EUA. Presidente da Conferência dos Bispos Cardeal DiNardo quer audiência papal sobre crise de abusos

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Maria Madalena, a primeira testemunha da Ressurreição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Agosto 2018

O presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA disse estar "ansioso por uma audiência" com o Papa Francisco para obter seu apoio ao plano dos bispos de responder à crise dos abusos sexuais do clero.

A reportagem é publicada por Catholic News Service, 27-08-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Em uma declaração no dia 27 de agosto, o cardeal Daniel DiNardo, de Galveston-Houston, disse que as perguntas levantadas pelo arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio dos Estados Unidos, em uma carta publicada por dois meios de comunicação católicos, "merecem respostas conclusivas e baseadas em evidência".

"Sem essas respostas, homens inocentes podem ser contaminados por falsas acusações e os culpados podem ser deixados para repetir os pecados do passado", disse o cardeal.

Na sua carta de 11 páginas, publicada em 26 de agosto, Viganò acusou autoridades da Igreja, incluindo o papa Francisco, de deixar de atuar em acusações de abuso de consciência e poder do então arcebispo Theodore McCarrick. Viganò afirmou que ele contou ao papa Francisco sobre McCarrick em 2013.

Viganò, que serviu como núncio nos Estados Unidos de 2011 a 2016, escreveu que foi obrigado a escrever seu conhecimento sobre os erros de McCarrick porque "a corrupção alcançou o topo da hierarquia da igreja".

Em sua declaração, DiNardo reiterou o apelo de 16 de agosto para uma visitação apostólica, trabalhando com uma comissão nacional leiga de autoridade, para investigar as "muitas questões que cercam o arcebispo McCarrick".

Ele também disse que convocou membros do Comitê Executivo da Conferência dos Bispos dos EUA em 26 de agosto e que eles "reafirmaram o apelo para um exame rápido e completo de como as graves falhas morais de um irmão bispo poderiam ter sido toleradas por tanto tempo e não provaram nenhum impedimento o seu avanço."

O plano anteriormente delineado por DiNardo também exigia propostas detalhadas para facilitar a comunicação de abuso e má conduta pelos bispos e melhorar os procedimentos para a resolução de reclamações contra os bispos.

DiNardo novamente pediu desculpas pelos abusos a sobreviventes e suas famílias. "Vocês não estão mais sozinhos", disse ele.

A declaração explicou como desde 2002 a equipe profissionalmente treinada trabalhou com a igreja dos EUA para apoiar os sobreviventes e prevenir futuros abusos. Ele apontou para as medidas que a igreja estabeleceu em resposta a abusos incluindo a política de tolerância zero em relação ao abuso clerical: treinamento em ambiente seguro em escritórios diocesanos, paróquias e escolas, verificação de antecedentes para obreiros e voluntários que trabalham com crianças, coordenadores de assistência às vítimas, notificação imediata às autoridades civis e conselhos de revisão leigos diocesanos.

"De outras formas, nós falhamos com vocês. Isto é especialmente real para os adultos assediados sexualmente por aqueles em posições de poder, e por qualquer abuso ou assédio perpetuado por um bispo", disse DiNardo.

"Faremos melhor. Quanto mais ela for atingida por tempestades, mais me lembro de que o firme alicerce da igreja é Jesus Cristo. Os fracassos dos homens não podem diminuir a luz do Evangelho."

Leia a declaração do Cardeal Daniel DiNardo.

"Em comunhão com o Santo Padre, eu me uno ao Comitê Executivo da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, sigla em inglês) para assumir sua exortação sobre esta ferida aberta [de abusos] que nos desafia a sermos firmes e decisivos na busca de verdade e justiça.

"No dia 1º de agosto, prometi que a USCCB exerceria toda a sua autoridade, e advogaria perante aqueles com maior autoridade, para prosseguir com as muitas questões em torno do Arcebispo McCarrick. Em 16 de agosto, convidei para uma Visitação Apostólica, trabalhando em cooperação com uma comissão nacional leiga, à qual foi concedida autoridade independente, para buscar a verdade. Ontem, convoquei novamente o nosso Comitê Executivo, e reafirmei o apelo para um exame rápido e completo de como as graves falhas morais de um irmão bispo poderiam ter sido toleradas por tanto tempo e não provaram nenhum impedimento o seu avanço.

"A recente carta do Arcebispo Carlo Maria Viganò traz um foco particular e urgência para este exame. As questões levantadas merecem respostas conclusivas e baseadas em evidência. Sem essas respostas, homens inocentes podem ser contaminados por falsas acusações e os culpados podem ser deixados para repetir os pecados do passado.

"Estou ansioso por uma audiência com o Santo Padre para obter seu apoio ao nosso plano de ação. Esse plano inclui propostas mais detalhadas para: buscar essas respostas, facilitar a comunicação de abusos e má conduta pelos bispos e melhorar os procedimentos para resolver reclamações. Inspirado por sua recente carta ao povo de Deus e seu motu proprio de dois anos atrás, Como um Mãe Amorosa, estou confiante de que o Papa Francisco compartilha nosso desejo de maior eficácia e transparência em relação a disciplina dos bispos. Nós reafirmamos nossa afeição fraterna pelo Santo Padre nestes dias difíceis.

"Para os sobreviventes de abuso e as famílias que perderam um ente querido pelos abusos, sinto muito. Vocês não estão mais sozinhos. Desde 2002, centenas de profissionais treinados em todo o país têm trabalhado com a Igreja para apoiar os sobreviventes e prevenir futuros abusos. Em todo o país, a Igreja tem uma política de tolerância zero em relação a padres e diáconos que abusam, treinamento para um ambiente seguro, verificação de antecedentes para os que trabalham com crianças, coordenadores de assistência às vítimas, notificação imediata às autoridades civis e conselhos leigos de revisão nas dioceses.

"De outras formas, nós falhamos com vocês. Isto é especialmente real para os adultos assediados sexualmente por aqueles em posições de poder, e por qualquer abuso ou assédio perpetuado por um bispo. Faremos melhor. Quanto mais ela for atingida por tempestades, mais me lembro de que o firme alicerce da igreja é Jesus Cristo. Os fracassos dos homens não podem diminuir a luz do Evangelho. Senhor, com a ajuda de sua misericórdia, mostre-nos o caminho da salvação."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA. Presidente da Conferência dos Bispos Cardeal DiNardo quer audiência papal sobre crise de abusos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV