Modo de consumo urbano de alimentos pode ajudar a reduzir as emissões de carbono

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS
  • Papa Francisco quer incluir 'pecado ecológico' na doutrina oficial da Igreja, após Sínodo da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Maio 2018

Muitas cidades e estados dos EUA estão procurando maneiras de reduzir as emissões de gases do efeito estufa, incluindo programas de limite e comércio, regulamentações de eficiência de edifícios e impulsionando o transporte público e fontes de energia renovável. Agora cientistas relatam na ACS Environmental Science & Technology medidas adicionais que as cidades poderiam tomar para reduzir ainda mais sua pegada de carbono: combatendo as emissões relacionadas ao consumo de alimentos e resíduos.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 04-05-2018. A tradução e edição é de Henrique Cortez.

De acordo com estudos anteriores, alimentar populações urbanas – desde produzir alimentos para transportá-las, refrigerar e cozinhar refeições e, finalmente, descartar as sobras – é responsável por 20 a 30% das emissões globais de gases de efeito estufa. Essa grande contribuição torna o sistema alimentar um alvo primordial, quando pesquisadores e formuladores de políticas estão procurando maneiras de reduzir as pegadas de carbono das cidades. As conversas em torno desta ideia se concentraram principalmente no lado da produção agrícola da equação. Mas Eugene Mohareb e seus colegas queriam ver o que aconteceria se reformulassem a questão do ponto de vista do consumo urbano.

Com base em uma revisão das emissões relacionadas à dieta conduzida por um dos membros da equipe, os pesquisadores reuniram dados de várias fontes para estimar as emissões relacionadas a diferentes componentes do sistema alimentar dos EUA, incluindo métodos de transporte, processamento e disposição de resíduos. Eles então estimaram como as mudanças nas práticas específicas de consumo urbano poderiam reduzir essas emissões.

Curiosamente, eles descobriram que o aumento da agricultura urbana, ocupando metade das terras desocupadas nas cidades, reduziria as emissões relacionadas a alimentos em apenas 1%. Mas a mudança da eletricidade baseada em combustíveis fósseis para fontes de energia livres de carbono reduziria as emissões relacionadas a alimentos em pelo menos 18%; Reduzir pela metade o desperdício de alimentos no varejo e no consumidor diminuiria as emissões em 11%;

Referência

Cities’ Role in Mitigating United States Food System Greenhouse Gas Emissions Eugene A. Mohareb, Martin C. Heller, and Peter M. Guthrie Environmental Science & Technology Article ASAP. DOI: 10.1021/acs.est.7b02600

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Modo de consumo urbano de alimentos pode ajudar a reduzir as emissões de carbono - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV