"A inteligência artificial nos obriga a nos comportarmos como máquinas". Entrevista com Jean-Michel Besnier

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Mantido o ritmo atual, Brasil levará 200 anos para levar ensino médio a todos os jovens, mostra pesquisa

    LER MAIS
  • 'Sobram evidências de que o governo está do lado de quem explora o trabalho escravo e não de quem é explorado'

    LER MAIS
  • Para fiscal, só falta dizer que é preciso ter correntes para definir trabalho escravo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

15 Fevereiro 2017

Na França, muitos analistas e políticos elogiaram o desempenho da "French Tech" nesta área. O filósofo Jean-Michel Besnier, no entanto, teme que nós admitamos restringir a nossa humanidade, permitindo que a inteligência artificial penetre em todos os espaços.

Jean-Michel Besnier é filósofo e doutor em Ciências Políticas. Ele é professor de filosofia na Universidade de Paris IV – Sorbonne e autor, entre outros, do livro L’Homme simplifié. Le syndrome de la touche etoile (Fayard, 2012).

A entrevista é de Yoann Labroux-Satabin, publicada por La Vie, 12-01-2017. A tradução é de André Langer.

Eis a entrevista.

O fantasma da inteligência artificial remonta à Antiguidade e ao mito do escultor Pigmalião, que deu vida a uma estátua. Como ela evoluiu?

Nós nem sempre tivemos a mesma concepção de inteligência. Durante muito tempo, a inteligência era considerada uma faculdade da alma, o privilégio de seres humanos. Criar uma inteligência artificial significava, portanto, animar uma máquina no sentido próprio da palavra, isto é, insuflar-lhe uma alma. Necessitava-se de algo que provocasse isso, luz ou eletricidade. Pensemos no Frankenstein. No século XVIII, Julien Offray de La Mettrie questiona a distinção cartesiana entre corpo e alma, e faz a seguinte pergunta: por que não imaginar que a alma seja produto da matéria? Ele abre, assim, o caminho para a inteligência artificial como a compreendemos hoje, numa concepção materialista e não mais espiritualista. Os roboticistas já não procuram mais colocar os conhecimentos na cabeça dos robôs, como o deus de Descartes teria feito com as nossas almas, mas os tornam capazes de exercer funções sensório-motoras básicas que eles poderão, na sequência, complexificar, tornando-se ainda mais inteligentes.

A inteligência artificial mudou a representação que o ser humano tem de si mesmo?

Eu penso que sim, e mais no sentido de uma simplificação. Na época de Descartes pensava-se a inteligência em termos de conteúdo, com conhecimentos e ideias. A inteligência artificial dessubstancializou este conteúdo e acabou definindo a inteligência em termos de operações. No entanto, a inteligência não pode se limitar à resolução de problemas. Ela abrange diversas modalidades: auditiva, verbal, musical, comportamental, etc. É a teoria das inteligências múltiplas do psicólogo Howard Gardner.

A inteligência artificial não representa também uma oportunidade para o ser humano, permitindo-lhe que se liberte das contingências materiais?

Se quiséssemos nos limitar a considerar as nossas máquinas como meras ferramentas, poderíamos efetivamente pensar que a inteligência artificial estivesse a serviço da construção cultural, simbólica do humano. O recurso a um instrumento permanece opcional. Mas o problema com toda tecnologia é que ela quer ser hegemônica. E a alienação começa assim que começamos a perder a iniciativa. A inteligência artificial quer estar em todos os lugares, e, portanto, nos obrigar a interagir com ela: a escolha de recorrer ou não a um instrumento desapareceu. Por isso, somos forçados a nos comportar como máquinas. Chamei isso em um livro de “síndrome da tecla asterisco” (L’Homme simplifié). Somos forçados a responder às injunções abstratas e, portanto, não somos mais considerados seres inteligentes. Um neurobiólogo vai explicar isso dizendo que a interação com a máquina ativa as mesmas áreas do cérebro que a realização dos automatismos. A inteligência artificial em ação na internet produz o mesmo efeito: os buscadores e seus algoritmos levam você de um link a outro e afastam-no da reflexão. Nós não lemos mais, fazemos uma varredura, transformados em scanners.

A nossa relação com a memória foi transformada pela inteligência artificial?

Estas tecnologias têm o efeito de terceirizar a nossa memória. Esta estende, sem dúvida, assim como se enfraquece. A memória é propriamente humanizante, motivo pelo qual ela requer um processo de reflexão, de elaboração. Mas as máquinas nos dispensam de refletir e nos obrigam a reagir, mastigando o trabalho para nós e tornando desnecessário todo processo de pensamento profundo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - "A inteligência artificial nos obriga a nos comportarmos como máquinas". Entrevista com Jean-Michel Besnier