A questão não é o sacerdócio feminino. Artigo de Phyllis Zagano

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS
  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Janeiro 2019

A questão das diaconisas não tem nada a ver com as sacerdotisas.

O quê e por quê?

O artigo é da teóloga estadunidense Phyllis Zagano, pesquisadora da Hofstra University, em Hempstead, Nova York. Alguns de seus livros são: Women Deacons: Past, Present, Future (recentemente publicado em francês, no Canadá, com o título Des femmes diacres). Um guia de estilo está disponível para download gratuito aqui, publicado por National Catholic Reporter, 24-01-2019. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

Eis o artigo.

Bem, para começar, documentos históricos como os cânones, textos litúrgicos, entre outros escritos, falam livremente e com frequência sobre as diaconisas, mas não mencionam sacerdotes, "ordenado" ou "abençoado". Contra fatos não há argumentos.

Fato nº 1: Os termos "ordenados" e "abençoado" foram usados como sinônimos no Ocidente e no Oriente. Por exemplo, o cânone 21 do Conselho de Auxerre (561-605), localizado a cerca de 160 km a sudeste de Paris, impõe restrições ao padre "ao receber a bênção". O mesmo ocorre com as diaconisas: alguns documentos usam a palavra "ordenada"; outros, "abençoadas". Poucos historiadores revisionistas foram às provas. Um padre e professor de um seminário em Nova York defende que as mulheres eram "apenas" abençoadas. Sua principal obra é um livro que foi publicado em 2000 por um ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal Gerhard Müller. Veremos mais informações sobre o livro a seguir.

Fato nº 2: As diaconisas realizavam algumas atividades semelhantes às dos diáconos, bem como atividades que eles não faziam. Elas eram responsáveis por ungir as mulheres durante o batismo; ungir mulheres doentes e levar a Eucaristia; coordenar o grupo de mulheres na assembleia; catequizar e cuidar de mulheres e crianças. E sabe-se de uma diaconisa que geria a parte financeira de uma igreja. Nem toda diaconisa fazia tudo isso em todas as épocas e lugares, mas realizavam tarefas diaconais com frequência.

Fato nº 3: As diaconisas participavam de tarefas litúrgicas. Sabe-se que elas ficavam no altar "fazendo o mesmo que os homens fazem" porque o Papa Gelasius I fez uma queixa a respeito disso no século V e depois outros papas e bispos reiteraram sua posição. Mas não há provas de que eram sacerdotisas. Há reclamações posteriores que documentam as mulheres com vasos sagrados e vestes sacerdotais, semelhante aos sacristães. Outras apresentam diaconisas oferecendo o cálice aos fiéis. O problema era a proximidade das mulheres — ainda consideradas "impuras" em muitas culturas — do sagrado.

Fato nº 4: O chamado “diaconato transitório” acabou com a prática de ordenar mulheres ao diaconato. As três classes das ordens eram conhecidas para a igreja primitiva, mas a progressão diácono-sacerdote-bispo não era. À medida que o sacerdócio absorveu as tarefas do diaconato, apenas homens destinados ao sacerdócio podiam ser ordenados diáconos. Como as mulheres raramente eram ordenadas, poucas se tornaram diaconisas depois do século XII no Ocidente.

Fato nº 5: Um dos resultados do Concílio Vaticano II foi a restauração do diaconato como uma vocação permanente, hoje vivida por mais de 45.000 homens no mundo - cerca de 18.000 nos Estados Unidos. Apesar de pelo menos dois padres terem tentado incluir as mulheres no diaconato restaurado, o Papa Paulo VI só recebeu uma resposta definitiva sobre a história do trabalho das diaconisas e os fatos de suas ordenações depois do encerramento do concílio. A resposta, apresentada por Cipriano Vagaggini, membro da Comissão Teológica Internacional, foi "sim". Ou seja, as mulheres foram ordenadas e atuaram no diaconato.

Fato nº 6: Em contraste às várias declarações sobre o sacerdócio das mulheres, a Igreja não declarou que restauraria a tradição do diaconato feminino. Em anos, de vez em quando em algum local específico algum bispo ou sínodo proibia a prática, mas ainda assim era meras leis eclesiásticas, não determinações teológicas. Em 2002, o último documento da Comissão Teológica Internacional defendia que: 1) homens e mulheres no diaconato não eram iguais; 2) a tradição da Igreja distingue claramente o sacerdócio e o diaconato; 3) isso é uma decisão do magistério.

E não avançamos mais. Dois pontificados sucessivos — João Paulo II e Bento XVI — deixaram a questão latente depois da publicação desse documento, que Müller ajudou a elaborar. O documento tem citações diretas e indiretas de seu livro, Priesthood and Diaconate: The Recipient of the Sacrament of Holy Orders from the Perspective of Creation Theology and Christology, que integra seus argumentos contra o diaconato e o sacerdócio feminino.

E depois? Em maio de 2016, o Papa Francisco disse a membros da (UISG), numa reunião, que formaria uma comissão para estudar o diaconato feminino. Alguns meses depois, em agosto, nomeou 12 estudiosos para a Pontifícia Comissão de Estudo sobre o Diaconato das Mulheres. Pela primeira vez na longa história da Igreja, uma comissão oficial tinha o mesmo número de homens e mulheres. A comissão enviou um relatório ao Santo Padre há vários meses.

No final de junho, o atual prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal Luis Ladaria, disse para a mídia que fazer uma recomendação ao Santo Padre não era função da comissão.

Mas é sua.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A questão não é o sacerdócio feminino. Artigo de Phyllis Zagano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV