O delírio tecnocrático

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • As trapaças do gozo individual

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Abril 2018

"Estamos longe das oposições binárias entre modernidade e tradição, secularismo e clericalismo, democracia e totalitarismo, oposições amplamente focalizadas pelos meios de comunicação. As revoluções tecnológicas e antropológicas contemporâneas (especialmente as manipulações genéticas) tornam possível uma transgressão de natureza completamente diferente: a que acaba desconstruindo o princípio genealógico que funda a humanidade do homem. Essas inovações pretendem tornar o homem o senhor e criador de si mesmo. Elas têm por finalidade apagar sua dívida com a tradição e a transmissão da humanidade aprendida", escreve Jean-Claude Guillebaud, jornalista, escritor e ensaísta, em artigo publicado por La Vie, 08-03-2018. A tradução é de André Langer.

Segundo ele, "uma formidável “descivilização” torna-se imaginável. Para evocar esse tipo de perigo, Julia Kristeva escreveu que “a gestão técnica da espécie humana” nada mais é do que a outra face do obscurantismo".

Eis o artigo.

Uma confidência: na década de 2000, eu li com atenção e fiz anotações sobre os livros do grande jurista e psicanalista Pierre Legendre. Aprendi muito com suas reflexões, às vezes difíceis, mas que valem o esforço. Hoje, estou impressionado com o quanto o seu pensamento era clarividente, até mesmo profético.

Para Legendre, o pano de fundo romano-judaico-cristão (e grego), que no final do século XVI deu o impulso necessário a essa longa sequência ocidental, degradou-se em um “gerenciamento generalizado”, cujo conteúdo cultural é quase nulo. Em sua pressa utilitarista, o chamado “gerenciamento generalizado” livrou-se das principais questões, entre as quais está a seguinte: o que faz o homem manter-se em sua humanidade? Nós somos assim “confrontados com o risco do irreparável: a quebra dos dispositivos que mantêm o sujeito humanizado”. Na realidade, podemos falar em delírio tecnocrático.

As novas recusas que fazem emergir em todas as partes do mundo a perspectiva de tal “ruptura” – e da qual os fundamentalismos terroristas são a expressão máxima – estão testemunhando um temível endurecimento planetário. “A economia tornou-se a nova e única razão de viver”. Estamos muito além dos confrontos religiosos e confessionais. Sob a frivolidade da mensagem gerencial, consumista, propagandística e distraidora, Legendre acredita poder distinguir um novo perigo: desta vez, o obscurantismo estaria emanando do “Centro”, isto é, do Ocidente.

Estamos longe das oposições binárias entre modernidade e tradição, secularismo e clericalismo, democracia e totalitarismo, oposições amplamente focalizadas pelos meios de comunicação. As revoluções tecnológicas e antropológicas contemporâneas (especialmente as manipulações genéticas) tornam possível uma transgressão de natureza completamente diferente: a que acaba desconstruindo o princípio genealógico que funda a humanidade do homem. Essas inovações pretendem tornar o homem o senhor e criador de si mesmo. Elas têm por finalidade apagar sua dívida com a tradição e a transmissão da humanidade aprendida.

Para Legendre, qualquer definição do ser humano é baseada em um sistema de ficções e discursos moldados pelo direito e pelas instituições. Essas ficções são transmitidas, à imagem da linguagem, e permitem instituir a humanidade em sua diferença com a animalidade. Nós sempre herdamos uma humanidade estabelecida especialmente pelo direito. Em base a esse feixe de luz escura que o Ocidente agora emite, Legendre fala do “colapso do arcabouço normativo”. Agora, esse arcabouço que é imprudentemente realizado para desmontar é “a casa da humanidade”. Hoje, ninguém sabe o preço que teremos que pagar por essa devastação acelerada da própria sociedade.

À sua maneira, Legendre descreve o duplo fenômeno da dessimbolização e da dissociação que age profundamente em nossas sociedades desenvolvidas. Uma formidável “descivilização” torna-se imaginável. Para evocar esse tipo de perigo, Julia Kristeva escreveu que “a gestão técnica da espécie humana” nada mais é do que a outra face do obscurantismo. No momento em que estamos nos preparando para revisar as chamadas leis “bioéticas”, tomara que nos lembremos das advertências de Legendre.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O delírio tecnocrático - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV