O Poder, o Estado Moderno e a Teologia

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Rafael Francisco Hiller | 24 Abril 2018

O método genealógico concebido por Nietzsche e revisitado por Agamben e Foucault foi e continua sendo central para as pesquisas que almejam entender o fenômeno social enquanto uma grande “estrutura complexa”. Podemos, de forma analógica, dizer que tal “estrutura” possui pontos de intersecção que são fundamentais para a manutenção da mesma, ou seja, sem eles ocorreria um colapso deste sistema. Tanto para Agamben como para Foucault o ponto de intersecção mantenedor do fenômeno social (“estrutura complexa”) é o poder.

Agamben defende a ideia de que os paradigmas políticos são fortemente influenciados por paradigmas derivados da teologia Cristã, sendo assim, dogmas teológicos como da doutrina da trindade, bem como suas inerentes discussões a respeito do conceito de oikonomia encontram-se fortemente vinculados com o governo dos homens e das coisas (oikonomia e biopolítica) tão presente no Estado moderno.

O fato a ser destacado é que todos esses “imaginários” teológicos teriam sido cooptados pela máquina governamental do ocidente, implementando, desta forma, um Estado com características providenciais. Assim, toda e qualquer concepção de Estado ocidental é permeada, em seu “âmago”, por conceitos teológicos que acabam por reger tanto seus meios de atuação como seus fins almejados.

Para o pensar do Estado moderno exige-se um retorno aos conceitos teológicos que moldaram e ainda moldam todos os paradigmas políticos vigentes. Só um retorno à origem destas concepções é que nos permitirá um entendimento lúcido da estrutura político-social que nos cerca.

Osiel Lourenço de Carvalho, no Cadernos IHU Ideias número 269, "apresenta as reflexões de Agamben em O Reino e a Glória, articuladas com o funcionamento das técnicas de governo. Além disso, afirma que, "ao se apropriar do teológico, a máquina governamental do Ocidente perverteu o conceito da política. As consequências da referida apropriação viriam a ser a plena efetivação do estado de permanente exceção e a biopolítica". 

 O texto está organizado da seguinte forma:

1. Genealogia do Estado moderno

2. Paradigma teológico e econômico

3. o governo dos homens 

4. A economia das Almas

5- A cidade celeste e a terrestre

6- Perversão e o estado de permanente exceção 

7- Perversão e a (bio)política 

8- Considerações finais

 

Osiel Lourenço de Carvalho, Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo. Área de concentração Linguagens da Religião - linha de pesquisa Teologia das Religiões e Cultura. Mestrado em Teologia na Est - Escola Superior de Teologia. Possui bacharelado em Teologia e Licenciatura Plena em História. É professor e pesquisador da Faculdade Refidim (Joinville. Tem experiência nas áreas de educação à distância, ciências da religião, história e teologia com ênfase nos seguintes temas: Pentecostalismos; Religião e Política; Teologia e o Estado Moderno.

Para Acessar o Texto: Clique aqui

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Poder, o Estado Moderno e a Teologia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV