Byung-Chul Han. Ensaísta feroz

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Abril 2018

Agudos, profundos e com uma ponte de arrogância, ensaios de filósofo coreano fornecem chaves para compreender o nosso tempo.

O comentário é de Paula Sibilia, publicado por Revista Quatro cinco um, nº. 10, abril de 2018. 

Paula Sibilia é antropóloga, ensaísta e pesquisadora argentina residente no Rio de Janeiro, dedica-se ao estudo de diversos temas culturais contemporâneos sob a perspectiva genealógica, contemplando particularmente as relações entre corpos, subjetividades, tecnologias e manifestações midiáticas ou artísticas. Também é mestre em Comunicação (UFF), doutora em Saúde Coletiva (IMS-UERJ) e em Comunicação e Cultura (ECO-UFRJ), e professora na  Universidade Federal Fluminense (UFF).

Eis o artigo. 

Agudo decifrador das calamidades do presente, Byung-Chul Han é também, ele próprio, um fenômeno de nossa época. O autor dos dois livros aqui resenhados não se parece com o clássico intelectual europeu, tampou­co com o acadêmico que profere seus saberes desde o púlpito de uma renomada universidade estadunidense. A sua peculiaridade, contudo, não se restringe ao exotismo de ser asiático e ter um nome impronunciável para boa parte dos ocidentais, mas se concentra sobretudo no seu estilo inconfundível e – em vários sentidos – absolutamente contemporâneo.

Nascido em Seul, em 1959, Han tinha pouco mais de vinte anos e es­tudava metalurgia quando resolveu emigrar para a Alemanha, onde se doutorou em 1994 com uma tese sobre Heidegger. Em seguida, fez uma carreira meteórica, passando pelas universidades de Base) e Karlsruhe, até que, em 2012, se estabeleceu como professor em Berlim. Desde então, assinou quase duas dezenas de livros, muitos dos quais tiveram enorme sucesso e chamaram a atenção de editoras do mundo inteiro, o que resultou em traduções para múltiplas línguas e uma inusitada repercussão global.

Byung-Chul Han. A Sociedade do cansaço.
Tradução de Enio Paulo Giachini
Vozes • 136 pp • R$ 24

A grande guinada aconteceu com A sociedade do cansaço, de 2010, um dos títulos agora publicados em português, assim como A sociedade da transparência, cuja edição original data de 2012. Outros ensaios lançados por Han nos últimos anos foram Topologia da violência (2011), No enxame: reflexões sobre o digital (2013), A agonia de Eros (2014), Psicopolítica (2014), A salvação do belo (2015) e A expulsão do diferente (2016).

São muitas as características comuns a todas essas obras, a começar pela temática: o foco sempre recai sobre certas mazelas demasiadamente contemporâneas. Por exemplo, o fastio do burburinho nas redes sociais; a ilusão de autonomia profissional camuflando uma "autoexploração" cada vez mais depressiva pelo bom desempenho; a falta de tempo para a contemplação e a reflexão na correria consumista; a dificuldade para se relacionar com os outros numa sociedade marcada pelo narcisismo.

Violência da positividade

"Vivemos numa época pobre de negatividade", eis um dos principais argumentos de A sociedade do cansaço. Isso não teria impedido, porém, o desenvolvimento de formas peculiares ele violência, mais sutis e invisíveis, próprias de "uma sociedade permissiva e pacificada". Assim, contrariamente ao que ocorria algum tempo atrás, essa violência ela positividade que hoje impera "não é privativa, mas saturante; não excludente, mas exaustiva". Sob lemas como o famoso "Yes, we can", ao qual poderíamos acrescentar outros como "just do it" ou "porque eu mereço", Byung-Chul Han parece acer­tar em cheio: "No lugar de proibição, mandamento ou lei, entram projeto, iniciativa e motivação".

Todo esse estímulo positivo, porém, cansa: "A sociedade do desempenho produz depressivos e fracassados". O paradoxo é complicado, pois, ao acreditarmos que nos libertamos de todas as opressões que vinham de fora, vemo-nos enredados em coações auto­destrutivas que são altamente eficientes, entre outros motivos "porque a vítima dessa violência imagina ser alguém livre".

Byung-Chul Han. A Sociedade da transparência.
Tradução de Enio Paulo Giachini
Vozes • 120 pp • R$ 20

Já em A sociedade da transparência, o autor arremete contra a mania de exposição que hoje também abunda, e que estaria igualmente afiliada a essa tola positividade sem sombras nem relevos. "Tudo deve tornar-se visível; imperativo da transparência coloca em suspeita tudo o que não se submete à visibilidade", constata. Quando a informação e a comunicação penetram por toda parte, sem deixar margem alguma ao mistério, destrói-se algo primordial para os relacionamentos humanos: a confiança. "A intensa exigência por transparência aponta precisamente para o fato de que o fundamento moral da sociedade se tornou frágil", após o declínio de valores outrora bastante prezados como a honestidade e a sinceridade. Assim, vivemos numa "sociedade da desconfiança e ela suspeita que, em virtude do desaparecimento da confiança, agarra-se ao controle".

Sem desconhecer a sagacidade nem a ousadia que emanam desses oportunos lampejos, também é necessário admitir que Han está longe ele ser o único ensaísta a oferecer uma visão descarnada e lúcida dos modos de vida mais habituais na atualidade. Inúmeros autores vêm se dedicando, há décadas, a estudar esses assuntos; alguns dos quais inclusive comparecem – de modo explícito ou implícito – nos textos de Han. Por isso, a chave de seu atípico sucesso provavelmente resida em outra parte: no formato em que ele se expressa, que sem dúvida é singular e vale a pena esmiuçar.

Todos os seus livros são pequenos e breves: poucas páginas, num tamanho que cabe no bolso – tanto por sua leveza como por seu preço – e uma apresentação gráfica convidativa, com letras grandes e reconfortantes espaços em branco. Os títulos seduzem pela contundência, são chamativos e eficazes por prometerem algo que de fato não escamoteiam: a tentação irresistível de um diagnóstico rápido e preciso sobre a confusa complexidade do mundo atual. Pontilhadas por vários subtítulos igualmente atraentes, as páginas fluem disparando frases ágeis e incisivas, por vezes extremamente assertivas, que parecem surgir do papel como rajadas de uma metralhadora.

A escrita de Byung-Chul Han não é particularmente bela, elaborada ou vigorosa. Sem se preocupar com as firulas da graça literária nem com a originalidade de uma voz própria no sentido estético, ele prioriza o impacto das agulhas que são expelidas uma após a outra, misturando alusões que remetem às vivências cotidianas com citações de prestigiados filósofos, artistas e cientistas sociais. Assim, fica sempre esboçada uma certa verdade sem fissuras ou atenuantes, que, embora costume ser terrível, não deixa de produzir um efeito "tranquilizador" no leitor ao providenciar uma compreensão total do quadro sob análise.

Ferocidade crítica

Nesse sentido, cabe destacar a sua afi­nidade não só teórica mas também estilística com Jean Baudrillard, o ensaísta francês que brilhou nos anos 80 e 90 com vários best-sellers sobre as transformações históricas que estavam ocorrendo naquela época. De fato, ele é um dos autores mais citados por Han, e também um dos que mais se salvam de sua ferocidade crítica.

Porque uma das marcas do ensaísta coreano é, precisamente, a curiosa relação que ele tece com seus inter­locutores ou referentes bibliográficos. Em muitos casos, talvez em virtude da celeridade do seu pensamento, conceitos alheios são mobilizados sem dar o devido crédito a seus autores; em várias ocasiões, porém, esse reconhecimento só se efetua para apontar os "erros" ou a insuficiência do trabalho dos outros; lacunas que ele, a seguir, se ocupa de ressarcir.

Giorgio Agamben, Alain Ehrenberg, Roberto Esposito, Richard Sennett e até Hannah Arendt e Michel Foucault, por exemplo, são acusados de serem "pouco convincentes" em algum ponto, de "não se darem conta" ou "não conseguirem captar" alguma coisa, de "tirarem conclusões equivocadas" ou terem "passado por alto" algo fundamental. Em seguida, ele se encarrega de "corrigir" esses deslizes. Assim, em vez de festejar a gloriosa possibilidade de pensar junto, agradecendo com generosidade e elegância as trocas polifônicas que sempre subjazem nessa atividade, aqui comparece um certo páthos competitivo e narcísico, que também não deixa de ser extremamente atual.

Poderia se tratar de· um detalhe menor, que revela uma arrogância mal contida ou uma mesquinharia gulosa sem maior importância, mas o problema é que muitas dessas acusações são injustas. Conta-se, portanto, com o desconhecimento cúmplice ou desatento do leitor, que não recorrerá às fontes para conferir essas supostas falhas dos autores alvejados e, na pressa, irá endossar as teses de quem cantou por último e supostamente melhor – ou gritando mais alto. Uma aposta que também parece mais alinhada com a dinâmica hoje triunfante das redes sociais, com seus códigos emprestados do espetáculo midiático e do mercado, do que com os velhos rituais da "cidade letrada".

O caso mais impressionante é o de Gilles Deleuze. Evidentemente, Han se apropria do conceito de "sociedade de controle" cunhado pelo filósofo francês em 1990, a ponto de usar essa expressão como título para o último dos nove capítulos de seu livro A sociedade da transparência. Contudo, não há menção alguma a esse trabalho ao longo dos dois livros aqui resenhados. A única ocasião em que o nome de Deleuze aparece referenciado é num rodapé do sexto capítulo de A sociedade do cansaço, dedicado ao Caso Bartleby, para ilustrar o que ele considera com desdém “uma das diversas Interpretações metafísicas ou tecnológicas” do célebre relato de Melville.

Quanto às contribuições do filósofo para as suas próprias teorias sobre a sociedade contemporânea, que são óbvias e sem dúvida muito fecundas, ele as despacha nas páginas iniciais desse mesmo livro com duas enigmá­ticas sentenças e sem sequer nomear o autor. "Também aquele conceito de 'sociedade de controle' não dá mais conta de explicar aquela mudança", garante Han, e em seguida proclama o singelo motivo: "Ele contém sempre ainda muita negatividade".

Byung-Chul Han já foi apelidado de "filósofo virai", por constituir um fenômeno raro entre os autores desse gênero, comparável, portanto a outros poucos colegas como Zygmunt Bauman ou Slavoj Zizek. Neste caso, po­rém, o mote parece ainda mais adequado, talvez por pertencer a uma geração mais recente e, nesse sentido, ter uma sintonia mais afinada com o espírito do século 21. O fato é que tan­to a sua figura como a sua obra são sintomáticas do panorama que ele mesmo descreve. Por isso, ao ler seus veredictos sobre as misérias da vida atual, às vezes tem-se a impressão de que o autor está também se referindo a seu próprio modo de pensar e escrever. "A complexidade retarda a velo­cidade da comunicação", assevera em A sociedade da transparência; por isso, "a hipercomunicação anestésica, para acelerar-se, reduz a complexidade".

Ler os livros de Han consiste, portanto, numa aventura vertiginosa, da qual é possível extrair muitas pistas valiosas para enxergar o presente e tentar intervir nele. Se seus textos sofrem do tal "excesso de positividade" que ele denuncia com tanto afinco – pois as suas afirmações são tão categóricas que repelem qualquer obstáculo ou vacilação –, isso pode até ser um valor agregado nessa travessia da leitura.

O vazio deixado pelas antigas certezas é, também, uma causa frequente de sofrimento na contemporaneidade, e as prateleiras estão cheias de soluções prontas para preencher essa ausência. Os livros fazem parte des­se arsenal, mas eles talvez sejam os remédios com efeitos colaterais mais imprevistos e perigosos de que dispomos, sobretudo para aqueles que gostam de sondar entrelinhas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Byung-Chul Han. Ensaísta feroz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV