Brumadinho. A Vale estava ciente dos problemas da barragem de rejeitos da mina do Feijão

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “A pastoral com as pessoas LGBT deve fazer parte do caminho sinodal”, defende o cardeal de Bolonha

    LER MAIS
  • Os padres das novas gerações e o ‘modelo’ padre Pino Puglisi: uma distância intransponível?

    LER MAIS
  • As origens do termo “gaúcho” e nossas heranças indígenas. A história que não te contam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Janeiro 2019

A Vale estava ciente dos problemas de manutenção da barragem de rejeitos da mina do Feijão, em Brumadinho. De acordo com Breno Costa, do Intercept Brasil.

A empresa omitiu em seu Relatório de Impacto Ambiental uma tabela que alertava para o risco. O repórter comparou o relatório produzido em agosto de 2015 (com tabela), com a versão de 2017, na qual o dado foi omitido. Sérgio Augusto da Silva Roman, dono da empresa de consultoria contratada pela mineradora para avaliar a expansão da mina, justifica a manobra da seguinte forma: "não foi por omissão, mas porque não cabia mesmo". (Detalhe: o documento tem 238 páginas.) Ainda de acordo com ele, "a população não ia entender porcaria nenhuma".

A informação é publicada por Outra Saúde, 29-01-2019.

O relatório dava conta de que alguns instrumentos usados para medir o nível de pressão sobre a estrutura das barragens eram velhos e, suspeitava-se, não estavam funcionando corretamente. Drenos responsáveis por medir a vazão da água também não estavam funcionando. Além disso, foi constatado o acúmulo de sedimentos em calhas onde a água deveria escorrer pela encosta da barragem e a presença de formigueiros na estrutura que ligava a estrutura ao chão - "se há formigueiros, sinal de que as formigas estavam penetrando no solo", explica o repórter.

Mesmo assim, em dezembro do ano passado, a Vale obteve permissão do governo de Minas Gerais para explorar os rejeitos da barragem que estourou em mina do Feijão. "Pouco mais de um mês depois, a barragem inativa que a Vale teve autorização para colocar retroescavadeiras em cima se rompeu e sua lama tóxica matou dezenas de pessoas", destaca.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brumadinho. A Vale estava ciente dos problemas da barragem de rejeitos da mina do Feijão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV