O Papa e a sombra de um cisma. Editorial do Le Monde

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Setembro 2019

A oposição a Francisco, que se manifesta dentro da própria cúria, radicalizou-se a ponto de questionar sua legitimidade.

Publicamos aqui o editorial do jornal francês Le Monde, 12-09-2019. A tradução é de André Langer.

Eis o texto.

Ao voltar de uma viagem a três países africanos, no dia 10 de setembro, o Papa Francisco, no avião, falou com os jornalistas. Uma das perguntas o levou a dar uma resposta àqueles que chegam ao ponto de questionar sua legitimidade. “Rezo para que não haja cisma, mas não tenho medo”, disse o pontífice argentino. De acordo com a teologia católica, um cisma é definido como uma “recusa de submissão ao papa ou à comunhão com os membros da Igreja que estão sujeitos ao mesmo”. Isso aconteceu em 1988, quando o arcebispo Marcel Lefebvre desafiou João Paulo II, consagrando bispos tradicionalistas sem a aprovação de Roma, o que o levou a ser excomungado.

A Igreja Católica está à beira de um novo cisma? Fortemente sacudida pelos casos de pedofilia que chamuscam seriamente sua imagem, ela é abalada por uma crise grave. Desde sua eleição em 2013, Jorge Bergoglio tem sido objeto de críticas crescentes por parte das correntes conservadoras, especialmente americanas. Ele é criticado por suas aberturas – cautelosas – em questões relativas à família e até da homossexualidade, e por suas declarações sobre a justiça social, os migrantes, o capitalismo e a globalização.

Para o Papa, qualquer crítica, desde que seja “leal”, é aceitável. “Eu sempre aproveito as críticas, explicou, sempre. Às vezes elas me deixam com raiva, mas as vantagens existem”. E ironizou aqueles que pensam que ele é “muito comunista”: “As coisas sociais que digo, são as mesmas que disse João Paulo II. As mesmas! Eu o copio!”

Francisco não é o primeiro papa a ser criticado, mas a oposição ao seu pontificado, que se manifesta dentro da própria cúria, se radicalizou a ponto de questionar sua legitimidade ou fazê-lo parecer um herege. O livro que acaba de ser publicado, Comment l’Amérique veut changer le pape [Como a América quer mudar o Papa] (Bayard), de Nicolas Senèze, jornalista do La Croix, destacou o que parece ser uma conspiração. “É uma honra que os americanos me ataquem”, respondeu o pontífice em 4 de setembro. Há um ano, um ex-núncio em Washington acusou o bispo de Roma de cumplicidade com os pedófilos e pediu sua renúncia, com o apoio de cerca de 20 bispos americanos.

Iconoclasta demais, pouco ortodoxo, esse papa que não hesita em denunciar os males de sua Igreja incomoda. Em relação aos seus detratores, Francisco escolheu contra-atacar. “Criticar sem querer ouvir a resposta e sem diálogo – advertiu – não é bom para a Igreja, é perseguir uma ideia fixa, mudar o papa ou provocar um cisma”. Repreendendo seus adversários de instilar a ideologia na doutrina da Igreja, acrescentou: “Quando a doutrina deriva da ideologia, existe a possibilidade de um cisma”. Ao evocar publicamente, e pela primeira vez, uma hipótese dessas, mostra que leva o risco a sério. Ele o dramatiza para melhor conjurá-lo e chama seus adversários de dissidentes.

Ao recorrer a tal estratégia, o Papa demonstra sua determinação: não se deixará intimidar. Em outubro, fará uma nova prova em um sínodo dos bispos sobre a Amazônia, que poderá, para mitigar a falta de padres, prever a ordenação de homens casados. Francisco está determinado a continuar seu caminho, mesmo que seja heterodoxo. Paira no ar a sombra de um cisma? Ele não tem medo disso.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa e a sombra de um cisma. Editorial do Le Monde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV