Ex-Santo Ofício: papa substitui Müller, que criticou o Sínodo

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Julho 2017

Uma clara mudança na Cúria: Francisco substitui o cardeal alemão Gerhard Müller, prefeito da Doutrina da Fé, pelo vice do mesmo dicastério, o arcebispo jesuíta espanhol Luis Ladaria. Tanto Müller quanto Ladaria tinham sido chamados a esses papéis pelo Papa Bento (um em 2012, o outro em 2008) e eram o pedal direito e esquerdo dessa máquina: Bento privilegiava o direito. Francisco, agora, move o pé para o esquerdo.

A reportagem é de Luigi Accattoli, publicada por Corriere della Sera, 02-06-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Trata-se da maior novidade introduzida na Cúria pelo Papa Bergoglio depois da substituição, em 2013, do cardeal Bertone pelo cardeal Parolin na Secretaria de Estado. Gerhard Müller, ratzingeriano integral (Bento confiou a ele a publicação da sua “Opera omnia”), com a chegada de Francisco, tentou colaborar lealmente com o novo papa, mas só teve sucesso nos temas sociais, e não nos propriamente doutrinais.

A proximidade com o papa sobre os temas sociais foi expressada em um livro de Müller, intitulado Povera per i poveri. La missione della Chiesa [Pobre para os pobres. A missão da Igreja] (LEV, 2014), para o qual Francisco escreveu o prefácio. Em outubro de 2015, ele foi um dos 13 signatários de uma carta ao papa que protestava contra a condução demasiado liberal do segundo Sínodo sobre a família. Ultimamente, ele tinha desaprovado as interpretações “abertas” das indicações papais sobre os divorciados em segunda união, que, ao contrário, o papa aprovava.

Luis Francisco Ladaria Ferrer, 73 anos, vem da ilha de Mallorca, no arquipélago das Baleares. Professor de Dogmática na Gregoriana, vice-reitor da instituição, secretário da Comissão Teológica Internacional, é o primeiro jesuíta ao qual foi confiada a liderança da Doutrina da Fé. Ele se considera um moderado: “Eu não gosto dos extremismos, nem dos progressistas, nem dos tradicionalistas”, disse ele em uma rara entrevista à revista 30 Giorni, quando Bento o nomeou secretário da Doutrina.

Ambientes da direita espanhola e curial o consideram perigoso por causa dos seus estudos de “antropologia teológica” e sobre o “pecado original”, mas ele nunca se preocupou em responder às acusações, mostrando, nisso, uma liberdade de espírito tipicamente jesuíta, semelhante à do Papa Bergoglio diante dos muitos ataques.

“Cada um é livre para criticar”, disse ele na entrevista citada: “Essas opiniões não me preocupam mais tanto”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ex-Santo Ofício: papa substitui Müller, que criticou o Sínodo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV