"Perto de Cunha, Renan é freira ou padre", diz Paulo Paim

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • CNBB emite nota sobre o desrespeito à fé cristã

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Abril 2016

Senador prevê instabilidade econômica, política e institucional se o impeachment for aprovado.

A entrevista é de Guilherme Mazui, publicada pelo jornal Zero Hora, 28-04-2016.

Há quase 30 anos no Congresso, Paulo Paim (PT-RS) reconhece que é difícil barrar a instauração do processo de impeachment de Dilma Rousseff, mas acredita no retorno da presidente. Se a aprovação do afastamento temporário depende de maioria simples (metade mais um dos presentes na sessão), a cassação do mandato exige o voto de 54 dos 81 senadores.

Para o parlamentar, ao contrário de Michel Temer, o presidente que pacificará o país precisa ter a legitimidade do voto direto dos brasileiros. ZH publicou entrevistas com os senadores Ana Amélia Lemos (PP), na segunda-feira, e Lasier Martins (PDT), na terça-feira.

O governo evita o afastamento e a cassação da presidente Dilma Rousseff?

É um quadro terrível para os brasileiros. A minha análise é de que a admissibilidade passa. A partir do dia 15 ou 16 de maio, a presidente poderia ser afastada. Teríamos seis meses com um presidente lá nos urubus, digo, no Jaburu, e uma presidente no Palácio da Alvorada. Passados seis meses, Dilma pode voltar. Não é fácil ter 54 votos no Senado.

Dilma teria votos para impedir o afastamento definitivo?

Estou no Congresso há 30 anos e nunca vi nada ser aprovado aqui com 54 votos sem acordo. Alguém poderia dizer que o impeachment do Collor passou no Senado, mas foi acordo. O Michel assume e muda todos os ministros, volta Dilma e muda todos os ministros. Seu Eduardo Cunha (PMDB-RJ) avisou: se isso acontecer, ele tem mais nove pedidos de impeachment para aceitar. Vai recomeçar a instabilidade. Enquanto isso, quem paga o pato é o povo, vítima da economia trancada e da instabilidade política que geram o desemprego.

E se o impeachment passar de vez, o que acontece?

Michel Temer ficará como um presidente sem apoio, tendo de vice Eduardo Cunha, o corrupto número 1 do país. Essa dupla vai ter condições de governar? Vai começar imediatamente a disputa de 2018. Vai começar a campanha das Diretas Já. Vamos ter outra instabilidade nos campos econômico, político e institucional.

O senhor é um dos pais da PEC das novas eleições. Há viabilidade jurídica e tempo para aprovar em dois turnos na Câmara e Senado?

Claro que há. A proposta só tem lógica mediante um grande entendimento, se Dilma e Temer concordarem. Defendo que Dilma envie a PEC para o Congresso, num ato de grandeza. A saída seria eleições para mandato de dois anos. Pela minha proposta, até 2018 teríamos uma comissão exclusiva para reforma política e eleitoral. Com um novo marco político, teríamos eleições gerais com mandatos de cinco anos para todos, inclusive senador. Se todo poder emana do povo, deixem o povo decidir quem será o novo presidente.

O PT repetiu que Eduardo Cunha, réu na Lava-Jato, não tinha legitimidade para conduzir o impeachment na Câmara. Com nove inquéritos na mesma operação, Renan Calheiros (PMDB-AL) tem legitimidade para conduzir o processo no Senado?

Com um corrupto presidindo ou não, o impeachment passou. Temos de respeitar o resultado final, aprovado por ampla maioria. Aqui o presidente é Renan Calheiros. Perto de Eduardo Cunha, Renan é freira ou padre.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Perto de Cunha, Renan é freira ou padre", diz Paulo Paim - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV