A extensão da morte do rio Paraopeba

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Fevereiro 2019

Os impactos causados pela barragem de Brumadinho são gigantes e vão desde as dolorosas mortes de pessoas queridas até o cotidiano da população que convivia com um rio que também morreu, escreve Thaís Herrero, jornalista do Greenpeace Brasil em artigo publicado por Greenpeace, 06-02-2019.

Eis o artigo.

Pescar no fim da tarde de domingo era rotina do casal Jair Jorge da Cruz e Conceição Oliveira da Cruz. Na companhia da cachorrinha Susie, eles saíam de casa com as varas de bambu, iscas e um milho cozido para jogar aos peixes. E seguiam para o rio Paraopeba, onde ele cruza o bairro de Córrego do Barro, em Pará de Minas.

A lama ainda não chegou ao local onde eles costumavam pescar, mas desde o rompimento da barragem não tiveram coragem de seguir sua rotina. Acham melhor não arriscar, por isso estão indo a uma represa artificial. “Se a gente não vem pescar, ela fica brava”, diz Jair sobre a esposa. É ela que gosta da pescaria. Conceição enumera as espécies que costumava encontrar no rio: piaba, traíra, lambari, tilápia e piau. Frente a lama da Vale, no entanto, esses peixes não têm vez.  

A lama tóxica da Vale está descendo e matando o rio Paraopeba. Segundo análise da ONG SOS Mata Atlântica, 40 km do rio Paraopeba já pode ser considerado morto. Os rejeitos de minério aumentaram em mais de 100 vezes a turbidez da água e acabaram com seu oxigênio. Nenhum animal consegue sobreviver nessas condições.

E não é só lama. Metais pesados, resíduos da mineração que eram armazenados na barragem, agora navegam e contaminam o rio. Análises já encontraram altas concentrações de níquel, mercúrio, chumbo, zinco e cádmio.

Em Brumadinho (MG), a única ponte que passa por cima do rio Paraopeba tem visto um movimento diferente. Carros e pedestres param para observar o rio enlameado enquanto é possível ouvir o ruído dos helicópteros que fazem o resgate das vítimas do rompimento da barragem de rejeitos da Vale

Um dos moradores que observa o rio é Luís. O que ele sente ao ver o rio? Com os olhos mareados diz que “é triste demais”. “Não dá nem pra explicar porque esse rio nunca teve essa cor. A gente via peixe nadando aqui. Agora acabou”. Pergunto se posso gravar esse depoimento em vídeo e ele diz que melhor não. “É que eu vou me emocionar demais pra falar isso”, diz.

O impacto do rompimento da barragem é tão gigantesco que a lama já está mudando a rotina das cidades por onde o Paraopeba passa. A prefeitura de Pará de Minas (MG), de 100 mil habitantes, decretou no início da semana estado de emergência devido à contaminação do rio, que é fonte de água para a população.

Enquanto isso, Conceição, Jair, Luís e outras milhares de pessoas não poderão mais desfrutar o Paraopeba por muito tempo. A lama tóxica da Vale matou pessoas e está matando as águas por onde passa. “O rio estava sempre cheio de gente que ia lá nadar, pescar, mas agora é essa tristeza que está aí. O rio lá era bonito demais. É muito triste o que aconteceu”, lamenta Jair.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A extensão da morte do rio Paraopeba - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV