Avaliando a histórica viagem papal ao Iraque

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Abril 2021

 

Um mês depois de ir para o Iraque, a jornada de Francisco à terra de Abraão continua a provocar intriga e esperança no Vaticano.

A reportagem é de Loup Besmond de Senneville, publicada por La Croix International, 05-04-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

“Essa foi talvez a mais importante viagem do pontificado”, confidenciou uma autoridade da Cúria Romana.

De fato, um mês depois que o Papa Francisco fez sua histórica visita ao Iraque, as pessoas no Vaticano estão ainda falando sobre a jornada de 05 a 08 de março.

Eles estão analisando os “significativos gestos” que foram feitos ao longo dos três dias de viagem.

Esses incluem os cumprimentos do Grande Imã Ali al-Sistani, a maior figura xiita que se levantou duas vezes para cumprimentar o papa – uma ocorrência rara que as autoridades em Roma rapidamente destacam.

Francisco continua a se referir à viagem como uma peregrinação nos passos de Abraão. E os ajudantes que viajaram com ele ao país árabe frequentemente são perguntados “E o Iraque? Como estava lá?”.

Diplomatas estrangeiros na Santa Sé, especialmente, continuam intrigados pela visita apostólica.

Um deles confirmou que permaneceu grudado em seu computador durante todo o final de semana da viagem, enviando muitos relatórios do que ele testemunhava para seus superiores.

E, agora, um mês depois, o que ainda permanece da viagem?

“Eles deixaram Saddam para trás, ótimo, mas encontraram o quê?”, questionou uma autoridade do Vaticano que ainda está um pouco sobrecarregada pela viagem papal.

E no Iraque, onde os mísseis estão sendo lançados novamente e uma segunda onda da pandemia de coronavírus tem causado aumento nas infecções, eles dizem que ainda é cedo para avaliar os efeitos de longo prazo da viagem, a qual encerrou com Francisco doando 350 mil dólares para ajudar os pobres do país.

A primeira visita papal será avaliada com o tempo, e em múltiplas áreas: relações com o xiitas, proteção das minorias cristãs, o destino dos Yazidis, movimentos diplomáticos no triângulo EUA-Irã-Iraque...

Então, ainda levará tempo para avaliarmos se a viagem papal foi um sucesso ou não.

Mas uma autoridade experiente do Vaticano já fez sua leitura.

Ele disse que o “teimoso papa”, como ele descreve Francisco, enquanto bate em sua cabeça com o punho, estava correto nesse tempo.

Apesar de todas as preocupações.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Avaliando a histórica viagem papal ao Iraque - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV