A pandemia bate recorde nos EUA e Trump perde as eleições. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Ainda há espaço para a missão do padre? Artigo de Giannino Piana

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Novembro 2020

"A principal prioridade de Biden-Harris é controlar a pandemia da covid-19. Sem resolver o problema da emergência sanitária não há como resolver outros problemas econômicos, sociais e ambientais", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e pesquisador titular da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 06-11-2020.

Eis o artigo.

“O significado da vida é que algum dia ela acaba” - Franz Kafka (1883-1924)

Os resultados das eleições americanas do dia 03 de novembro de 2020 ficaram incertos por quatro dias, geraram muita ansiedade, mas houve um desfecho festivo no fim de semana com a derrota de Donald Trump e a vitória de Joe Biden e Kamala Harris.

Pela primeira vez os EUA elegem uma mulher para a vice-presidência e uma mulher com ascendência de pais imigrantes vindos da Jamaica e da Índia (garantindo a presença da diversidade negra e asiática no poder).

Como mostrei em artigo recente (ALVES, 30/09/2020), os fundamentos da economia dos EUA estão abalados com a maior recessão em um século, com aumento do déficit público, elevação exponencial da dívida pública e aumento do desemprego.

Mas a prioridade número 1 é vencer a pandemia e garantir a saúde das pessoas, como ressaltou o presidente eleito.

O gráfico abaixo mostra que os EUA vivem a 3ª onda da covid-19 e cada afluxo tem sido maior do que o anterior. Na 1ª onda, a média móvel de 7 dias atingiu o pico de 32.600 casos em 24 horas. Na 2ª onda, a média móvel chegou ao segundo pico de 70 mil casos em 24 horas. Na 3ª onda, a média móvel continua subindo e já atingiu o montante de 107 mil casos em 24 horas. No dia 06/11 o número de casos chegou à impressionante cifra de 132 mil pessoas infectadas em um dia, recorde absoluto entre todos os países.

(Fonte: Worldometers)

O gráfico abaixo mostra a média móvel das mortes da covid-19 nos EUA. Os recordes aconteceram na 1ª onda com média de 2.250 vidas perdidas em 24 horas e com o máximo de 2.744 óbitos no dia 21 de abril. Na 2ª onda, a média móvel bimodal chegou ao valor de 1.181 vítimas fatais em 24 horas. Na 3ª onda, a média móvel continua subindo e já atingiu o montante de 1.000 óbitos em 24 horas. No dia das eleições americanas (03/11) aconteceram 1.200 mortes pelo novo coronavírus.

(Fonte: Worldometers)

Portanto, a principal prioridade de Biden-Harris é controlar a pandemia da covid-19. Sem resolver o problema da emergência sanitária não há como resolver outros problemas econômicos, sociais e ambientais.

A segunda prioridade é a geração de emprego. Como mostram os gráficos abaixo a pandemia gerou uma recessão que provocou mais de 20 milhões de pessoas desempregadas, com uma taxa de desemprego de cerca de 15% no segundo trimestre de 2020. A taxa diminuiu para 6,9% no terceiro trimestre, mas é um número muito alto e que pode subir diante da 3ª onda da pandemia no inverno que se aproxima. O democrata promete um pacote fiscal de mais US$ 3 trilhões para acelerar um plano de investimentos em infraestrutura previstos para os próximos 10 anos.

(Fonte: Worldometers)

Mas a dupla Biden-Harris vai ter que lidar com a guerra comercial entre EUA-China, com a guerra tecnológica pela implementação da rede de 5G, recolocar os EUA no Acordo de Paris, adotar medidas contra o aquecimento global, viabilizar a aceleração do processo de transição da matriz energética e resolver os problemas de desigualdade social e racial e restaurar os mecanismos de cooperação multilateral. Os desafios não são pequenos.

 

Referência:

ALVES, JED. Déficit, dívida pública e crise da democracia nos EUA, EcoDebate, 30/09/2020. Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A pandemia bate recorde nos EUA e Trump perde as eleições. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV