Após “fichamento” de pobre, militares deveriam fichar sonegador rico no Rio

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Uma mulher leiga e indígena na Conferência Eclesial da Amazônia. Entrevista com Patricia Gualinga

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Fevereiro 2018

Imaginem escolher 'aleatoriamente' nobres senhores e senhoras, bloquear a saída de suas garagens pela manhã, tirar uma foto de cada um, enviar para a Receita Federal e só liberar após checar se há algo contra eles por sonegação de impostos, tanto no que diz respeito à pessoa física quanto aos recursos devidos por suas empresas. Encontrado algum 'antecedente', eles seriam conduzidos para esclarecimentos até o escritório da Receita mais próximo. Exagero? Não, reciprocidade, escreve Leonardo Sakamoto, jornalista e cientista social, em artigo publicado por seu blog, 24-02-2018.

Eis o artigo.

Moradores de comunidades pobres da Zona Oeste do Rio de Janeiro foram ''fichados'' por militares nesta sexta (23). Parados de forma aleatória (aleatoriedade do tipo porta giratória de agência bancária), eles foram fotografados com seus documentos e eram obrigados a aguardar enquanto a Polícia Civil, à distância, checava os antecedentes criminais.

A apresentação de documentos em abordagens é prevista em lei. Mas fotografar e reter a pessoa é uma bizarrice sem tamanho. As Forças Armadas, que estão à frente da intervenção federal de Michel Temer no Rio, se justificaram dizendo que contam com amparo para tanto no decreto que autorizou o uso de militares na cidade. Pena que ''bom senso'' não seja algo passível de decreto.

Teoricamente, qualquer pessoa que se sentiu constrangida por conta disso pode mover uma ação contra o Estado. Na prática, contudo, os moradores sabem que fazer isso é pedir para levantar a ira de quem calça coturno. E como são militares e não defensores públicos que estão ocupando esses territórios, melhor ficar quieto, engolir seco e tocar adiante, buscando algum conforto na memória do tempo em que a República valia alguma coisa.

O ideal seria que as Forças Armadas parassem de fazer esse tipo de abordagem. Mas considerando que não adianta pedir com educação, pois vão continuar fichando pobre, poderíamos demandar para que estendam o sistema às ruas da Zona Sul da capital carioca e da Barra da Tijuca.

Imaginem escolher ''aleatoriamente'' nobres senhores e senhoras, bloquear a saída de suas garagens pela manhã, tirar uma foto de cada um, enviar para a Receita Federal e só liberar após checar se há algo contra eles por sonegação de impostos, tanto no que diz respeito à pessoa física quanto aos recursos devidos por suas empresas. Encontrado algum ''antecedente'', eles seriam conduzidos para esclarecimentos até o escritório da Receita mais próximo. Exagero? Não, reciprocidade.

Não importa que milhões em dívidas já foram renegociados no último Refis, abençoado por Temer enquanto ele angariava votos na Câmara dos Deputados para salvar seu pescoço da guilhotina da Lava Jato. Se as forças de segurança sempre consideraram que um antecedente criminal marca para sempre a pessoa, mesmo que ela tenha cumprido sua dívida para com a sociedade, o mesmo deveria valer para quem sonega milhões que deveriam ter sido usados para custear hospitais e pagar professores.

O mesmo poderia ser estendido para quem não paga dívidas trabalhistas. Nesse caso, talvez falte efetivo, sendo necessário chamar reservistas do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

A desigualdade é nociva porque dificulta que as pessoas vejam a si mesmas e as outras pessoas como iguais e merecedoras da mesma consideração.

Ao mesmo tempo, há a percepção (correta) de que o poder público existe para controlar os mais pobres e servir aos mais abonados. Ou seja, usar a polícia e a política a fim de proteger os privilégios do segundo grupo (que desfrutam do que a Constituição Federal tem de melhor em direitos para oferecer), usando violência contra o primeiro, se necessário for.

Dizer que isso é um ataque frontal às liberdades individuais é chutar um cachorro que já está morto há tanto tempo que entrou em decomposição, fedendo amplamente. O totó, para quem não se lembra, se chamava Democracia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após “fichamento” de pobre, militares deveriam fichar sonegador rico no Rio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV