“Acordo Mercosul-União Europeia é vitória liberal-conservadora”

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • "Nunca, nunca encobrir a realidade. Dizer sempre: 'É assim'”. Papa Francisco recebe a redação da revista jesuíta Aggiornamenti Sociali

    LER MAIS
  • O aumento da pobreza na América Latina submergente

    LER MAIS
  • Um estranho casamento: neoliberalismo e nacionalismo de direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Julho 2019

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, é detrator do que chama de “globalismo”, rótulo que ele dá a certos princípios compartilhados em escala planetária como a preservação ambiental e o respeito aos direitos humanos. O epicentro do globalismo seria a Europa, chamada por ele em um texto de 2017 de “espaço culturalmente vazio regido por ‘valores’ abstratos”.

O comentário é de André Barrocal, publicado por CartaCapital, 03-07-2019.

O embaixador não vê, contudo, contradição entra sua visão e o fato de comemorar o recente acordo entre Mercosul e União Europeia. Para ele, o acordo não foi uma vitória do “globalismo”. O triunfo teria sido de uma “aliança liberal conservadora”, expressão que usou em entrevista coletiva nesta terça-feira 2. Tradução: ideologia “globalista” não vale; “liberal conservadora”, vale.

Pelo que o diplomata deu a entender, essa “aliança” seria a síntese do bolsonarismo. Liberal em termos econômicos, vide a tentativa do governo de aprovar a impopular reforma da Previdência, defendida em manifestações de rua em 26 de maio. E conservadora em questões comportamentais, vide os decretos armamentistas baixados pelo presidente.

Araújo tampouco concorda com outra contradição. O bloco sul-americano nunca foi levado a sério por Jair Bolsonaro e sua equipe. Logo após a eleição presidencial, Paulo Guedes, hoje ministro da Economia, declarou: “Mercosul não é prioridade”. O antigo Mercosul não era realmente prioridade, disse Araújo, aquele pós-Bolsonaro é.

Segundo Araújo, União Europeia e Mercosul passaram por uma “desideologização”, e é por isso que ele e o governo festejam o acordo. O foco do entendimento seria só comercial. “Quem critica o globalismo não critica o livre comércio”, afirmou o ministro, para quem o comércio às vezes pode ser usado para destruir a identidade nacional.

Não é inteiramente verdade que o acordo não tem “ideologia globalista”. O Brasil promete não abandonar o acordo de Paris sobre o clima. Mas, segundo disse ao lado de Araújo o secretário de Negociações Bilaterais e Regionais nas Américas do Itamaraty, Pedro Miguel Costa e Silva, o acordo global não será usado como barreira ao comércio Mercosul-União Europeia.

O Brasil de hoje, conforme Araújo, quer fazer comércio com todo mundo, sem ter de assumir certos compromissos políticos. É por isso que há interesse, disse, em negociar um acordo comercial com a Arábia Saudita. Na recente reunião de cúpula do G20, Bolsonaro encontrou-se com o príncipe saudita Mohammad bin Salman.

A Arábia é uma ditadura teocrática. Lá jornalista que contraria o governo morre. Em outubro de 2018, o jornalista Jamal Khashoggi foi assassinado ao entrar no consulado de seu país em Istambul, a capital da Turquia. Ele tinha fugido da Arábia seu país em 2017. A CIA concluiu no fim de 2018 que ele foi assassinado a mando de Mohammad bin Salman.

Além de Bolsonaro, o príncipe reuniu-se durante o G20 com a primeira-ministra britânica, Teresa May, e esta cobrou dele um processo legal e transparente de investigação do assassinato.

Segundo o jornalista brasileiro Jamil Chade, que trabalha na Suíça, as ditaduras árabes querem uma aproximação maior com o Brasil em uma aliança ultraconservadora. Esses países enxergam afinidades Bolsonaro em temas comportamentais, como aqueles referentes à família patriarcal.

É mais uma contradição do Itamaraty de Bolsonaro. A política externa petista é tachada de ideológica por ter se relacionado amistosamente com Venezuela e Cuba, países chamados de “ditadura” pelo bolsonarismo. Fazer acordo com ditadura árabe, não: é interesse comercial.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Acordo Mercosul-União Europeia é vitória liberal-conservadora” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV