Nas livrarias o último livro de Marco Politi: "A solidão de Francisco"

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Maio 2019

"La solitudine di Francesco" 
Marco Politi
Editora Laterza.

"Vamos seguir o caminho da verdade onde quer que ele nos leve", Francisco promete. Ele é um lutador solitário. Ele sabe que os inimigos estão à espreita, prontos para colocar fogo na opinião pública. Uma viagem nos últimos anos do pontificado, os mais difíceis e atormentados, em um mundo que de repente se tornou hostil.

A informação é publicada por Editore Laterza, 01-05-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Uma guerra clandestina está em curso no catolicismo para colocar Francisco, o pontífice reformador, de costas para a parede. Sacerdotes, blogueiros e cardeais conduzem um trabalho sistemático de deslegitimação e, mês após mês, uma frente conservadora está se compactando com considerável força organizacional e midiática.

Fraca, ao contrário, é a mobilização de partidários da linha reformista de Francisco: bispos e cardeais pouco assomam ao palco para defender o papa e apoiar os objetivos da mudança. Sopra um forte vento de oposição: "Querem outro conclave", diz o cardeal Kasper.

Francisco mudou os relacionamentos com ortodoxos, luteranos, muçulmanos e com a China.

Sobre paz, meio ambiente e justiça social é uma autoridade moral mundial. Mas o cenário internacional também se tornou mais complexo: os EUA de Trump rejeitam os acordos sobre clima e migrações, questões não negociáveis ​​para o pontífice; na Itália, enquanto isso, sobre migrantes e integração circula um populismo antipapal; na Europa oriental, espalha-se um catolicismo xenófobo. Outras preocupações aparecem.

A Igreja é atormentada pelo flagelo dos abusos sexuais, pela questão não resolvida do papel das mulheres, pela queda significativa das vocações.

O jesuíta Antonio Spadaro confessa, íntimo colaborador de Francisco: "É um pontificado dramático em que há cardeais que atacam o papa e ateus que o apoiam".

Índice do livro (em tradução livre):   

I O Deus de Francisco

II Um antipapa na Itália

III Os Estados Unidos mais distantes

IV A Europa comprometida

V De 11 de setembro ao pontificado

VI "Francisco renuncie!"

VII Na jaula da cúria

VIII Um mundo paralelo

IX Profeta no caos global

X A fuga das mulheres

XI Uma Igreja em perigo

XII "Eu vou em frente"

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nas livrarias o último livro de Marco Politi: "A solidão de Francisco" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV