“Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nunca se viu no Brasil um governo tão abençoado pelas igrejas

    LER MAIS
  • Cardeal Hollerich “está aberto” ao sacerdócio das mulheres

    LER MAIS
  • "A REPAM é fazer conectar aquilo que é comum de todos". Entrevista com João Gutemberg Sampaio, novo secretário executivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Setembro 2019

“A luta do papa Francisco é contra o clericalismo e o exercício do poder dentro da Igreja. O Papa propõe uma Igreja sinodal (isso é, participativa e que toma decisões de forma colegiada) contra o clericalismo”, afirmou Arturo Sosa, superior-geral da Companhia de Jesus.

“O Sínodo não toma decisões doutrinais. É um encontro de caráter pastoral para trocar ideias, fazer recomendações para uma pastoral mais efetiva em zonas importantes como a América Latina”, continuou.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 16-09-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O superior-geral da Companhia de Jesus, o venezuelano Arturo Sosa, admitiu nessa segunda-feira, em Roma, que existe uma “luta política dentro da Igreja” com o objetivo de influenciar na eleição do próximo pontífice.

“Não há dúvidas que existem uma luta política na Igreja”, assegurou o líder dos jesuítas em um encontro em Roma, na sede da imprensa estrangeira.

“A luta é entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não querem”, explicou o primeiro religioso latino-americano, desde 2016, a liderar a congregação religiosa mais poderosa e numerosa da Igreja Católica.

Lutar contra o clericalismo

“A luta do papa Francisco é contra o clericalismo e o exercício do poder dentro da Igreja. O Papa propõe uma Igreja sinodal (isso é, participativa e que toma decisões de forma colegiada) contra o clericalismo”, afirmou Sosa, que é um renomado cientista político e professor universitário.

“O Sínodo não toma decisões doutrinais. É um encontro de caráter pastoral, para trocar ideias, fazer recomendações para uma pastoral mais efetiva em zonas importantes, como a América Latina”, acrescentou. “O Sínodo é uma oportunidade”, apontou Sosa.

No caso deste Sínodo convocado por Francisco para a defesa da Amazônia, que será celebrado entre 6 a 27 de outubro no Vaticano, se trata de um chamado à “Igreja e a sociedade para se comprometer com uma ecologia integral”, disse.

O religioso, que foi reitor da Universidade Católica de Táchira e diretor do Centro de Análise e Estudos Gumilla, considera que os ataques contra o pontífice argentino, e sobretudo contra os sínodos ou assembleias de bispos que fizeram durante o pontificado, tem um objetivo estratégico.

“Estou convencido de que não se trata de um ataque somente contra o Papa. Francisco está convencido de sua ação desde que foi eleito Papa. Na realidade é um modo de influenciar na eleição do próximo Papa”, afirmou Sosa.

“É que Francisco, por sua idade, não vai ser o pontificado mais longo da história. Eles apontam para a sua sucessão”, afirmou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV