:

ALVES, J. E. D. A dinâmica demográfica global em uma “Terra inabitável”, Revista Latinoamericana de Población, Vol. 14 Núm. 26, dezembro de 2019. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A temperatura global em 2020 pode ser recorde. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV