Credo da Juventude das CEBs. Uma luz na pandemia do coronavírus

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Abril 2020

"A Terra é (ou, deveria ser) um Jardim. No processo da evolução, a “presença criadora” (“presença ontológica”) de Deus quis e quer o ser humano como parte da Terra-Jardim e, ao mesmo tempo, como Jardineiro, que cuida dela (e dele mesmo) com amor. Infelizmente, o ser humano não está cumprindo o seu papel de Jardineiro! A pandemia do coronavírus é uma alerta. Quem sabe, o ser humano reflita e se torne um bom Jardineiro!", escreve Marcos Sassatelli, frade dominicano, doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) e professor aposentado de Filosofia da UFG.

Eis o artigo.

O 10.º Encontro Continental das Comunidades Eclesiais de Base - CEBs, que aconteceu de 13 a 17 de setembro de 2016, na cidade de Luque - Paraguai, com o Lema “As CEBs Caminhando e o Reino Proclamando” - divulgou o “Credo da Juventude das CEBs”: uma verdadeira profissão de Fé dos Jovens - e nossa também - na Sociedade do Bem Viver e do Bem Conviver: o Reino de Deus acontecendo na história do ser humano e da Mãe Terra, nossa Casa Comum. Parabéns Juventude!

O Credo da Juventude das CEBs é uma luz no nosso caminho para que - juntas e juntos - possamos enfrentar e superar a pandemia do coronavírus (a Covid-19) e mudar totalmente a maneira de viver e conviver entre nós e com a Mãe Terra, nossa Casa Comum.

Oremos o Credo:

Não cremos que tenhamos que estar à espera. CREMOS que as/os jovens somos sujeitos transformadores/as da realidade, lutando por espaços e construindo alternativas.
Não cremos nas fronteiras. CREMOS que somos filhas e filhos de uma Pátria Grande sem racismo, sem normas para amar, incluindo toda a diversidade sexual, mulheres, juventudes, povos originários, negras/os, minorias e todos os de abaixo.
Não cremos em uma Igreja estática, patriarcal, clerical e hierárquica. CREMOS em uma comunidade integradora, inter-geracional, com voz própria. Cremos nesta Igreja em luta, “lançando sua sorte com os pobres da terra”, frente a um sistema capitalista dominante.
Não cremos em individualismos, em salvadores, ditadores nem golpistas. CREMOS na construção comunitária e coletiva de lutas na conjuntura que acontece em Nossa América hoje.
Não cremos em um Deus castigador, que pune seu povo com a pobreza. CREMOS em um Deus/Deusa que está presente nas diferentes experiências das comunidades: um Deus próximo, um Deus libertador e revolucionário, um Deus que é membro das CEBs, que trabalha e luta como Jesus de Nazaré. [1] [2]

A pandemia do coronavírus “nos revela que o modo como habitamos a Casa Comum é nocivo à sua natureza. A lição que nos transmite soa: é imperioso reformatar a nossa forma de viver sobre ela, enquanto planeta vivo. Ela está nos alertando que assim como estamos nos comportando não podemos continuar. Caso contrário a própria Terra irá se livrar de nós, seres excessivamente agressivos e maléficos ao sistema-vida[3]”.

Mesmo sendo Terra, uma porção da Terra, “começamos a saquear suas riquezas no solo, no subsolo, no ar, no mar e em todas as partes”. Buscamos “realizar um projeto ousado de acumular o mais possível bens materiais para o desfrute humano, na verdade, para a subporção poderosa e já rica da humanidade” (L. Boff, Ib.).

No Brasil, por exemplo, “cerca de 5% da população mais rica aufere 95% da renda nacional. Apenas 0,1% dos brasileiros mais ricos possuem 48% da riqueza do país” (Folha de S. Paulo, 20/03/20, p. A3).

Os nossos irmãos e irmãs indígenas afirmam: “Os danos à natureza preocupam-nos, de maneira muito direta e palpável, porque ‘somos água, ar, terra e vida do meio ambiente criado por Deus. Por conseguinte, pedimos que cessem os maus-tratos e o extermínio da Mãe Terra. A terra tem sangue e está sangrando, as multinacionais cortaram as veias da nossa Mãe Terra” (Papa Francisco. Querida Amazônia, 42).

Esquecemos que “atacando a Terra, atacamos a nós mesmos que somos Terra pensante” (L. Boff, Ib.). Ora, se somos Terra pensante, somos (ou, deveríamos ser) seres racionais, autoconscientes, responsáveis e amantes.

A Terra é (ou, deveria ser) um Jardim. No processo da evolução, a “presença criadora” (“presença ontológica”) de Deus quis e quer o ser humano como parte da Terra-Jardim e, ao mesmo tempo, como Jardineiro, que cuida dela (e dele mesmo) com amor. Infelizmente, o ser humano não está cumprindo o seu papel de Jardineiro! A pandemia do coronavírus é uma alerta. Quem sabe, o ser humano reflita e se torne um bom Jardineiro!

Precisamos mudar radicalmente (revolucionar) todos os critérios da convivência dos seres humanos entre si e com a nossa Mãe Terra. Precisamos criar um sistema de relações individuais e sociais (sócio-econômico-político-ecológico-culturais) alternativo ao sistema capitalista ultraneoliberal, estruturalmente iníquo, perverso, cruel, desumano, antiético e anticristão.

“Seremos capazes de captar o sinal que o coronavírus nos está passando ou continuaremos fazendo mais do mesmo, ferindo a Terra e nos autoferindo no afã de enriquecer?” (L. Boff, Ib.). Sigamos a luz que o “Credo da Juventude das CEBs” nos oferece! Para os cristãos e cristãs, a esperança nunca morre!

 

Notas:

[1] Credo das Juventudes das CEBs. Acesse aqui.

[2] Mensagem do X Encontro Continental das CEBs. Acesse aqui.

[3] A Terra se defende. Artigo de Leonardo Boff. Acesse aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Credo da Juventude das CEBs. Uma luz na pandemia do coronavírus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV