Presidente do Peru quer expulsar Odebrecht do país

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 26 Janeiro 2017

“A Odebrecht tem que ir embora. Acabou”. Assim manifestou o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, sua intenção de encerrar a participação da empreiteira brasileira Odebrecht em obras executadas no país. As declarações foram concedidas no dia 24-01 à rádio RPP.

A Odebrecht está sendo investigada pelo Ministério Público do Peru por subornar funcionários públicos responsáveis por licitações de obras estatais. As investigações são um desdobramento da operação Lava-Jato da Polícia Federal brasileira. A empreiteira admitiu em um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos ter pago 29 milhões de dólares em propinas no Peru.

No dia 23-01, Kuczynski executou uma cláusula de penalidade prevista no contrato com o consórcio responsável pela obra do Gasoduto Sul, liderado pela Odebrecht. O consórcio não demonstrou capacidade de financiamento para finalizar o gasoduto, e o contrato que lhe concedia o direito de realizar a obra foi cancelado por conta disso. O valor da multa é de 262 milhões de dólares.

O presidente destacou que, para além dessa multa, a Odebrecht “terá que chegar a um acordo” com o Ministério Público do Peru em relação aos lucros ilícitos que obteve em sua ação no país. As autoridades peruanas já realizaram uma cobrança preliminar, equivalente a 9 milhões de dólares.

Para Kuczynski, a empreiteira ficou “manchada” pela corrupção, e deve vender os projetos que mantém no Peru. O governo peruano havia efetivado no início de janeiro uma alteração na lei de obras do país para proibir a Odebrecht de participar de futuras licitações.

No dia 22-01, ocorreu a primeira prisão relacionada ao esquema de corrupção da Odebrecht no país. Edwin Luyo Barrientos, responsável por licitações durante o governo de Alan García (2006-2011), foi detido em regime de prisão preventiva. Ele é acusado de ter recebido propinas em obras do Metrô de Lima. Pelo Twitter, o ex-presidente García buscou se desvincular do funcionário, e afirmou: “não me misturem em subornos e propinas de gente sem moral nem patriotismo”.

Os pagamentos ilícitos que a Odebrecht reconheceu ter feito se referem ao período entre 2005 e 2014, no qual governaram Alejandro Toledo (2001-2006), Alan García e Ollanta Humala (2011-2016). As investigações ainda podem, porém, alcançar outros governos. A Odebrecht está no país desde 1979.

Por meio de um comunicado oficial emitido no dia 24-01, a Odebrecht pediu desculpas formais ao Peru pelos “graves erros” cometidos por “ex-dirigentes” da empresa. A empreiteira afirmou que está colaborando com o país para que os fatos sejam esclarecidos e os responsáveis por eles sejam conduzidos à Justiça.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Presidente do Peru quer expulsar Odebrecht do país - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV