EUA. Cardeal Wuerl propõe painel nacional para investigar denúncias contra bispos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Agosto 2018

O cardeal de Washington, Donald Wuerl, propôs que a Conferência Nacional dos Bispos dos EUA criasse um novo painel para receber e avaliar quaisquer alegações ou rumores de má conduta sexual por parte de um de seus membros bispos.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada por National Catholic Reporter, 06-08-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Em uma entrevista ao NCR focada em como a Igreja americana deveria abordar questões sistêmicas mais amplas levantadas pelas revelações de abuso sexual cometido por seu antecessor, o agora ex-cardeal Theodore McCarrick, Wuerl também sugeriu que o Vaticano pudesse designar um de seus dicastérios para agir de acordo com as conclusões do painel proposto.

Embora Wuerl tenha dito que não estivesse pessoalmente ciente dos rumores sobre o suposto abuso de jovens por McCarrick durante o tempo do ex-cardeal como padre e bispo, ele admitiu que agora outros relataram anteriormente a existência de tais rumores.

"Se houve [rumores], e se as pessoas os ouviram, é preciso que exista algum mecanismo pelo qual possa haver pelo menos uma avaliação e revisão deles", disse Wuerl falando por telefone.

"Eu acho que é muito importante que nós... enquanto bispos, que entremos nesse mundo e digamos: 'Se há um acúmulo de rumores, algo não deveria ser dito?'", continuou o cardeal.

"Nós teríamos algum tipo de painel, um conselho de bispos... onde nós nos encarregaríamos disso por nós mesmos, ou um número de bispos seria delegado para perguntar sobre esses rumores", sugeriu ele.

"Parece-me que é uma possibilidade, que haveria algum caminho para os bispos, e isso significaria trabalhar através de nossa Conferência ... para poder abordar a questão dos rumores fundamentados", disse o cardeal de Washington.

A entrevista de Wuerl foi no dia 05 de agosto, oito dias depois que McCarrick renunciou seu lugar no Colégio Cardinalício, o grupo mais seleto e poderoso da Igreja Católica.

McCarrick, arcebispo de Washington de 2000 até sua substituição por Wuerl em 2006, foi um dos líderes mais conhecidos e influentes da Igreja dos EUA no último quarto de século, servindo como conselheiro de papas e presidentes. Antes de vir para a capital, havia sido padre em Nova York e liderou as comunidades católicas em Metuchen e Newark, no estado de Nova Jersey.

Mas em uma série de anúncios chocantes no mês passado, as arquidioceses de Nova York, Newark, Washington e a diocese de Metuchen revelaram que McCarrick havia sido ordenado pelo Vaticano a renunciar ao ministério ativo depois que uma alegação de abuso sexual de um menor foi considerada "credível e fundamentada".

Mais detalhes sobre o abuso de jovens pelo arcebispo aposentado ao longo de décadas surgiram em reportagens subsequentes, que incluíram revelações de má conduta sexual com dois seminaristas em Metuchen nos anos 80, que resultaram em acordos financeiros. Outro relatório revelou 20 anos de abuso a um menino que começou quando a criança tinha 11 anos de idade.

Wuerl disse que o painel de bispos proposto poderia transmitir quaisquer descobertas feitas sobre um bispo acusado ao embaixador da Santa Sé nos EUA, formalmente conhecido como núncio apostólico, que poderia então encaminhar as descobertas para consideração por parte de um dos dois escritórios do Vaticano.

"Não fazemos julgamento", disse Wuerl sobre a Conferência dos Bispos dos EUA. "Isso tem que ir para Roma. Então, me parece ter que haver algum mecanismo na Congregação para a Doutrina da Fé ou na Congregação para os Bispos para avaliar qualquer preocupação que uma conferência de bispos possa ter sobre um de seus membros."

Ao levantar a ideia de um novo painel para avaliar as alegações ou rumores contra os bispos, Wuerl disse que estava respondendo a uma declaração de 1º de agosto do cardeal Daniel DiNardo, da Galveston-Houston, presidente da conferência dos bispos dos EUA.

DiNardo anunciou na declaração que a conferência usaria sua reunião anual de novembro, em parte, para discernir "o curso correto de ação" para o órgão nacional após as revelações do abuso de McCarrick.

"Eu não acho que podemos apenas ir em novembro e dizer: 'Bem, vamos falar sobre esse pessoal. O que vocês acham que devemos fazer?'", Disse Wuerl. "Acho que precisamos começar agora mesmo a responder ao convite do Cardeal para oferecer ideias."

"Precisamos agir em antecipação, para que, quando chegarmos a novembro ... participemos dessa reunião com muito trabalho já feito e muitos testes de ideias já em vigor", disse o cardeal.

As revelações da má conduta de McCarrick destacaram o fracasso das políticas adotadas pela conferência dos bispos dos EUA, após o escândalo de abuso de clero de 2002 em Boston, em abordar como os bispos que abusam de crianças são investigados.

A Carta para a Proteção das Criança e Jovem, que aborda o abuso de padres, diáconos e outros religiosos, não especifica como os bispos que foram considerados culpados de abuso poderiam ser penalizados.

Em uma reflexão pastoral de 03 de agosto, Wuerl observou que uma "Declaração de Compromisso Episcopal" emitida juntamente com a Carta pedia aos bispos que denunciassem alegações de abuso contra eles ou outros bispos ao núncio apostólico. Mas ele também sugeriu que pode haver necessidade de "um mecanismo mais efetivo para garantir maior responsabilidade entre nós mesmos".

"Estamos em um momento em que o choque, pois há o envolvimento de um bispo, nos impele a fazer agora no nível do episcopado o que fizemos com sucesso no nível do sacerdócio", disse o cardeal na entrevista.

"A Carta está funcionando", disse Wuerl. "E os casos de abuso infantil diminuíram drasticamente, mas ainda mais importante, a completa proteção das crianças dentro de nossas instituições católicas manifestou um compromisso maravilhoso de nossa parte. Precisamos ser capazes de fazer a mesma coisa agora para os bispos."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA. Cardeal Wuerl propõe painel nacional para investigar denúncias contra bispos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV