Emergência Climática - Mais da metade dos pontos críticos do clima agora estão 'ativos', alertam cientistas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Paraná. Professores entram no sexto dia de greve de fome

    LER MAIS
  • Liberdade e igualdade não bastam: uma cartilha sobre a Fratelli tutti. Artigo de Charles Taylor

    LER MAIS
  • A Economia Anticapitalista dos Franciscos e das Claras

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Novembro 2019

Em um artigo da revista Nature, os cientistas pedem ações urgentes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa para evitar os principais pontos de inflexão, alertando para o pior cenário possível de um planeta menos habitável de uma “estufa”.

A reportagem é publicada por University of Exeter e reproduzida por EcoDebate, 28-11-2019. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.



Mais da metade dos pontos críticos do clima identificados há uma década estão agora “ativos”, alertaram um grupo de cientistas de ponta.

Isso ameaça a perda da floresta amazônica e das grandes camadas de gelo da Antártica e da Groenlândia, que atualmente estão passando por mudanças mensuráveis e sem precedentes muito antes do esperado.

Essa “cascata” de mudanças provocadas pelo aquecimento global pode ameaçar a existência de civilizações humanas.

Há evidências crescentes de que esses eventos são mais prováveis ??e mais interconectados do que se pensava anteriormente, levando a um possível efeito dominó.

Em um artigo da revista Nature, os cientistas pedem ações urgentes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa para evitar os principais pontos de inflexão, alertando para o pior cenário possível de um planeta menos habitável de uma “estufa”.

“Uma década atrás, identificamos um conjunto de possíveis pontos de inflexão no sistema Terra, agora vemos evidências de que mais da metade deles foram ativados”, disse o principal autor, professor Tim Lenton , diretor do Instituto de Sistemas Globais da Universidade de Exeter.

“A crescente ameaça de mudanças rápidas e irreversíveis significa que não é mais responsável esperar e ver. A situação é urgente e precisamos de uma resposta de emergência. ”

O co-autor Johan Rockström, diretor do Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático, disse: “Não são apenas as pressões humanas na Terra que continuam subindo a níveis sem precedentes. É também que, à medida que a ciência avança, devemos admitir que subestimamos os riscos de provocar mudanças irreversíveis, onde o planeta auto-amplifica o aquecimento global. É isso que agora começamos a ver, já a 1°C do aquecimento global. Cientificamente, isso fornece fortes evidências para declarar um estado de emergência planetária, para desencadear ações mundiais que aceleram o caminho em direção a um mundo que pode continuar evoluindo em um planeta estável”.

No comentário, os autores propõem uma maneira formal de calcular uma emergência planetária como risco multiplicado pela urgência.

Os riscos do ponto de inflexão agora são muito mais altos do que as estimativas anteriores, enquanto a urgência está relacionada à rapidez com que é preciso agir para reduzir o risco.

Sair da economia de combustível fóssil é improvável antes de 2050, mas com a temperatura já a 1,1°C acima da temperatura pré-industrial, é provável que a Terra cruze a barreira de proteção de 1,5°C até 2040. Os autores concluem que apenas isso define uma emergência.

Nove pontos de inflexão ativos:

Gelo marinho do Ártico

Manta de gelo da Groenlândia

Florestas boreais

Permafrost

Circulação Meridional do Atlântico

Floresta amazônica

Corais de água quente

Manta de gelo da Antártica Ocidental

Partes da Antártica Oriental

O colapso das principais camadas de gelo na Groenlândia, Antártica Ocidental e parte da Antártica Oriental comprometeria o mundo a cerca de 10 metros de elevação irreversível do nível do mar.

A redução de emissões pode retardar esse processo, permitindo mais tempo para as populações baixas se moverem.

As florestas tropicais, o permafrost e as florestas boreais são exemplos de pontos de inflexão da biosfera que, se cruzados, resultam na liberação de gases de efeito estufa adicionais, amplificando o aquecimento.

Apesar da maioria dos países ter assinado o Acordo de Paris, comprometendo-se a manter o aquecimento global bem abaixo de 2°C, as atuais promessas de emissões nacionais – mesmo que sejam cumpridas – levariam a 3°C de aquecimento.

Embora os pontos de inflexão futuros e a interação entre eles sejam difíceis de prever, os cientistas argumentam: “Se podem ocorrer cascatas prejudiciais de inflexão e uma inflexão global não pode ser descartada, essa é uma ameaça existencial para a civilização. Nenhuma análise econômica de custo-benefício vai nos ajudar. Precisamos mudar nossa abordagem para o problema climático. ”

O professor Lenton acrescentou: “Talvez já tenhamos ultrapassado o limiar de uma cascata de pontos de inflexão inter-relacionados. No entanto, a taxa em que progridem e, portanto, o risco que representam, pode ser reduzida cortando nossas emissões.”

Embora as temperaturas globais tenham flutuado ao longo de milhões de anos, os autores dizem que os humanos agora estão “forçando o sistema”, com a concentração de dióxido de carbono na atmosfera e a temperatura global aumentando a taxas que são uma ordem de magnitude superior ao do final da última era glacial.


Referência:

Climate tipping points — too risky to bet against. Leia aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Emergência Climática - Mais da metade dos pontos críticos do clima agora estão 'ativos', alertam cientistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV