Gênero e clero

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco nomeia novo secretário: um padre que trabalha com crianças de rua e viciados em drogas

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS
  • O papa aprova como vice Decano o argentino Sandri que se calou sobre os crimes do padre Maciel, estuprador de 60 crianças

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Junho 2019

Acontece que notícias e tema de tese andam de mãos dadas! A crise e os escândalos que vieram à tona no clero nos deixaram em um estado de estupefação, raiva e tristeza. Agora é preciso que cada um e todos possam dispor de instrumentos de análise do que aconteceu. É a essa tarefa que Josselin Tricou dedicou-se nos últimos seis anos. Sua tese de doutorado em ciência política – estudos de gênero que ele defende no dia 6 de junho na Universidade Paris 8 oferece o aparato crítico tão esperado.

A reportagem é de Paule Zellitch, publicada por Les Baptisés, 03-06-2019. A tradução é de André Langer.

Intitulada ‘Batinas e homens. Subjetivação de gênero e políticas da masculinidade no clero católico francês desde os anos 1980’, esta tese, minuciosa e bem documentada, será defendida perante uma banca formada por Catherine Achin, professora de ciência política na Universidade de Paris-Dauphine, Céline Béraud, diretora de estudos em sociologia na EHESS, Isabelle Clair, encarregada de pesquisa de sociologia na CNRS, Laurent Jeanpierre, professor de ciência política na Universidade de Paris 8, e David Paternotte, encarregado de cursos de sociologia na Universidade livre de Bruxelas. Notemos que Josselin Tricou trabalhou sob a direção de Éric Fassin, professor de sociologia na Universidade Paris 8.

Situando sua tese na encruzilhada entre a sociologia do catolicismo e os estudos de gênero, o pesquisador examina a masculinidade dos padres e suas evoluções recentes. No contexto da perda de influência da Igreja Católica nas sociedades ocidentais, que repete a democratização sexual que aí se desenvolver (a extensão da deliberação democrática das questões de gênero e sexualidade até então percebidas como naturais), analisa as características da masculinidade clericais em uma escala tripla: as trajetórias dos indivíduos padres, os modelos de masculinidades que são incorporados nas diferentes “ilhotas” de um catolicismo hoje “archipelisé” (“tornado arquipélago”) e as recentes mobilizações em torno das questões de gênero e de sexualidade lideradas pelo “polo da identidade” do catolicismo contemporâneo (o Casamento para todos, o desenvolvimento dos campos para homens e para mulheres, etc.).

A tese analisa, primeiramente, os efeitos de uma desqualificação simbólica da masculinidade sacerdotal nas representações sociais, desqualificação que vai atacar um segredo institucional bem guardado até então: o da sobre-representação homossexual entre o clero e da função de “vitrine” que a instituição clerical tinha. Ora, longe do discurso agressivo do Vaticano contra a homossexualidade ser dissuasivo, tem o efeito paradoxal de atrair ainda mais candidatos homossexuais para o sacerdócio, mesmo que a vocação tenha sido amplamente abandonada pelos heterossexuais, depois de tê-la sido pelas classes populares. Daí a ideia de seu autor que assistimos a partir da década de 1980, sem nunca sabê-lo, à “grande contradança das sexualidades nas portas das sacristias”. Mas esta função de vitrine tornou-se insustentável em uma sociedade que renuncia a impor às pessoas “outras sexualidades” (os LGBTQI).

A tese analisa, na sequência, os esforços do aparelho católico para combater essa desqualificação através daquilo que Josselin Tricou chama de “política da masculinidade”. O gênero e a sexualidade aparecem, então, pelo que são: lugares de expressão do poder dentro da instituição, um campo de lutas para manter a posição da instituição na sociedade e, finalmente, o objeto de políticas implementadas por seus agentes para manter sua posição e o compromisso dos fiéis ao seu lado.

Em conclusão, Josselin Tricou afirma que a obsessão com a masculinidade por um sacerdócio que continua a excluir as mulheres leva a Igreja Católica, no mesmo movimento, a constituir a homossexualidade como um problema essencial e a ignorar aquilo que, fora da Igreja, aparece, no momento da democracia sexual, como o verdadeiro desafio: não apenas a homofobia, mas também a violência sexual e sexista.

Nós aguardamos a publicação e a divulgação próxima deste ambicioso trabalho de pesquisa. Mas já podemos ler os primeiros elementos em diversos artigos disponíveis na página do pesquisador.

Este trabalho deve contribuir para a indispensável desclericalização dos espíritos e das práticas. Atestam-no as palavras-chave: GêneroMasculinidadeHomossexualidadeCatolicismoCleroDemocracia Sexual.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Gênero e clero - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV