Dia Mundial pelo fim do Especismo: 24 de agosto de 2019

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Agosto 2019

"Trata-se de um holocausto biológico sem precedentes. O sofrimento animal comove mesmo as mentes pouco sensíveis ao direito básico à vida das espécies não humanas", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 23-08-2019.

Eis o artigo.

Não tenho dúvidas de que é parte do destino da raça humana, na sua evolução gradual, parar de comer animais, tal como as tribos selvagens deixaram de se comer umas às outras quando entraram em contato com os mais civilizados” - Henry Thoreau (1817-1862)

Em 24 de agosto de 2019 acontece o Dia Mundial pelo Fim do Especismo (DMFE). É uma oportunidade para denunciar o genocídio das espécies, o holocausto biológico, a aniquilação da biodiversidade, o ecocídio e a escravidão animal. É um momento para dar vez e voz aos seres sencientes que sofrem silenciosamente e dão a vida e o sangue para satisfazer o apetite humano e a ganância do consumismo. A luta contra o especismo é também contra a 6ª extinção em massa das espécies. Contra a dominação e a exploração da vida animal.

O Relatório Planeta Vivo 2018 elaborado pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF), mostra que o avanço da produção e consumo da humanidade tem provocado uma degradação generalizada dos ecossistemas globais e gerado um ecocídio da vida selvagem do planeta: as populações de vertebrados silvestres, como mamíferos, pássaros, peixes, répteis e anfíbios, sofreram uma redução de 60% entre 1970 e 2014. No mesmo período a população humana praticamente dobrou de tamanho.

O relatório da WWF é baseado no acompanhamento de mais de 16.700 populações de 4 mil espécies, utilizando câmeras, análise de pegadas, programas de investigação e ciências participativas. A perda de biodiversidade é inquestionável e indica que o monopólio humano não tem sido bom para a riqueza da vida na Terra.

Um dos indicadores mostrados no relatório é sobre o impacto crescente do lixo plástico nos oceanos e a interferência no modo de vida e sobrevida das diversas espécies, inclusive as aves marinhas. Na década de 1960, apenas 5% das aves tinham fragmentos de plástico no estômago. Hoje, o índice é de 90%. O desenvolvimento econômico tem gerado um holocausto biológico e uma maior morbidade da vida animal.

Um relatório preparado pela Plataforma Intergovernamental para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), apresentado para mais de 130 delegações governamentais, mostrou que as atividades humanas ameaçam mais espécies atualmente do que nunca. Uma em cada quatro espécies está em risco de extinção.

A conclusão foi baseada no fato de que em torno de 25% das espécies de plantas e de animais estão vulneráveis. Isso significa que em torno de 1 milhão de espécies já enfrentam risco de extinção, muitas delas em décadas, a não ser que ações sejam tomadas para reduzir a intensidade de impulsionadores de perdas à biodiversidade. O relatório também examinou cinco fatores impulsionadores de mudanças “sem precedentes” na biodiversidade e em ecossistemas ao longo dos últimos 50 anos. São eles: mudanças no uso da terra e do mar; exploração direta de organismos; mudança climática, poluição e invasão de espécies estrangeiras.

O manifesto do Dia Mundial pelo Fim do Especismo (DMFE) diz: “A fronteira da espécie não é, e não pode ser, uma fronteira moral. Nossa sociedade deve evoluir para incluir os animais no nosso círculo de consideração moral”. O vegetarianismo e o veganismo são imperativos da ética de defesa animal. Como disse Mahatma Gandhi: “A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo que seus animais são tratados”.

O Brasil vive um momento de barbárie ambiental. A Amazônia está sendo desmatada, queimada e defaunada. A riqueza da flora está virando cinzas e os animais da floresta estão sendo queimados vivos. Trata-se de um holocausto biológico sem precedentes. O sofrimento animal comove mesmo as mentes pouco sensíveis ao direito básico à vida das espécies não humanas.

Amazônia pede socorro

Nenhuma ideologia de direita ou esquerda é capaz de justificar o racismo, o sexismo, o escravismo ou a discriminação contra as espécies. Para evitar o especismo, o ecocídio e a Aniquilação Biológica, todas as pessoas, em suas diferentes identidades e inserções sociais, deveriam participar das atividades, no dia 24 de agosto, do DIA MUNDIAL CONTRA O ESPECÍSMO. Que também será o DIA MUNDIAL CONTRA A DEFAUNAÇÃO DA AMAZÔNIA!

Referências:

ALVES, JED. Demografia, Democracia e Direitos Humanos, Texto Discussão n. 18, ENCE/IBGE, RJ, 2005

ALVES, JED. Redução da biodiversidade ou das atividades antropogênicas? Ecodebate, RJ,21/05/2010

ALVES, JED. Direitos Humanos, Direitos da Terra e Direitos da Biodiversidade. Ecodebate, RJ,12/01/2011

ALVES, JED. “Troque seu cachorro por uma criança pobre”. Ecodebate, RJ,06/09/2011

ALVES, JED. Classismo, sexismo, escravismo, racismo, xenofobismo, homofobismo e especismo, Geledes, 28/12/2011

ALVES, JED. Especismo e as desigualdades entre espécies. Ecodebate, Rio de Janeiro, 14/03/2012

ALVES, JED. Do antropocentrismo ao mundo ecocêntrico. Ecodebate, Rio de Janeiro, 13/06/2012

ALVES, JED. Morre o Solitário George: desaparece mais uma espécie em Galápagos. Ecodebate, Rio de Janeiro, 29/06/2012

ALVES, JED. Erradicar o Ecocídio. Ecodebate, Rio de Janeiro, 31/10/2012

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: 100 milhões de tubarões mortos por ano. Ecodebate, RJ, 07/11/2012

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: o massacre de elefantes e o comércio de marfim. Ecodebate, RJ, 21/11/2012

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: a ameaça de extinção dos rinocerontes. Ecodebate, RJ,28/11/2012

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: a destruição da Amazônia. Ecodebate, RJ, 01/02/2013

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: Gorilas ameaçados de extinção. Ecodebate, RJ, 10/04/2013

ALVES, JED. Por um mundo mais selvagem! Ecodebate, RJ, 14/08/2013

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: o sumiço das abelhas. Ecodebate, Rio de Janeiro, 18/09/2013

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: a extinção dos tigres. Ecodebate, Rio de Janeiro, 25/10/2013

ALVES, JED. Direitos Humanos e Direitos da Natureza. Ecodebate, Rio de Janeiro, 06/12/2013

ALVES, JED. Reduzir a população de bovinos para combater o desmatamento e o aquecimento global. Ecodebate, Rio de Janeiro, 07/02/2014

ALVES, JED. O naufrágio dos deltas devido às atividades humanas. Ecodebate, RJ, 21/05/2014

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: a extinção dos Guepardos. Ecodebate, Rio de Janeiro, 22/08/2014

ALVES, JED. Especismo e ecocídio: a extinção dos leões na África Ocidental e perda de biodiversidade no mundo. Ecodebate, Rio de Janeiro, 15/10/2014

ALVES, JED. Para evitar o holocausto biológico: aumentar as áreas anecúmenas e reselvagerizar metade do mundo. Ecodebate, Rio de Janeiro, 03/12/2014

ALVES, JED. Deserto verde e Defaunação. Ecodebate, Rio de Janeiro, 18/03/2015

ALVES, JED. Especismo, Ecocídio e a degradação da Grande Barreira de Corais. Ecodebate, RJ, 15/05/2015

ALVES, JED. Dia Mundial pelo fim do Especismo: 22 de agosto. Ecodebate, RJ, 19/08/2015

ALVES, JED. Abolicionismo animal. Ecodebate, RJ, 06/11/2015

ALVES, JED. Escravidão e morte de um Gorila inocente. Ecodebate, RJ, 06/06/2016

ALVES, JED. Ser humano: maior espécie invasora. Ecodebate, RJ, 19/12/2016

ALVES, JED. A humanidade é especista. Ecodebate, RJ, 26/08/2016

ALVES, JED. Beleza ameaçada. Ecodebate, RJ, 02/09/2016

ALVES, JED. A sobrepesca e a degradação dos oceanos. Ecodebate, RJ, 15/05/2017

ALVES, JED. Humanos e chimpanzés: uma relação desigual, especista e ecocida. Ecodebate, RJ, 02/06/2017

ALVES, JED. Jornada Mundial pelo Fim do Especismo e do Ecocídio. Ecodebate, RJ, 25/08/2017

ALVES, JED. Sexta extinção em massa e a insegurança alimentar global. Ecodebate, RJ, 26/01/2018

ALVES, JED. ‘Half-Earth’: reservar metade da Terra para a natureza. Ecodebate, RJ, 08/06/2018

ANDRADE, Rodrigo. Introdução ao Abolicionismo Animal, 2012

SINGER, Peter. Libertação animal, Martins Fontes, 1975

Elizabeth Pennisi. We’ve destroyed one-tenth of Earth’s wilderness in just 2 decades, Science, 08/09/2016

Gerardo Ceballos, Paul R. Ehrlich, Rodolfo Dirzo. Biological annihilation via the ongoing sixth mass extinction signaled by vertebrate population losses and declines. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, PNAS, July 10, 2017

RON PATTERSON, Africa In Peril. 16/07/2017

Brandon Keim. With half the planet saved for nature, will we have enough to eat? Anthropocene Magazine, Aug 15, 2018

Mehrabi et al. “The challenge of feeding the world while conserving half the planet.” Nature Sustainability, 2018

Pelo fim da Escravidão Animal

Relatório da ONU mostra que 1 milhão de espécies de animais e plantas enfrentam risco de extinção, 15/05/2019

Eradicating Ecocide

Dia Mundial pelo fim do Especismo: 24 de agosto de 2019

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dia Mundial pelo fim do Especismo: 24 de agosto de 2019 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV