Igreja precisa “limpar a casa”, defende pregador americano

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Juíza determina plano emergencial contra o desmatamento na Amazônia

    LER MAIS
  • Requiem para os estudantes. Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Uma “bispa católica” em Lyon: provocação ou profecia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Mai 2020

O criador do ministério televisivo Leading The Way e pastor da Igreja dos Apóstolos, de Atlanta (EUA), Michael Youssef, 71 anos, contrariou a opinião de que o coronavírus desencadeará um “reavivamento” evangélico. Um reavivamento só acontecerá se “o povo de Deus remover os ídolos de suas vidas”, afirmou.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

O julgamento de Deus, alertou, cairá pesadamente sobre a igreja que motiva pelo entretenimento e que deixou de lado o discipulado. “O apóstolo Pedro disse que o julgamento de Deus começa na casa de Deus. Então precisamos realmente começar com a Igreja e começar a limpar a casa”, frisou.

Ele lamentou que pastores de alto nível falhem em abordar a realidade do pecado no púlpito e, em vez disso, se concentram no “’evangelho da positividade’ como lobos particularmente perigosos em pele de cordeiro.” É muito mais fácil ouvir “Deus te ama do jeito que você é e não precisa mudar”, analisou.

“Os chamados evangélicos se afastaram da ortodoxia bíblica e todo tipo de falsidade se infiltrou nos púlpitos”. Basicamente, assinalou, “decidimos escolher qual parte da Bíblia gostamos e qual parte não gostamos”, o que é muito triste para a igreja.

Em entrevista ao The Christian Post, Youssef identificou o afastamento da igreja da verdade bíblica na década de 20 do século passado e que foi intensificado nos anos 60, quando os líderes da igreja tentaram tornar Jesus palatável ao movimento hippie. “Estamos fazendo as pessoas se sentirem bem até o inferno, infelizmente. Não é um cristianismo bíblico”, avaliou. 

A Igreja deveria ser Igreja de Jesus Cristo, a reunião de crentes. Mas a fim de fazer com que os incrédulos se sintam confortáveis “começamos a introduzir um certo tipo de música e depois a introduzir mensagens divertidas para ajudar as pessoas a se sentirem bem quando saem (de um culto)”, criticou.

Youssef explicou que a palavra “discípulo” significa ser estudante, aprender e estudar com Jesus. “O incrível da Palavra de Deus é que ela foi preservada por dois mil anos, apesar de as pessoas tentarem desesperadamente queimá-la e se livrar dela. Felizmente, estamos intactos. Portanto, não há psicologia pop ou tapinha nas costas que fará discípulos, somente a Palavra de Deus não adulterada pode fazer isso”, declarou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja precisa “limpar a casa”, defende pregador americano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV