Cardeal de Boston pede desculpas por processo que impediu que carta chegasse até ele

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Agosto 2018

O cardeal Sean O'Malley afirmou, no dia 20 de agosto, que assume total responsabilidade por procedimentos burocráticos que fizeram com que ele nunca fosse notificado da carta de junho de 2015 que foi enviada aos seus cuidados e abordava acusações de "abuso sexual/assédio/intimidação" do arcebispo Theodore McCarrick.

A informação foi publicada por Catholic News Service, 21-08-2018. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

A carta foi enviada para o Centro de Pastoral da Arquidiocese de Boston e endereçada a O'Malley, presidente da Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores.

O autor da carta era o padre Bonifácio Ramsey, pároco da Igreja de São José, em Yorkville, Nova York.

Na carta, ele descreve conversas com o reitor de um seminário de Nova Jersey sobre viagens que McCarrick, líder da arquidiocese de Newark, Nova Jersey, teria feito com os seminaristas para uma casa de praia. Ramsey também pediu que a carta fosse encaminhada para “o setor adequado do Vaticano” se o assunto não fosse de sua competência.

O'Malley disse que "tomou conhecimento" da carta de Ramsey por meio de reportagens sobre a carta publicadas em julho.

Agora que sabe o que a carta descreve sobre o arcebispo, o cardeal diz que é "muito difícil" entender como o nome de McCarrick foi ponderado para a nomeação de bispo quando foram levantadas dúvidas sobre sua "fidelidade à promessa de celibato", anos atrás.

"Peço desculpas ao padre Ramsey por não ter respondido de forma adequada e agradeço por seu esforço no sentido de chamar a minha atenção para suas preocupações a respeito do comportamento do arcebispo McCarrick", declarou. "Também peço perdão às pessoas cujas preocupações se refletiram na carta do padre Ramsey."

O'Malley explicou que seu secretário, o padre Robert Kickham, recebeu a carta em seu nome, "assim como acontece com grande parte das correspondências que chegam ao meu escritório no Centro de Pastoral”.

"A resposta de Kickham para o padre Ramsey mencionou que casos individuais como o que ele propunha para revisão fugiam à competência da comissão", disse o cardeal. "Consequentemente, a carta não chegou até mim.”

"Lembrando bem, agora está claro para o padre Kickham e para mim que eu deveria ter visto aquela carta justamente por fazer afirmações sobre o comportamento de um arcebispo na Igreja", acrescentou. "Eu assumo a responsabilidade pelos procedimentos adotados no meu escritório e também estou disposto a modificá-los com base nessa experiência."

O'Malley disse que as alegações sobre os "crimes sexuais" de McCarrick eram "desconhecidas até as últimas reportagens da mídia".

"Eu entendo que nem todo mundo vai aceitar esta resposta, devido ao modo como a Igreja quebrou a confiança do nosso povo", disse. "Minha esperança é que possamos recuperar a confiança e a fé de todos os católicos e da comunidade em virtude de nossas ações e responsabilização sobre a forma como respondemos a esta crise."

Ele acrescentou, ainda, que "o que torna tudo isso tão difícil de entender é que na minha experiência quando um padre está sendo avaliado para ser nomeado bispo, qualquer dúvida ou questão sobre sua fidelidade à promessa de celibato resultaria na remoção de seu nome das ponderações para ser nomeado bispo".

No início de agosto, Ramsey apresentou uma cópia da carta ao Catholic News Service, dizendo que levou "anos para escrever e enviá-la". Mas foi a segunda vez que ele tentou denunciar funcionários da Igreja por escrito.

Durante o período mencionado na carta, entre 1986 e 1996, ele diz que lecionava no Seminário Imaculada Conceição na Universidade de Seton Hall, em Nova Jersey. Ele escreve sobre relatos que ouviu falar sobre viagens de McCarrick para uma casa de praia de Nova Jersey, onde, com muitos seminaristas convidados para muito poucas camas, "diziam que o seminarista que ficava sem cama poderia compartilhar com o arcebispo".

"Algumas dessas histórias não chegaram a mim como meros boatos, mas foram contadas (a mim) por pessoas diretamente envolvidas", escreveu.

Em sua declaração, O'Malley disse que a Conferência dos Bispos Católicos dos EUA estava "ansiosa para entender como Theodore McCarrick foi nomeado bispo, arcebispo e cardeal. Precisamos ter certeza de que isso não vai acontecer novamente. É por isso que a Conferência dos Bispos está solicitando uma investigação da Santa Sé com a participação dos leigos.

Ele citou a declaração do Papa Francisco divulgada no dia 20 de agosto: "Peçamos perdão pelos pecados, nossos e dos outros. A consciência do pecado nos ajuda a reconhecer os erros, delitos e feridas geradas no passado e permite nos abrir e nos comprometer mais com o presente num caminho de conversão renovada.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal de Boston pede desculpas por processo que impediu que carta chegasse até ele - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV