Haddad deveria "presidir e renovar o PT", mas partido define papel de "articulador"

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Outubro 2018

Mônica Bergamo informou na coluna da Folha desta terça (30) que o PT pretende dar a Fernando Haddad, depois das eleições, a presidência da Fundação Perseu Abramo, para que ele continue "estabelecendo diálogo com legendas internacionais de esquerda e também viajando pelo Brasil."  Ao que tudo indica, a pretensão do PT é deixar Haddad livre de cargos burocráticos, mas com condições de liderar a oposição ao futuro governo Bolsonaro.

A reportagem foi publicada por GGN, 30-10-2018.

A publicação despertou críticas por parte do cientista político Aldo Fornazieri, que entende que este papel colocaria Haddad numa posição "subalterna", quando o petista conseguiu tirar das urnas 45 milhões de votos e, dessa forma, fez por merecer um papel de destaque e com condições de "renovar" o PT. Na visão de Fornazieri, que também é colunista do GGN, "o único cargo compatível a essa votação e com essa projeção é a presidência do PT. Espera-se que o PT tenha a sensibilidade para entender essa realidade. O PT precisa passar por uma renovação necessária."

Presidir a Fundação Perseu Abramo, na visão do analista, "se trata de uma piada, de conversa para boi dormir. Haddad seria um subalterno de um subalterno, algo incompatível com a votação que ele teve e com a projeção nacional que ele teve."

"Se não derem a presidência do PT, Haddad precisa ver outro lugar para fazer política e ser o líder de fato. Na situação de Haddad, aplica-se a regra de Júlio César: é preferível ser o primeiro nas Gálias do que ser o segundo em Roma. (Claro, depois Júlio César atravessou o Rubicão com suas legiões e tomou Roma)", publicou no Facebook.

A posição do PT sobre Haddad

Nesta terça (30), durante uma coletiva de imprensa para fazer um balanço das eleições do ponto de vista do PT, a presidente nacional Gleisi Hoffmann disse que Haddad "no nosso entender, tem papel relevante [depois do pleito], tem papel maior que o PT, porque ele sai depositário da esperança do povo na luta pela democracia."

A senadora, eleita deputada federal pelo Paraná, não deixou claro qual será o cargo a ser assumido por Haddad daqui em diante, mas informou que a ideia é que ele seja um "articulador" de uma frente ampla de resistência ao governo Bolsonaro.

Haddad estaria liberado de um posto burocrático, mas seria ungido o "líder da oposição" a Bolsonaro pelo PT, informou a Folha de S. Paulo em reportagem sobre reunião entre os membros da direção da legenda, na manhã de hoje.

"O PT dará todas as condições para que Haddad seja o articulador com outras lideranças e partidos para consolidar a frente de resistência", resumiu Gleisi.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Haddad deveria "presidir e renovar o PT", mas partido define papel de "articulador" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV