Com Bolsonaro, Brasil perde atratividade para a Europa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino de Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS
  • O terremoto de Bergoglio. A Secretaria de Estado fica sem carteira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Outubro 2018

O presidente eleito quer pôr ordem no Brasil e reposicionar o país no mundo. Isso pode prejudicar duramente as relações com outros países, incluindo a Alemanha, escreve Alexander Busch, jornalista, em artigo publicado por Deutsche Welle, 29-10-2018.

Eis o artigo.

Os brasileiros elegeram, com clara maioria, um populista de direita que não só quer "pôr ordem" no Brasil. Ele também quer reposicionar o – tanto política como economicamente – mais importante país da América do Sul no mundo. Com ele no governo, o Brasil poderá deixar o Acordo de Paris.

Ele também já falou sobre sair da ONU, e a relação com a China deverá ser reavaliada. Claro que se pode minimizar tudo isso e esperar que nenhum desses planos seja realmente posto em prática. Por exemplo se explicarem para Jair Bolsonaro qual é o preço do isolamento internacional.

Nos seus quase 30 anos de baixo clero no Congresso, Bolsonaro se destacou sobretudo com vulgaridades homofóbicas, racistas e misóginas e conseguiu aprovar apenas dois projetos de lei.

Certamente nem todos os 58 milhões de brasileiros que votaram nele são saudosos da ditadura militar que consideram a tortura legítima e querem armar a população. Muitos brasileiros votaram nele porque consideram o PT e o ex-presidente que está preso em Curitiba como o grande mal do Brasil.

Mas também é verdade que Bolsonaro, assim como Trump nos Estados Unidos, capturou a extremamente elevada insatisfação dos brasileiros com os políticos e com os governantes em geral e a potencializou. Nas últimas semanas da campanha, ele seguidamente testou os limites do Estado de Direito.

Em pouco tempo, declarações contrárias à democracia e aos direitos humanos se tornaram aceitáveis no Brasil. Se elas vão virar prática política ainda não se sabe. É muito provável, porém, que a sociedade brasileira vá experimentar uma clara guinada para a direita.

Com a eleição de Bolsonaro, dificilmente o Brasil poderá atuar como uma das potências moderadoras no cenário internacional, que no passado soube resolver imbróglios no comércio internacional ou nas negociações climáticas. O Brasil que Bolsonaro desenhou na campanha eleitoral – e pelo qual muitos brasileiros o elegeram – ficaria em algum lugar entre a Indonésia e a Turquia num ranking internacional de democracias.

Para a União Europeia e sobretudo para a Alemanha, o Brasil perdeu muito em atratividade como parceiro.

O Brasil é um dos principais parceiros internacionais da Alemanha, e em 2015 os dois países se encontraram nas consultações intergovernamentais de alto nível. Esse diálogo está agora sob uma outra perspectiva. Mas é importante lembrar que o acordo é entre dois Estados, não entre dois chefes de governo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Com Bolsonaro, Brasil perde atratividade para a Europa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV