Francisco em seu quinto ano: goste ou não dele, temos um papa relevante

Revista ihu on-line

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Mais Lidos

  • EUA. Teólogos e líderes leigos pedem renúncia em massa de bispos

    LER MAIS
  • Professor de Filosofia lança livro em que compara conceito de “mundo” para ocidentais e ameríndios

    LER MAIS
  • Supermercados desperdiçam R$ 3,9 bi em alimentos por ano, diz Abras

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Março 2018

"Embora todo papa seja extremamente relevante espiritual e teologicamente, Francisco é também surpreendentemente relevante na definição dos termos em debate dentro do catolicismo", escreve John L. Allen Jr., jornalista, em artigo publicado por Crux, 13-03-2018. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Eis o artigo.

Tentar avaliar um papa, assim como um presidente, primeiro-ministro, premier, é em geral um caminho direito para a subjetividade. Se julgamos ou não que um papa está fazendo um bom trabalho depende, em primeiro lugar, do que acreditamos que um papa deve fazer – e aqui as opiniões sempre abundam.

No momento em que o Papa Francisco marca o aniversário de cinco anos desde a sua eleição em 13-03-2013, as opiniões sobre o seu papado podem parecer um teste de Rorschach, por vezes dizendo mais sobre o observador do que sobre o pontífice observado.

Se, por exemplo, formos do tipo de católico convencido de que, num mundo confuso e turbulento, a qualidade mais importante que um papa deve apresentar é uma clareza doutrinal e moral, então Francisco pode não ir tão bem na avaliação. No entanto, para um católico que acredita que a Igreja se tornou rígida e ossificada demais antes da eleição do atual papa, estando excessivamente centrada num cânone estreito de temas morais contenciosos, então podemos vê-lo como um grande pontífice.

Se resolver os escândalos de abuso sexual clerical for o único teste de um trabalho papal eficaz, Francisco receberá uma avaliação; se a ênfase estiver na adesão dele à visão do Concílio Vaticano II (1962-1965), então receberá uma outra nota; e assim por diante, quase indefinidamente.

Em meio a cosmovisões e pautas as mais diversas, há algo que podemos dizer sobre o histórico de Francisco após cinco anos e que seja verdadeiramente objetivo? Talvez isto: ame ou odeie este papa, ele é inegavelmente relevante.

Francisco é culturalmente relevante numa diversidade surpreendente de lugares, onde o seu estilo e o seu discurso não convencionais, combinados com uma mensagem de misericórdia, continuam a atrair a atenção e comentários. Mesmo quando desafiado e sob fogo, Francisco continua sendo um ímã para a imprensa.

Francisco é também politicamente relevante, com os governos ao redor do mundo seguindo as suas prioridades de perto, e políticos de todas as estirpes buscando explorar o seu carisma em benefício próprio: mesmo se nem sempre for politicamente decisivo, como ilustra o sucesso de um partido contrário a imigrantes nas eleições nacionais italianas no começo do mês.

Finalmente, Francisco é eclesiasticamente relevante. Isso pode parecer estranho quando afirmado a respeito de um papa, já que “relevância” parece ser tomado como óbvio. No entanto, embora todo papa seja extremamente relevante espiritual e teologicamente, Francisco é também surpreendentemente relevante na definição dos termos em debate dentro do catolicismo.
Todo debate na Igreja, hoje, resume-se ao que alguém acha da liderança deste papa.

Essas avaliações não nos dizem automaticamente se Francisco está levando a Igreja para a direção certa, ou se está definindo as prioridades certas quanto ao engajamento com o mundo. Não indicam se o seu legado durará ou não, e também não determinam se um dia ele será lembrado como um santo – como o próprio pontífice recentemente previu de brincadeira, dizendo que ele e o Papa Emérito Bento XVI estão na “lista de espera” para uma eventual auréola.

Mesmo assim, o que estes índices de relevância sugerem é que, independentemente do que se julgue como certo ou errado neste papado, ele importa: importa para o mundo, importa para os líderes mundiais e importa para a Igreja que Francisco foi chamado a conduzir cinco anos atrás.

Relevância cultural

Nos EUA, o estudo mais recente do Centro de Pesquisas Pew (Pew Research Center) descobriu que 84% dos católicos americanos têm uma opinião favorável de Francisco, contra apenas 9% dos que o veem desfavoravelmente. É verdade: temos aqui um aumento significativo dos 4% auferidos em 2014 mas, ainda sim, o papa conta com um apoio esmagador entre as bases católicas americanas.

O citado estudo também sinalizou alguns pontos de desencanto, com uma parcela de americanos católicos que dizem que Francisco é “demasiado progressista” pulando 15 pontos percentuais entre 2015 e hoje, indo de 19% para 34%, e os que acreditam que ele é “ingênuo’ subiram de 15% para 24%, quase um quarto do número total.

Noutras partes do mundo onde a opinião pode ser cientificamente mensurada, o quadro é em geral o mesmo.

Uma pesquisa em nível mundial do WIN/Gallup International envolvendo 64 países descobriu que Francisco desfrutava de uma aprovação de 60%, tornando-o o líder mais admirado no mundo, à frente do presidente russo Putin, da chanceler alemã Angela Merkel e do então presidente americano Barack Obama. Entre os católicos ao redor do mundo, Francisco tinha uma avaliação 85% favorável, marcadamente próximo do número que a mais recente pesquisa do Centro Pew encontrou nos EUA.

Vida Nueva, importante publicação católica espanhola, conduziu recentemente a sua própria pesquisa de opinião e descobriu que 8 em cada 10 espanhóis dizem que sairiam para tomar uma cerveja com o Papa Francisco, o que dá a entender que a maior parte da população gosta dele.

Uma outra medida da relevância do papa é a sua presença nas mídias sociais. As suas nove contas no Twitter têm, hoje, juntas 42.6 milhões de seguidores, com a versão em inglês um pouco à frente da espanhola, com 17 milhões e 16.3 milhões, respectivamente.

Quando o Vaticano lançou em março de 2016 a conta de Francisco no Instagram, ele atraiu mais de um milhão de seguidores em apenas doze horas. Este número superou o recorde anterior, que era de David Beckham, que havia levado 24 horas para conseguir a mesma façanha.

Embora seja difícil obter dados empíricos sobre o volume de atenção em nível mundial dispensada a Francisco pela imprensa, a impressão que temos sugere que ele é facilmente um dos seres humanos mais presentes nela em suas publicações. Ironicamente, para um papa que frequentemente pede uma “descentralização salutar” na Igreja, não há nada de descentralização sobre a quem a imprensa recorre atualmente quando quer apresentar uma história católica – o foco recai quase exclusivamente sobre ele.

Estas últimas semanas sugerem que o longo caso de amor da imprensa com Francisco pode estar perdendo força, principalmente em consequência das críticas sobre o tratamento dele dispensado no caso de Dom Juan Barros, no Chile, e, de modo mais amplo, na resposta que deu aos escândalos de abuso sexual clerical. Grande parte disso dependerá de como Francisco vai lidar com as coisas a partir daqui, mas, por enquanto, ele continua sendo o assunto de uma constante, e amplamente positiva, cobertura.

Um recente editorial do jornal inglês Catholic Herald assim disse:

A enorme imagem do Papa Francisco na imprensa permitiu-lhe ter uma atenção como poucos papas antes dele. Quando faz escolhas, ele consegue fazer com que sua mensagem corra a uma intensidade que papas anteriores precisariam se esforçar para conseguir”.

Relevância política

No ranking anual da revista Forbes com as pessoas mais poderosas do mundo, Francisco atualmente ocupa o posto número cinco, atrás de Putin, Trump, Merkel e do presidente chinês Xi Jinping. Francisco ocupa a fileira mais alta de alguém que não é chefe de Estado, e é também o único líder religioso e espiritual em toda a lista de 75 nomes.

Não há praticamente nenhum grande desafio de política pública no século XXI sobre o qual Francisco não se pronunciou, desde a luta contra as mudanças climáticas e o tráfico humano até a proteção da Amazônia, a oposição tanto ao aborto quanto à pena de morte, a difusão do terrorismo religiosamente inspirado e a perseguição religiosa, entre outros.

Também não há praticamente nenhuma zona de conflito no mundo em que Francisco e sua equipe diplomática não tenham se engajado, desde a Síria e o Iraque até a República Centro-Africana e a República Democrática do Congo.

Conversando com os diplomatas acreditados à Santa Sé nesta segunda-feira, todos eles dizem a mesma coisa quando perguntados se os seus governos tomam nota quando Francisco fala sobre um determinado assunto: “E como!”

Há uma lista impressionante de áreas em que a liderança de Francisco não parece ter feito diferença, entre elas: ajudar a deter a invasão ocidental da Síria em 2013 que pretendia derrubar o regime do presidente Bashar al-Assad; ser inspiração moral para a adoção de limites nas emissões de gás carbono na cúpula climática de Paris sobre o clima em 2015; e ajudar a pavimentar o caminho para a restauração das relações diplomáticas entre os EUA e Cuba, também em 2015.

No entanto, é justo dizer que os ventos políticos parecem estar, de certo modo, soprando contra o pontífice, talvez começando com a eleição de Trump nos EUA. Ainda que Trump tenha tido uma vitória estreita em parte graças ao apoio de eleitores religiosos, incluindo uma grande parcela de católicos, em certo sentido essa não era exatamente a agenda de “fé e valores” que Francisco preferiria, a começar com a questão dos direitos dos imigrantes.

Nos meses desde a vitória de Trump, a Europa viu em muitos lugares movimentos populistas e xenófobos reviverem.

As eleições italianas no começo deste mês, em que a Liga do Norte liderada por Matteo Salvini emergiu como um dos dois grandes vencedores – depois que Salvini, de modo provocativo, segurou um rosário numa campanha em fevereiro, dando a entender que a sua postura nacionalista anti-imigrantes fosse uma verdadeira defesa da fé –, foi talvez uma pílula particularmente amarga para se tomar, embora Francisco tenha feito questão de ficar fora dos debates políticos italianos.

Quanto ao impacto direto de Francisco quando escolhe se envolver numa situação, a República Centro-Africana é um caso ilustrativo. Quando visitou o país atormentado pela guerra em novembro de 2015, as “vibes” positivas geradas na viagem foram grandemente creditadas pela criação de um clima social no qual uma transferência de poder foi possível.

Após esse momento, no entanto, o país voltou ao caos, com atentados recentes contra prestadores de ajuda humanitária fazendo com que muitos desses grupos saíssem do país, e com sobreviventes a descreverem uma prática crescente de estupro coletivo entre os vários grupos e facções armados envolvidos no conflito.

A experiência, portanto, demonstra que Francisco não pode simplesmente usar uma varinha mágica e fazer desaparecer os problemas mundiais, tampouco pode necessariamente curvar os eleitorados à sua vontade.

Mesmo assim, como um exercício de pensamento, consideremos esta questão: Se você vivesse num lugar atormentado pela guerra neste exato momento e ouvisse que um importante líder mundial faria uma visita, que nome mais lhe traz esperança de que algo bom resulte?

É bem provável que Francisco se saia bem nessa pesquisa, e para um líder com nenhum exército, nenhuma economia nacional e nenhum dos instrumentos usuais de poder, certamente esse parece ser um resultado surpreendente.

Relevância eclesiástica

Em certo sentido, parece tolice avaliar a relevância eclesiástica de um papa. O Código de Direito Canônico, no número 331, diz do pontífice: “em razão do cargo, [ele] goza na Igreja de poder ordinário, supremo, pleno, imediato e universal, que pode exercer sempre livremente”.

Nesse sentido, poderíamos nos perguntar: Se o papa – qualquer papa – não for relevante para a Igreja, quem afinal será?

Mesmo assim, é inevitável que alguns papas sejam mais relevantes eclesiasticamente do que outros. Antes da ascensão das comunicações modernas no século XX, muitos católicos no mundo, talvez a ampla maioria, pouco sabiam sobre o papa, e ele certamente não era em geral aquilo que as pessoas pensavam quando ponderavam sobre “a Igreja”.

No século XX, os papas variavam quanto ao que sabiam sobre o estado da arte na Igreja.

São João Paulo II foi uma figura extremamente carismática e um destacado líder, por exemplo, mas mesmo em seus dias muitos debates no catolicismo tinham pouco a ver diretamente com ele. A liturgia e a pressa por “uma reforma da reforma” nos anos 90 são um bom exemplo, quando a energia, na realidade, não estava mais vindo do pontífice.

Na maior parte do tempo, o próprio liturgista pessoal de João Paulo foi um progressista, mas o seu chefe litúrgico na Congregação para o Culto Divino era um grande conservador, o que permitiu que ambos os lados do debate reivindicassem o apoio papal.

Hoje, entretanto, não há dúvida de que todo o debate importa: desde a Comunhão para os divorciados e recasados até a possibilidade de diaconisas e padres casados decorrem diretamente de algo que Francisco disse ou fez, ou indiretamente das forças que ele põe em movimento. Às vezes, é quase como se outras figuras importantes da hierarquia católica, incluindo altas autoridades vaticanas, tivessem entrado para um programa de proteção a testemunhas devido à invisibilidade que estão tendo.

Os críticos frequentemente dizem que isso acontece porque Francisco criou um culto à personalidade em torno de si, e intimidou os dissidentes para que ficassem quietos por meio de repreensões. Enquanto isso, os fans acreditam é porque a visão do papa é exatamente aquilo que a Igreja necessita, e interpretam a impressão geral criada como uma confirmação de que ele está no caminho certo.

Talvez seja instrutivo fazer uma comparação entre Francisco e o antecessor que ele pretende canonizar ainda este ano: o Beato Papa Paulo VI. Paulo foi eleito em 1963, o que significa que ficou no cargo aproximadamente quatro anos, quase o mesmo tempo que Francisco hoje, quando os Beatles gravaram o álbum “Magical Mystery Tour”, com a música “Fool on the Hill” [O bobo na colina].

A letra assim diz:

His head in a cloud” [Sua cabeça numa nuvem]

The man with a foolish grin is talking perfectly loud” [O homem com um sorriso bobo fala perfeitamente alto]

But nobody wants to hear him” [Mas ninguém quer ouvi-lo]

They can see that he’s just a fool” [Eles podem ver que é apenas um tolo].

Mais tarde, Paul McCartney diria que aí pensava em Maharishi Mahesh Yogi, um sábio indiano que alcançou uma breve fama sendo uma espécie de capelão da banda. Alguns críticos do rock na época, no entanto, achavam que a música poderia ser uma referência a Paulo VI, que era visto com estando isolado, um alguém sem de contato, que não era realmente levado a sério fora dos muros do Vaticano.

Talvez a melhor aposta para uma avaliação objetiva de Francisco neste momento seja esta: Se os Beatles fossem gravar “Fool on the Hill” hoje, é muito pouco provável que alguém pense se tratar de uma referência ao atual pontífice.

Revolution”, talvez, ou mesmo “The Long and Winding Road” [A longa e sinuosa estrada], também da banda inglesa, mas definitivamente não uma balada sobre a irrelevância.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco em seu quinto ano: goste ou não dele, temos um papa relevante - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV