Caso de Eduardo Cunha já é o mais longo da história do Conselho de Ética

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Abril 2016

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ostenta uma nova marca: o processo que o investiga por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética já é o mais demorado da história da instância. Já se passaram 173 dias desde a abertura da representação e ainda falta mais de um mês até que o trâmite seja concluído. A novela teve mais um capítulo nesta terça-feira, quando o lobista Fernando Soares, conhecido como Baiano, confirmou no conselho o teor do depoimento que deu na Operação Lava Jato no qual detalha como pagava propina ao Cunha. Segundo ele, um emissário de Cunha recebeu 4 milhões de reais em espécie como pagamento da intermediação de um negócio com outro lobista, Julio Camargo, da empreiteira Toyo Setal. O parlamentar nega que tenha recebido propina dentro do esquema que desviou bilhões de reais da Petrobras.

A reportagem é de Afonso Benites, publicada por El País, 26-04-2016.

Para os opositores, as declarações de Baiano comprovam a quebra de decoro do deputado, enquanto seus defensores afirmam que as palavras não têm valor, pois não há provas documentais dos pagamentos ilícitos.

A previsão é que o processo de Cunha seja encerrado até 2 de junho. Ainda faltam ser ouvidas seis testemunhas (duas da acusação e quatro da defesa), o que deve ocorrer até 19 de maio. Entre a tropa de choque de Cunha, porém, há um entendimento que esse prazo possa se alongar. Uma série de novos recursos deve ser apresentada até meados de maio. Pelos cálculos feitos até agora, com as mudanças de composição no conselho, o deputado, que responde a processo no Supremo Tribunal Federal pela Lava Jato, teria maioria para negociar um relatório final mais brando que a cassação de seu mandato.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Caso de Eduardo Cunha já é o mais longo da história do Conselho de Ética - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV